Publicidade

Estado de Minas

Polícia aponta prefeita de Santa Luzia como mandante de assassinato de jornalista

As investigações apontaram que o crime foi motivado por disputa eleitoral. Roseli Ferreira Pimentel foi presa na última quinta-feira na cidade


postado em 11/09/2017 15:35 / atualizado em 12/09/2017 07:47

Prefeita de Santa Luzia foi presa na última quinta-feira na cidade(foto: Reprodução da Internet)
Prefeita de Santa Luzia foi presa na última quinta-feira na cidade (foto: Reprodução da Internet)

A prefeita de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Roseli Ferreira Pimentel, foi indiciada por homicídio duplamente qualificado pela morte do jornalista Maurício Campos Rosa, de 64 anos, pelo uso de verbas públicas para pagar os assassinos e por ocultar provas do crime. As investigações apontam que o assassinato foi motivado pela disputa eleitoral do ano passado. De acordo com o delegado César Matoso, responsável pelas investigações, a administradora municipal, presa na quinta-feira, pagou R$ 20 mil pelo crime. O recurso teria sido retirado da Secretaria Municipal de Saúde, mas com nota emitida pela Secretaria Municipal de Educação com a justificativa de que a verba seria utilizada para a compra de mamão destinado à merenda escolar.

O assassinato do jornalista, que era dono do jornal O Grito, ocorreu em 17 de agosto de 2016. Maurício foi atingido por cinco tiros quando deixava a casa de Alessandro de Oliveira Souza no Bairro Frimisa, que presenciou o crime. De acordo com a PM, uma testemunha disse que Rosa havia acabado de sair do imóvel quando foi baleado. Ele foi atingido por um disparo no pescoço e quatro nas costas, levado pelos policiais até o Pronto-Atendimento do Bairro São Benedito, mas precisou ser transferido para o Hospital Risoleta Neves, em Venda Nova, onde morreu. O jornal O Grito é distribuído gratuitamente em Santa Luzia há mais de 20 anos com notícias da região.

De acordo com o delegado, as investigações apontam que o dinheiro utilizado para pagar os criminosos saiu da administração municipal. “Esse dinheiro foi calçado por uma nota da Educação, mas compensado por recursos da saúde. A nota utilizada para tentar calçar esse valor é de mamão da merenda escolar. Mas o recurso público está sendo compensado pela Secretaria da Saúde, pelo aluguel de um posto de saúde”, explicou o delegado. Os levantamentos contra Roseli começaram depois do relato de uma testemunha. “A investigação demandou um ano de muito trabalho. A suspeição contra a indiciada Roseli começou depois de um relato de uma testemunha, integrante do grupo político da indiciada, que revelou a motivação do assassinato”, informou o delegado.

A polícia acredita que Roseli vinha sendo chantageada pelo jornalista: “A prova indiciária é muito forte no sentido de que a motivação se deu por chantagens da vítima, que cobrava valores em dinheiro da então candidata a prefeita do município de Santa Luzia. Essa ordem (assassinato) partiu dela a um auxiliar, que contratou o executor”, completou. O delegado explicou que o jornal publicava matérias favoráveis ao município mas, de acordo com testemunhas, ameaçava mudar a linha editorial se não recebesse propina. Com medo, Roseli teria decidido encomendar a morte do jornalista. A execução teria sido planejada três dias antes do crime, durante uma festa junina na Vila Ferraz, em Santa Luzia.
Veja como foi a emboscada que resultou na morte do jornalista (clique para ampliar a imagem)(foto: Lelis)
Veja como foi a emboscada que resultou na morte do jornalista (clique para ampliar a imagem) (foto: Lelis)

ENCOMENDA Foi então que Alessandro de Oliveira Souza, que a vítima acabara de visitar quando foi alvejada, passou de testemunha a suspeito. Alessandro seria, segundo as investigações, o responsável por intermediar o contato do jornalista com a prefeita, mas também a pessoa incumbida por Roseli de contratar o executor do assassinato. “Por meio das câmeras de diversos bairros da cidade, conseguimos refazer o trajeto desde o encontro com Alessandro até o momento do assassinato”, informa o delegado. Na saída do jornalista da casa, três homens, identificados pela polícia como Paulo César de Almeida (executor), David Santos Lima (auxiliar), Gustavo Sérgio Soares Silva (motorista) – aguardavam a vítima em um veículo Parati 1993, de cor escura metálica. Os assassinos sabiam exatamente o horário em que o jornalista estaria no imóvel, o que passou a ser um ponto de desconfiança para polícia: “Em geral, a vítima não tinha roteiro determinado”, diz o delegado.

No decorrer das investigações, outras pessoas foram apontadas por pactuarem com o crime. “No dia do crime, a vítima foi socorrida e levada até um posto, onde uma servidora pública retirou pertences da vítima, como dinheiro, carteira, sapato, roupa, bens. Os objetos deviam estar no poder da administração, mas foram levados até o gabinete da prefeita, por ordem de Roseli”, disse o delegado. Até o momento, não foram encontrados. Portanto, além do homicídio duplamente qualificado, a prefeita vai responder também por peculato – por ocultar as provas do crime e pelo desvio de verba pública para financiá-lo. Ela foi presa na quinta-feira em uma operação montada pela Polícia Civil e encaminhada para o Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto.

No total, foram nove indiciados – sendo David Santos Lima, Alessandro de Oliveira Souza, e Gustavo Sérgio Soares Silva, Paulo César Florindo de Almeida e Roseli Ferreira Pimentel por homicídio. Porém, o executor dos disparos, Paulo César Florindo de Almeida, ainda não foi localizado pela polícia. Outras quatro pessoas foram indiciadas pelo crime de peculato, são elas: a tesoureira da Prefeitura Municipal de Santa Luzia Mônica Maria, Lara Augusto Rocha, Tarick Elias Bruck Campos e o policial militar Leonardo Lúcio Morais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade