Publicidade

Estado de Minas

Poda inadequada de árvore às margens do Rio São Francisco causa revolta; veja vídeo

Segundo ex-integrante do Codema de Pirapora, podas de árvores devem acontecer até o mês de agosto, antes do início da primavera


postado em 11/01/2018 16:52 / atualizado em 12/01/2018 10:01

(foto: Haroldo Lage/Divulgação)
(foto: Haroldo Lage/Divulgação)
A poda inadequada de árvores frondosas com mais de 60 anos de existência em uma avenida ao lado do Rio São Francisco provocou indignação por parte dos moradores de Pirapora, no Norte de Minas Gerais. Os danos à natureza foram identificados por meio de um vídeo que circula nas redes sociais, gravado pelo morador Roberto Mac Donald, que coordena um projeto ambiental no município. Após a denúncia, o corte das árvores, que estava sendo feito por uma empresa contratada pela prefeitura, foi suspenso.

A interrupção do serviço foi feita nessa quarta-feira a pedido do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Codema) de Pirapora e do Ministério Público Estadual. O presidente do Codema, Sydaertha Oliveira Moreno, disse que, além de solicitar a suspensão dos trabalhos, o órgão vai entrar com uma ação judicial para a “autuação dos responsáveis” pelo corte irregular.

Moreno disse que, “sem o conhecimento” do Conselho Municipal de Meio Ambiente, por meio de uma licitação, a Prefeitura contratou uma empresa que começou a poda das árvores no início desta semana. O presidente do Codema salientou que a firma contratada deverá ser responsabilizada pelos danos, por fazer o serviço fora dos critérios ambientalmente corretos. “Mas, entendo que a prefeitura é a co-responsável, por ter contratado a empresa”, afirmou.



“Não sei porque resolveram fazer a poda de árvores agora. A poda deve ser feita até o mês de agosto, antes do início da primavera. Foram provocados danos paisagísticos à cidade, mutilando as árvores, e também acabaram com as sombras em um município quente”, afirmou Roberto Mac Donad, em entrevista do Estado de Minas, nesta quinta-feira. “Estou apenas defendendo o meio ambiente. Não tem nada de questão política”, afirmou o morador, que também é ex-integrante do Codema de Pirapora.

Segundo ele, somente na Avenida São Francisco, foram danificadas cinco gameleiras frondosas com cerca de 70 anos de existência e cerca de 20 outras árvores de menor porte.

No vídeo que circula nas redes sociais, Mac Donald mostra uma enorme gameleira podada e afirma que a cena é “uma das coisas mais revoltantes que estou vendo hoje”. Ele lembra que, com a poda inadequada, a árvore “perdeu o centro de gravidade” e ficou frágil, podendo ser derrubada pelo vento. “Isso é um crime ambiental. É revoltante. Quem será responsabilizado por isso? Estou envergonhado e revoltado com esta situação que se passa em Pirapora. Espero que alguém possa ser responsabilizado por isso”, desabafa o ambientalista.

Na tarde desta quinta-feira, a reportagem do em.com.br tentou, mas não conseguiu contato com a Prefeitura de Pirapora. Em uma rede social, foi divulgado texto da assessoria de comunicação da prefeitura, no qual a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanismo justifica que “as podas que estão sendo realizadas na cidade são necessárias para a segurança da população. Nas áreas iluminadas, a poda é essencial, pois em muitos casos a iluminação está prejudicada pelas copas das árvores. No caso de tempestades, evita acidentes por causa da queda de árvores - só no final de 2017 e início de 2018, dezenas de árvores caíram", diz o texto. A nota ainda argumenta que a poda visa evitar riscos à rede elétrica.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade