Publicidade

Estado de Minas

Jovem é morto com tiro na cabeça durante abordagem policial em Ouro Preto

Igor Arcanjo, de 20 anos, ia para um show quando veículo em que estava foi parado. Polícia alega legítima defesa. Para a família, houve execução


postado em 16/09/2017 21:41 / atualizado em 16/09/2017 22:42

Perícia feita no veículo em que o jovem estava não localizou arma de fogo. Segundo a família, o rapaz ia para um show(foto: Reprodução/Facebook)
Perícia feita no veículo em que o jovem estava não localizou arma de fogo. Segundo a família, o rapaz ia para um show (foto: Reprodução/Facebook)

Um rapaz de 20 anos morreu baleado durante uma abordagem policial na noite da última sexta-feira em Ouro Preto, na Região Central de Minas Gerais. Igor Arcanjo Mendes estava em um Fiat Palio ao lado de outros cinco ocupantes quando uma viatura sinalizou para que o motorista do veículo parasse. Segundo a versão divulgada em nota pela Polícia Militar, a vítima teria feito um movimento brusco no momento que recebeu a ordem de descer do carro, o que fez com que um dos agentes acreditasse que ele sacaria uma arma de fogo. O policial disparou contra Igor, que foi atingido na cabeça e morreu no local.

O caso ocorreu próximo ao local conhecido como 'Morro da Forca'. De acordo com a versão contada pelos militares, o veículo em que Igor estava trafegava acima do limite de velocidade permitida para a via, o que levantou suspeita de irregularidades. Ao dar ordem de parada, os policiais não teriam sido atendidos imediatamente. Segundo os agentes da corporação, Igor era um dos passageiros e estava no banco da frente. Ao receber ordem para sair do carro, a polícia afirma que ele levou as mãos à cabeça, mas, em seguida, fez um movimento rápido em direção ao porta-luvas do carro.

Em resposta à ação de Igor, o comandante da equipe policial atirou em direção ao jovem. Ferido na cabeça, ele chegou a ser levado para uma Unidade de Pronto Atendimento de Ouro Preto, mas já chegou morto.

O policial, que não teve a identidade revelada pela corporação, alega ter atirado em legítima defesa. Segundo a nota da PM, em perícia feita no veículo, foram localizados dois pinos e um invólucro com material semelhante a cocaína. Já na roupa de Igor, uma enfermeira teria encontrado uma bucha de substância semelhante a maconha. Nenhuma arma foi encontrada com os ocupantes do carro.

Para Giovanni Arcanjo João, tio de Igor, a versão da polícia é falha. "O que aconteceu não foi despreparo, foi execução", afirma. Segundo o tio da vítima, o jovem e os amigos iam para um show quando foram abordados, por volta de 22h. "Meu sobrinho morreu nesse horário e nós só fomos avisados às 4h do dia seguinte. Apreenderam os celulares de todo mundo que estava no carro. Não deixaram ninguém avisar a família", conta Giovanni.

Giovanni afirma também que houve demora na confecção do boletim de ocorrência, que só pôde ser lido pelos familiares de Igor no início da tarde desse sábado. "O que sei é que meu sobrinho era trabalhador. Era jardineiro e só estava indo a um show. O que aconteceu foi assassinato", acusa.

Segundo a PM, o caso será apurado pela Corregedoria da Polícia Militar. O militar encontra-se em liberdade e a disposição da Justiça

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade