Publicidade

Estado de Minas

Incêndio no Pico do Itacolomi segue descontrolado

Bombeiros e brigadistas encerraram o combate nesta quarta-feira. As ações vão voltar na madrugada desta quinta-feira. Ao menos 10 hectares do parque já foram queimados


postado em 30/08/2017 18:39 / atualizado em 30/08/2017 18:46

O combate está sendo realizado por 60 homens entre brigadistas e bombeiros(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
O combate está sendo realizado por 60 homens entre brigadistas e bombeiros (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Os trabalhos para combater o incêndio que destrói o Pico do Itacolomi, entre Ouro Preto e Mariana, na Região Central de Minas Gerais, foram suspensos no fim da tarde desta quarta-feira. Os bombeiros e brigadistas chegaram a controlar o fogo, que queima a vegetação desde segunda-feira. Porém, uma nova linha de fogo surgiu em outro ponto, de maneira criminosa, e segue descontrolada. A estimativa é que mais de 10 hectares de vegetação tenha sido consumida pelo fogo.

O combate ao incêndio já dura três dias. As chamas foram detectadas no parque por volta das 7h de segunda-feira. O incêndio se espalhou por uma área de acesso difícil, o que complicou a ação dos brigadistas. O fogo se concentrou em uma área chamada de Serrinha, que fica próximo ao distrito de Passagem, pertencente a Mariana. Nesta quarta-feira, um grupo de militares de Belo Horizonte reforçou o combate.

Por volta das 9h, as ações dos 40 militares e 20 brigadistas, que lutaram na contenção do fogo, com ajuda de dois helicópteros e duas aeronaves, surtiram efeito. As chamas foram controladas. Porém, horas mais tarde houve a reignição. Segundo o Corpo de Bombeiros, é que as pessoas que atearam fogo, tinham realizado um roubo a um caminhão nas imediações do parque podem ter provocado as chamas para despistar as ações da polícia. O aparato que estava sendo desmobilizado foi direcionado para os trabalhos.

O combate seguiu até o fim da tarde. A dificuldade encontrada pelos bombeiros foi a alta temperatura. “Só conseguimos controlar na parte da manhã o incêndio, quando está mais frio, e úmido, com isso o volume de fogo diminui. A medida que o tempo vai passando, com o sol vai ficando seco de novo e, aliado a muitos ventos, se espalha rapidamente”, explicou o capitão Guilherme Alcântara, comandante da Companhia do Corpo de Bombeiros de Ouro Preto.

As chamas já atingiram a vegetação em uma área conhecida como Serrinha. Elas seguem para um local chamado de Pocinho. “Está subindo e caminhando para atingir o pico novamente. Provavelmente já passou de 10 hectares queimado”, conta o capitão. Nesta quinta-feira, o combate será retomado por 60 homens, entre bombeiros e brigadistas, ainda de madrugada. Eles vão contar com a ajuda de dois aviões e um helicóptero.

Outros incêndios

Além do Parque Estadual do Itacolomi, outros três queimadas atingem áreas de conservação, segundo o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, as chamas consomem a Reserva de Vida Silvestre Serra das Aroeiras desde a manhã de segunda-feira. Ao todo, 13 pessoas trabalham na área verde e contam com a ajuda de um helicóptero.

Na Região Central de Minas Gerais, o Parque Estadual do Rio Doce, é quem sofre com os incêndios. Nessa terça-feira, duas linhas de fogo foram detectadas no local. Na porção do parque próximo a cidade de Dionísio, 40 brigadistas atual no combate. O outro foco está em Bom Jesus do Galho e é combatido por 20 homens.

Também há o combate em andamento a um incêndio que iniciou nessa terça-feira no Parque Estadual Serra do Cabral, em Joaquim Felício, também na Região Central. As chamas estão sendo extintas por cinco brigadistas. Em ambas ocorrências, as causas estão sendo investigadas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade