Publicidade

Estado de Minas

Célula de facção paulista que atuava no Sul de Minas é desarticulada em operação

Foram cumpridos 37 mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão. Ao todo 14 pessoas foram denunciadas por participação na facção


postado em 19/12/2017 15:22 / atualizado em 19/12/2017 17:36

Operação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) desarticulou um braço de uma organização criminosa de São Paulo que atua na região Sul do estado. Foram cumpridos 37 mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão. Ao todo 32 pessoas foram denunciadas por participação na facção. A quadrilha era comandada por integrantes do bando de dentro de prisões e atuava no tráfico de drogas. O dinheiro arrecadado era enviado para a capital paulista.


As investigações contra a quadrilha começaram há três anos. Foi identificado que o núcleo da quadrilha atuava no Sul de Minas no tráfico de drogas, roubos e recrutamento de jovens para a organização. O dinheiro arrecadado nos crimes eram enviados para os líderes da facção em São Paulo. O bando era comandado por membros da organização que estavam em prisões.


O trabalho de inteligência e troca de informações dos órgãos de segurança de Minas Gerais mostrou que o bando era bem organizado. “Identificamos 32 nomes que exerciam uma função específica, por exemplo, disciplina no interior do presídio, outro responsável pelo progresso da venda da cocaína na cidade, outro pela questão financeira, que é uma mensalidade que cada membro da organização é obrigado a pagar. Então, essas pessoas e outras foram identificadas, acusadas e a partir de um trabalho conjunto foi levado ao poder judiciário no começo de dezembro”, explicou o promotor Mário Antônio Conceição.


Nesta terça-feira, uma operação conjunta entre o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e as polícias Civil e Militar, aconteceu em Varginha, Lavras, São Lourenço e Alfenas. Uma pessoa foi presa e outras quatro estão foragidas. Outras 27 pessoas já tinha sido detidas durante as investigações da organização. “É importância de diminuir ou até exterminar essa célula, porque sabemos que onde esse grupo se instala o caos é instalado junto. Nosso objetivo, das forças da Justiça, é eliminar essa quadrilha”, disse o delegado Antônio Carlos Butgnon. A operação contou com a participação de 35 policiais militares, 28 policiais civis, 18 viaturas e dois integrantes do MPMG. Foram apreendidos documentos que comprovam a ligação dos integrantes na quadrilha.

De acordo com o promotor, os crimes vinham aumentando nas cidades. O maior motivo é que os chefes da quadrilha financiavam o tráfico de drogas. “Eles faziam como se fossem um banco. Emprestavam o dinheiro para compra de drogas. O traficante fazia a venda do entorpecente, e quando não conseguia pagar dentro do prazo, cometia roubos de motos e outros veículos, além de ataques a casas lotéricas e supermercados”, explicou.


Uma força-tarefa vai continuar atuando para evitar o crescimento desta facção em Minas. “A organização criminosa está incrementando o recrutamento de pessoas que já atuam na vida do crime e não fazem parte de nenhuma quadrilha. Por isso, vamos continuar a troca de informações para poder identificar, prender e processar essas pessoas”, completou o promotor.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade