Publicidade

Estado de Minas

Festival de cinema seleciona curtas documentais do Estado de Minas sobre o sertão

'Travessia' e 'Marina' derivam de duas grandes reportagens publicadas no jornal


postado em 11/09/2017 18:36 / atualizado em 11/09/2017 21:15

(foto: Cartazes dos filmes)
(foto: Cartazes dos filmes)

Dois curtas-metragem produzidos a partir de grandes reportagens do jornal Estado de Minas foram selecionados para a mostra competitiva do Cinebaru – Mostra Sagarana de Cinema. A primeira edição do evento vai ocorrer entre 26 e 29 de outubro, em Arinos, no Noroeste de Minas. Foram selecionados 22 filmes, dentre mais de 100 títulos inscritos, de realizadores de Minas Gerais, Bahia, Goiás e Distrito Federal.

O trabalho Travessia (dirigido pelo jornalista Fred Bottrel) deriva de uma reportagem publicada em março de 2016 sobre os 60 anos da obra Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. O filme de 15 minutos mostra personagens que, a exemplo de Riobaldo e Diadorim, lidam com a questão da diversidade. São relatos das jornadas de vidas e mortes de anônimos Diadorins do sertão mineiro em busca da própria identidade. Pessoas que, como a misteriosa criação do escritor, tiveram coragem para enfrentar os perigos e, tão certas de si, vivem "o calor de tudo". O trabalho teve reportagem de Gustavo Werneck e imagens de Alexandre Guzanshe. Veja aqui a reportagem Travessia.

Marina - O sonho de Niemeyer no sertão mineiro que a ditadura abafou (dirigido pelos jornalistas Alexandre Guzanshe e Renan Damasceno) conta em 9 minutos a história inédita da cidade projetada pelo mais famoso arquiteto brasileiro. Desenhada sob o conceito de habitação coletiva integrada à natureza, a Cidade Marina foi anunciada em jornais e revistas como 'um sistema de vida humano e feliz' para abrigar 200 mil pessoas. O filme revela o que esteve por trás deste sonho abafado. O trabalho, publicado em setembro de 2017, teve também a reportagem de Luiz Ribeiro. Veja aqui a reportagem Marina.

A mostra
O CineBaru é organizado por um coletivo de caminhantes do projeto O Caminho do Sertão, evento anual que propõe uma caminhada sócio-eco-literária baseada na obra de João Guimarães Rosa e nas pautas locais do sertão mineiro. Esses ex-caminhantes, intitulados Ecos do Caminho, seguem com uma sede em Sagarana, onde realizam há dois anos atividades culturais, sociais e ambientais como o próprio Festival Sagarana de 2015. A programação completa está no site do Cine Baru.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade