Publicidade

Estado de Minas

Praça da Estação vira cinema gigante ao ar livre

Exibição do filme ''O Garoto'', de Charles Chaplin, levou centenas de pessoas para o local na noite desta terça-feira


postado em 22/08/2017 19:22 / atualizado em 22/08/2017 23:08

Estreia de mostras audiovisual e de cinema exibe no Centro de BH o filme O garoto, com Charles Chaplin, com trilha da Orquestra de Câmara Sesiminas (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
Estreia de mostras audiovisual e de cinema exibe no Centro de BH o filme O garoto, com Charles Chaplin, com trilha da Orquestra de Câmara Sesiminas (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
A música clássica, normalmente ouvida em ambientes fechados, desta vez pode ser curtida ao ar livre por centenas de pessoas na noite desta terça-feira, na Praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte. Muita gente compareceu ao local para apreciar um cinema gigante, acompanhado do som de uma orquestra ao vivo.

Para a estreia, nada menos que clássico O garoto (1921), estrelado pelo mestre Charles Chaplin. Quando as luzes se apagaram e Chaplin surgiu na telona, nem as sirenes de ambulâncias e as buzinas dos carros – sons típicos do Hipercentro – dispersaram a atenção dos espectadores. Para acompanhar, a Orquestra de Câmara Sesiminas executou clássicos de Puccini, Dvorák, Strauss e Carlos Gomes.

A exibição do longa abre a Mostra Clássicos na Praça, parte da programação da Max – Minas Gerais Audiovisual Expo, com curadoria de Mostra Cine BH, evento simultâneo na capital. Com uma grande tela, cerca de 900 lugares e puffs à frente da telona, o público riu e se emocionou com as trapalhadas e os dramas da criança e do “vagabundo”.

A editora de vídeos Naice Dias de Souza, de 27 anos, saiu do trabalho e chegou cedo para pegar um bom lugar na sessão para rever o filme. “Já assisti ao filme várias vezes. Mas, a música clássica tocada ao vivo tornou a experiência muito mais sensitiva. Uma iniciativa incrível”, afirmou a jovem. “É um evento muito legal e acessível. Precisamos de ter mais encontros como este em BH”, completou.

DESAFIO O maestro Felipe Magalhães, que orquestrou mais de 20 músicos, conta que precisou assistir ao filme, no mínimo, 10 vezes. “É a primeira vez que fazemos esse tipo de trabalho de acompanhar um longa. O filme tem uma trilha original, composta pelo Charles Chaplin, e a nossa ideia foi recriá-la. O desafio foi fazer com que o público tivesse a ilusão de que está assistindo ao filme com a trilha”, pontuou. Desafio, com certeza, cumprido: ao fim da sessão, muitos aplausos.

Programação da mostra de clássicos inclui os filmes Janela indiscreta (Alfred Hitchcock, 1954), Blade runner - O caçador de androides (Ridley Scott, 1982) e O menino maluquinho - O filme (Helvécio Ratton, 1995)(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
Programação da mostra de clássicos inclui os filmes Janela indiscreta (Alfred Hitchcock, 1954), Blade runner - O caçador de androides (Ridley Scott, 1982) e O menino maluquinho - O filme (Helvécio Ratton, 1995) (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
O economista Arthur Correia de Almeida, de 50, foi com a esposa e os filhos gêmeos, de 7 anos, e classificou o evento como um encontro de gerações. “Sensacional! Foi a primeira vez que os meninos viram um filme ao ar livre, e também foi a minha”, disse Arthur. “As pessoas precisam vir. Nós voltaremos para os próximos filmes”, recomendou o economista.

Uma das organizadoras do evento Fernanda Machado, Diretora de Fomento à Industria Criativa da Codemig, conta que o primeiro dia superou as expectativas: “Não esperávamos fila de espera. É muito legal quando a população participa e toma o espaço público para chamar de seu.” Quem perdeu o evento de estreia ainda pode se planejar para várias exibições. A programação da mostra de clássicos inclui os filmes Janela indiscreta (Alfred Hitchcock, 1954), Blade runner – O caçador de androides (Ridley Scott, 1982) e O menino maluquinho – O filme (Helvécio Ratton, 1995). 

CIDADE DO CINEMA

Toda a cadeia do audiovisual estará presente em três eventos que tomarão conta da Região Central de Belo Horizonte até domingo. Serão realizados na cidade a 11ª Mostra Cine BH e o 8º Brasil CineMundi. De amanhã a sábado, a capital também recebe a 2ª MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo.

Pela primeira vez os eventos são realizados simultaneamente. Iniciativa da Universo Produção, a Mostra CineBH chega à maior edição, exibindo 101 filmes em oito espaços. Da mesma produtora, o Brasil CineMundi, encontro de coprodução internacional, reúne 25 convidados de 13 países. Já a MAX, realização do governo do estado, é uma grande rodada de negócios, com direito a palestras, oficinas e encontros.


CINEBH E BRASIL CINE MUNDI

De terça-feira a domingo (22 a 27/8). No Palácio das Artes, Cine-Theatro Brasil Vallourec, Cento e Quatro, Teatro Sesiminas, MIS Cine Santa Tereza, Museu de Artes e Ofícios, Sesc Palladium e Praça da Estação. Ingressos devem ser retirados na bilheteria 30 minutos antes da sessão. Programação completa:www.cinebh.com.br


MAX

De terça-feira a sábado (22 a 26/8). Na Serraria Souza Pinto, Praça da Estação e Museu de Artes e Ofícios. Programação completa: www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade