Publicidade

Estado de Minas

Kalil questiona valor repassado a consórcio que administra Hospital do Barreiro e quer ajustes

Presidente da Novo Metropolitano, empresa responsável pela gestão de parte administrativa do hospital, rebate prefeito e diz que valor leva em conta duas variáveis: custos atuais e investimento para construção e aquisição de equipamentos da unidade


postado em 30/08/2017 17:32 / atualizado em 30/08/2017 22:03

Declaração foi dada pelo prefeito na manhã desta quarta-feira(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Declaração foi dada pelo prefeito na manhã desta quarta-feira (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

O prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PHS) disse na manhã desta quarta-feira que a prefeitura precisa conversar com o consórcio Novo Metropolitano, parceiro privado que opera a parte administrativa do Hospital Metropolitano Hospital Doutor Célio de Castro, na Região do Barreiro, para fazer alguns ajustes nos repasses relacionados ao funcionamento do hospital.

O prefeito conversou com a imprensa após a inauguração de 99 leitos, dobrando a capacidade da unidade de saúde que agora tem 189 leitos abertos dos 451 de sua capacidade total. Outras duas etapas de ampliação acontecem em novembro deste ano e março do ano que vem até que a instituição alcance o funcionamento pleno.

Kalil destacou que atualmente o hospital recebe recursos como se estivesse funcionando 100%, o que foi rebatido pelo consórcio cuja empresa majoritária é a construtora Andrade Gutierrez. "Aqui nós temos problemas e vamos ter que resolver, com a Andrade Gutierrez. Nós vamos sentar e colocar na mesa. Hoje cobram como se o hospital estivesse em pleno funcionamento", disse o prefeito.

O presidente do consórcio Novo Metropolitano, Roberto Ribeiro, disse que pode ter havido um mal-entendido, uma vez que a empresa recebe cerca de R$ 6 milhões mensalmente, o que equivale a 80% do que precisa para operar a unidade de saúde de forma plena, e metade desse valor é usado para pagar a construção e a aquisição dos equipamentos, sendo apenas a outra metade referente aos custos mensais.

“Não estamos recebendo 100% do que precisamos para operar, estamos recebendo 80%. Metade desses 80% é para pagar o investimento que foi feito, entre a construção e a aquisição de equipamentos. Sobram os outros 40% para pagar o custo. É importante lembrar que nós já temos 500 funcionários trabalhando e só vamos precisar de mais 100 quando a capacidade chegar a 100%”, diz o presidente do consórcio, que é responsável pela administração do hospital, fornecendo serviços como segurança, portaria, roupas, equipamentos, entre outros.

Ribeiro disse reconhecer que o prefeito está se esforçando para racionalizar os custos e abrir o maior número de leitos no menor tempo possível, mas garante que a empresa está aberta ao diálogo com a prefeitura dentro do que for possível, destacando que os valores estão previstos no contrato e, no que se refere ao investimento, é uma quantia média, que será quitada em 20 anos.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) informou que "a PBH repassa ao parceiro privado o valor previsto no contrato e  mantém negociação com o objetivo de reduzi-lo, visto que montante que é pago onera muito o município".
 RB

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade