Publicidade

Estado de Minas

Cobertura vacinal contra febre amarela sobre para 88% em Belo Horizonte

Mas índice está abaixo dos 95% da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde para áreas de registro de casos da doença. Mais de 60 mil pessoas vacinaram somente no sábado


postado em 24/01/2018 21:55

Imunização é a principal prevenção contra avanço da febre amarela(foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Imunização é a principal prevenção contra avanço da febre amarela (foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
A cobertura vacinal contra a febre amarela em Belo Horizonte avançou para 88%, segundo informou na noite desta quarta-feira a Prefeitura de Belo Horizonte. O índice está abaixo da meta do Ministério da Saúde (MS) de 95%, mas foi um crescimento de cinco pontos percentuais, já que antes do último fim de semana, 83% da população da capital estava imunizada.

Segundo a PBH, somente na campanha do último sábado, em que 152 centros de saúde e Serviço de Atenção ao Viajante funcionaram para aplicar a vacina contra a febre amarela, foram vacinadas mais de 60 mil pessoas. Este ano, com o surgimento dos casos da doença, 134 mil pessoas procuraram os postos públicos da cidade para a imunização.

Vacina é a principal prevenção contra febre


A vacina contra a febre amarela é a principal forma de prevenção. Segundo informações do MS, uma dose é o suficiente para proteção por toda a vida. A imunização é realizada nos centros de saúde de BH, de segunda a sexta, das 9 às 17 horas. Quem estiver de viagem marcada para sítios, chácaras, áreas de matas, trilhas rurais e cachoeiras, devem se vacinar com pelo menos 10 dias de antecedência.

Em Belo Horizonte a vacina é aplicada para pessoas acima dos nove meses e que ainda não tenham recebido nenhuma dose. Na situação atual, com circulação comprovada do vírus da febre amarela na Região Metropolitana de BH e casos confirmados da doença em residentes no município, com transmissão ocorrida fora da capital, a imunização também será aplicada em pessoas acima de 60 anos, gestantes e lactantes.

No caso de idosos, se necessária a avaliação médica para receber a vacina, ela pode ser feita por qualquer profissional de saúde. Inclusive os que atuam nas unidades básicas de saúde. Esta orientação segue determinação do Ministério da Saúde.

Macacos não transmitem a doença

Em meio aos esforços de combate à febre amarela, é sempre importante destacar: os macacos não transmitem a doença aos humanos. No trabalho de prevenção eles são aliados, pois, quando contaminados, indicam que o local onde vivem pode ter um foco dos mosquitos transmissores infectados com o vírus. Assim, os macacos contribuem para os trabalhos de zoonoses na eliminação dos focos da doença e na elaboração das estratégias de prevenção, como isolamento de áreas.

A vacina é contraindicada e não é aplicada nos seguintes casos:
 
- Crianças menores de 9 meses de vida

- Pessoas com alergia grave ao ovo ou outro componente da vacina

- Portadores de imunossupressão grave

- Pessoas em uso de corticoide em doses elevadas

- Portadores de doenças: lúpus, artrite reumatoide, doenças de Addison e do Timo (miastenia gravis, timona).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade