Publicidade

Estado de Minas

Jovem é morto no Aglomerado da Serra na guerra do tráfico de drogas

Adolescente de 16 anos levou sete tiros. Gangues "Del Rey" e "Pau Comeu" seguem aterrorizando os moradores da região


postado em 28/08/2017 09:30 / atualizado em 28/08/2017 18:39

Ver galeria . 5 Fotos Em 25 de julho, policiais iniciaram uma operação no aglomerado com apoio de viaturas da Rotam e do Tático Móvel para coibir a ação de traficantes Paulo Filgueiras: EM/DA Press
Em 25 de julho, policiais iniciaram uma operação no aglomerado com apoio de viaturas da Rotam e do Tático Móvel para coibir a ação de traficantes (foto: Paulo Filgueiras: EM/DA Press )
A morte de um jovem de 16 anos e um intenso tiroteio entre gangues rivais na noite desse domingo voltaram a assustar moradores das imediações do Aglomerado da Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Em julho, a disputa pelo tráfico de drogas no local chegou a motivar uma operação da Polícia Militar que prendeu quatro suspeitos, além de apreender armas.
 
Nesse domingo, de acordo com o Boletim de Ocorrência da corporação, militares foram acionados por moradores que relataram uma intensa troca de tiros em becos do aglomerado. No local, os policiais encontram o corpo de Bruno Henrique Valeriano da Silva, de 16 anos, caído em uma via e já sem vida, com o rosto desfigurado e perda de massa encefálica. 

Foi preciso que familiares ajudassem a PM a identificar o jovem, atingido com três disparos na cabeça, sendo um com munição de grosso calibre, além de três tiros na perna direita e um na perna esquerda.

Segundo a PM, populares que estavam próximos ao beco onde Bruno Henrique foi encontrado chegaram a apontar o nome de um homem suspeito de ter matado o jovem, e ainda informaram que o homem estava com uma arma longa de grosso calibre. 

Ainda conforme a Polícia Militar, populares também disseram que cerca de 15 integrantes da gangue “Del Rey” cercaram todos os becos de acesso à região onde ficam concentrados os integrantes da facção “Pau Comeu”, o que teria originado o tiroteio. A disputa pelo tráfico de drogas no aglomerado entre as duas gangues assusta os moradores desde o mês de julho

Enquanto os policiais faziam o registro da ocorrência e buscas no aglomerado, foram ouvidos mais tiros em outros becos. A casa de um jovem da gangue “Pau Comeu” recebeu buscas da Polícia Militar e foi constatado que o imóvel estava completamente revirado e com janelas, portas e objetos quebrados. 

A corporação também informou que alguns populares estavam nervosos com a presença de policiais no aglomerado e chegaram a insultar os militares, mas não houve registro de ocorrência. Ninguém foi preso e nenhuma arma foi apreendida. 

O sargento Marcio Clayton Alves, do Grupo Especializado de Patrulhamento em Áreas de Risco (Gepar), do 22º Batalhão da Polícia Militar, acompanha a situação no aglomerado da Serra e informou que a operação desencadeada no final do mês de julho não está mais em andamento. 

Segundo o major Flávio Santiago, chefe da Sala de Imprensa da Polícia Militar, sempre que necessário as operações com diferentes unidades da corporação são lançadas no aglomerado. "Mesmo com a situação normalizada, as operações continuam. A PM trabalha com uma estratégia e eu não vou manter uma estrutura em um ambiente onde já tem pacificidade, mas nós mantemos as operações no local."

*Sob supervisão do editor Benny Cohen

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade