Publicidade

Estado de Minas

Umidade relativa do ar melhora, mas Belo Horizonte segue em estado de atenção

Nesta sexta-feira, o índice ficou em 28%, o que pode provocar danos a saúde. Em Campina Verde, na Região do Triângulo, registrou clima de desertos


postado em 08/09/2017 18:33

O tempo seco não dá trégua para os moradores de Belo Horizonte. A umidade relativa do ar continua baixa e deixa a capital mineira em estado de atenção. Nesta sexta-feira, o índice ficou em 28%, o que pode provocar danos a saúde. A situação neste sábado deve continuar da mesma forma, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Há previsão que uma névoa seca fique sobre o município. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) emitiu um alerta.

A estiagem na capital vai completar três meses. A cidade está há 87 dias sem chuva. A baixa umidade já está sendo sentida pelos moradores há dias. Na quinta-feira, ela ficou em 17% na Região da Pampulha. Nesta sexta-feira, apresentou uma melhora e subiu para 28%. No fim de semana, deve continuar no patamar abaixo de 30%.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera o índice entre 21% e 30% como estado de atenção; entre 12% e 20%, de alerta, e abaixo de 12%, estado de emergência. O índice considerado ideal é 60%. A situação foi ainda pior no interior de Minas Gerais.

Em Campina Verde, na Região do Triângulo Mineiro, os índices ficaram, pelo segundo dia consecutivo, em 12%. Esse valor é o mesmo registrado em desertos. De acordo com o Inmet, neste sábado a forte massa de ar continental seca e quente que está sobre o Centro do Brasil vai manter o tempo estável e inibir a formação de nuvens. Durante o dia, as temperaturas devem ficar elevadas em todo o estado. Na faixa leste de Minas, poderá ter a formação de nevoeiro no amanhecer. A umidade relativa do ar vai ficar entre 15% e 30% em áreas das regiões Norte, Centro, Sul e Oeste.

Cuidados

Com o tempo seco, o período recomendado para a prática de atividades físicas é antes das 10h e após as 17h. Outras orientações são usar roupas leves, fazer refeições leves, incluindo frutas e verduras, além de usar sombrinha ou guarda-chuva para andar nas ruas no período mais quente. A hidratação deve ser reforçada para as crianças, com a ingestão de bastante líquido. Os idosos também exigem atenção, pois são suscetíveis a problemas respiratórios. Para reduzir as consequências do clima seco, a receita é investir na hidratação, consumindo muitos líquidos e lavando o nariz com soro fisiológico, além de hidratar a pele.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade