Publicidade

Estado de Minas

PMs fecham cerco e prendem 16 flanelinhas nos bairros Santa Efigênia e Funcionários, em BH

Ação policial, com apoio de fiscais da prefeitura, foi motivada pelas queixas de donos de veículos que, principalmente na área hospitalar, sofrem extorsão de guardadores de carros ilegais


postado em 23/08/2017 19:11 / atualizado em 23/08/2017 21:23

Um morador de rua, que fica na Avenida Francisco Sales, e ameaça motorista foi detido(foto: PMMG/Divulgação)
Um morador de rua, que fica na Avenida Francisco Sales, e ameaça motorista foi detido (foto: PMMG/Divulgação)
Dezesseis flanelinhas foram presos nesta terça-feira em operação de militares da 3ª Companhia do 1º Batalhão da PM. A ação ocorreu entre a tarde e começo da noite e foi motivada pelas queixas de donos de carros, que têm sofrido extorsão ao estacionarem em vagas do Rotativo na área hospitalar, nos bairros Santa Efigênia e Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte.

De acordo com o tenente André Braga, com alguns guardadores ilegais foram apreendidos cones usados para demarcar vagas, liberadas somente com o pagamento de valores a partir de R$ 5.

O principal alvo são motoristas que param na área hospitalar. No local, além das unidades de saúde de grande porte, há uma concentração de consultórios médicos.

Os flanelinhas, aproveitando-se da grande movimentação na área, usam de vários artifícios para ocupar os espaços do estacionamento público regulamentado pela BHTrans.

Na maioria das vezes, de posse das chaves dos carros, ocupam duas vagas com um só veículo e cobram para liberar uma delas. Os mais ousados demarcam com cones seus territórios. Para evitar danos em seus automóveis, os donos pagam o valor estipulado.

A Polícia Militar orienta que motoristas que forem alvo de extorsões liguem para o 190. E, em caso de veículos danificados ou arrombados, registrem boletim de ocorrência. Por meio de mapeamento dos BOs, é possível identificar pontos críticos e realizar operações como a desta quarta-feira.

Entre os presos, detidos por exercício ilegal da profissão, um foi também acusado de desacato à autoridade. O grupo preso foi levado para Central de Flagrantes II da Polícia Civil, no Bairro Floresta, leste de BH. Por ser crime de menor potencial ofensivo, todos são ouvidos e liberados.

Segundo o tenente Braga, entre eles alguns têm passagens policiais, a maioria por furto, mas nenhum com mandado de prisão em aberto. Nenhum foi preso em flagrante arrombando, danificando veículos ou extorquindo motoristas. A operação contou com 15 PMs, em seis viaturas, além de 10 fiscais da PBH.

 

(RG) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade