Publicidade

Estado de Minas

MP quer saber se risco de desabastecimento de água em Bom Despacho é por descuido de empresa

Procedimento de investigação da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor da cidade vai checar se Copasa investiu em sistema de fornecimento de água e que providências adotou para evitar desabastecimento


postado em 14/09/2017 15:50 / atualizado em 14/09/2017 21:32

Risco de desabastecimento em Bom Despacho será investigado pelo Ministério Público (foto: Nando Oliveira/Esp. EM/D. A PRESS)
Risco de desabastecimento em Bom Despacho será investigado pelo Ministério Público (foto: Nando Oliveira/Esp. EM/D. A PRESS)

A Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Bom Despacho, no Centro-Oeste do estado, instaurou inquérito apurar o desabastecimento de água na cidade. O objetivo é apurar se a Copasa realizou os investimentos e tomou providências necessárias para evitar a falta de água. No procedimento, será checado se está em prática a escala de racionamento proposta pela empresa, de corte do fornecimento de pelo menos oito horas diárias.

A promotoria informou que já requisitou informações técnica à Copasa e notificou o responsável pela agência local da empresa para que preste esclarecimentos sobre a escala de racionamento. Segundo o promotor de Justiça Giovani Avelar Vieira, se as respostas não forem satisfatórias serão adotadas medidas junto à Justiça, que podem passar até mesmo pela responsabilização da distribuidora de água e seus diretores por danos morais coletivos.

“Além de absolutamente indispensável à sobrevivência humana, o serviço de abastecimento de água é público. Se é evidente que não se pode exigir da empresa fornecedora que crie água, imperioso apurar se o serviço de abastecimento foi corretamente prestado”, diz o promotor de Justiça.

Por meio de nota, a Copasa informou que o longo período de estiagem provocou a redução do nível do Rio Capivari, manancial utilizado pela companhia para o abastecimento da cidade. “A medida aplicada em Bom Despacho é consequência da forte seca que assola grande parte da Região Sudeste e, em especial, o Centro-Oeste mineiro.”

De acordo com a companhia, o sistema de abastecimento de água de Bom Despacho opera com vazão média de 137 litros/segundo. Em decorrência do longo período de estiagem, a capacidade de produção do manancial (Ribeirão Capivari) está reduzida a 82l/s.

Para garantir o fornecimento de água aos moradores, a empresa iniciou no final de agosto o rodízio como medida emergencial. Paralelamente a essa medida, a companhia está perfurando novos poços profundos e utilizando caminhões-pipa, quando necessário, para reforço do abastecimento”, destacou.

E completou: “O rodízio comunicado à população está sendo cumprido, porém caso as condições de captação do manancial fiquem ainda mais comprometidas, ele poderá ser revisto conforme determinações da Arsae. ”A Copasa esclareceu ainda, que em condições normais do clima, a capacidade de captação e produção de água nas unidades implantadas em Bom Despacho estão dimensionadas para atender de forma satisfatória a cidade.


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade