Publicidade

Estado de Minas

Já choveu em BH quase um quarto do previsto para o mês de janeiro

Deslizamento de terra deixou um operário ferido na capital mineira. Pelo menos quatro municípios registraram alagamentos no estado. Chuvas devem permanecer ao longo do dia


postado em 05/01/2018 06:00 / atualizado em 05/01/2018 08:09

A terra atingiu uma casa em construção no Taquaril, ferindo um operário que trabalhava no local(foto: Defesa Civil/Divulgação)
A terra atingiu uma casa em construção no Taquaril, ferindo um operário que trabalhava no local (foto: Defesa Civil/Divulgação)
As chuvas da madrugada e durante todo o dia de ontem provocaram transtornos na capital e no interior de Minas e devem se manter hoje. A Defesa Civil emitiu alertas de temporais acompanhados de trovoadas, descargas elétricas e rajadas de vento ao longo do dia. Devido às precipitações de ontem um deslizamento de terra atingiu uma casa em construção no fim da manhã e um operário ficou ferido. Também foram registradas quedas de árvores. No interior do estado, houve alagamentos em pelo menos quatro municípios.

Em apenas quatro dias, em Belo Horizonte choveu 24% do total esperado pela Defesa Civil de Belo Horizonte para o mês de janeiro, que tem média histórica acumulada em 296,3mm. As regionais que registraram maiores índices foram Noroeste, com 92,4mm (31%) e Venda Nova, com 92,6mm (31%). Em seguida, vem Nordeste, 85,8mm (29%), Leste, com 82,6mm (28%), Pampulha, com 80,8mm (27%), Centro-Sul, com 73,8mm (25%), Norte, com 69,8mm (24%), Oeste, com 50,6mm (17%) e Barreiro, com 29,6mm (10%).

Hoje, segundo o Instituto de Meteorologia (Inmet) tempo deverá seguir instável. Por isso, previsão para o estado é de céu encoberto e nublado, com possibilidade de pancadas de chuva e trovoadas isoladas. As regiões que poderão receber chuva com maior incidência são Noroeste, Central Mineira, Oeste, Metropolitana, Zona da Mata e Rio Doce. A temperatura mínima para o estado deverá ser de 15ºC, e a máxima, é 34ºC. Os ventos – de fracos a moderados com rajadas – se dirigirão para as regiões Nordeste e Noroeste do estado. Ainda de acordo com o instituto, a tendência é que as chuvas sejam reduzidas em boa parte das regiões mineiras nos próximos dias.

Na capital mineira, um deslizamento de terra foi registrado ontem no Bairro Taquaril, na Região Leste, e atingiu uma casa em construção. Segundo o Corpo de Bombeiros, a encosta ruiu sobre o muro onde o pedreiro estava trabalhando. A vítima foi retirada dos escombros pelos militares e encaminhado para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. O homem foi identificado como Wesley Moreira da Silva. O estado de saúde dele não foi informado. A Defesa Civil foi acionada pelo Corpo de Bombeiros para fazer uma avaliação no local para evitar novos incidentes.

O trânsito ficou prejudicado em alguns trechos da cidade. Além da diminuição da velocidade por parte dos motoristas, uma árvore caiu entre as avenidas Augusto de Lima e Amazonas, no Centro. Uma faixa e meia ficou ocupada pelos galhos. Congestionamento foi registrado na região.

Em Oliveira, as chuvas na tarde de ontem deixaram as principais ruas da cidade debaixo d'água(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Em Oliveira, as chuvas na tarde de ontem deixaram as principais ruas da cidade debaixo d'água (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


INTERIOR Cidades do interior de Minas Gerais também sofrem com os problemas durante os temporais. Alagamentos foram registrados e famílias tiveram que deixar as casas por causa do risco de serem atingidas pela força da água. Ocorrências foram registradas em Lajinha, na Zona da Mata, Santa Rita do Sapucaí, no Sul do estado, Governador Valadares, na Região do Rio Doce, e Oliveira, no Centro-Oeste de Minas.

Em Oliveira, a 176 quilômetros da capital, os moradores enfrentaram um temporal na tarde de ontem que deixou as principais ruas da cidade debaixo d’água. O córrego que corta a Avenida Maracanã, na área central do município transbordou, carros foram arrastados e imóveis comerciais e residenciais inundados. Quinze militares do Corpo de Bombeiros local foram empenhados no socorro a pessoas ilhadas. A forte chuva começou por volta das 15h30 e pegou de surpresa a população. A prefeita Cristine Lasmar de Moura Resende (PMDB) fez reunião de emergência com agentes da Defesa Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros para definir ações de emergência e a possível decretação do estado de calamidade.

Situação crítica também ocorreu em Lajinha. O Rio São Domingos, que corta a cidade, transbordou em alguns imóveis foram atingidos. “Por volta das 3h caiu uma tromba d’água na cabeceira do Criciúma (distrito vizinho). Alertados e sob nossa orientação e da Defesa Civil, os moradores foram tomando as devidas cautelas. Pouco depois, por volta das 4h, as águas inundaram a cidade. Pela manhã o alagamento cessou e a situação ficou tranquila”, afirmou o cabo Vinícius Martineli, da PM.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil local, Luciano Barros Faria, a água chegou a atingir um metro nas casas. “O rio subiu aproximadamente sete metros e saiu da calha. Tivemos relatos de moradores que perderam móveis, roupas, colchões e alimentos. A sorte é que conseguimos avisar a população uns 30 minutos antes do temporal. Alguns conseguiram salvar objetos”, explicou.

Em Santa Rita do Sapucaí, o temporal também assustou os moradores. De acordo com a Defesa Civil local, um grande volume de chuva atingiu o município em pouco tempo. Por causa disso, vários alagamentos foram registrados, mas sem grandes danos. A água baixou rapidamente, em menos de uma hora. O órgão informou que o rio que corta a cidade estava em um nível baixo, por isso, não chegou a sair da sua calha.

A chuva também atingiu Governador Valadares. Segundo o Corpo de Bombeiros, na madrugada de ontem, alagamentos foram registrados em alguns bairros, mas sem grandes danos. *Estagiários sob supervisão da subeditora Rachel Botelho

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade