Publicidade

Estado de Minas

Painel de galo e raposa foi inspirado em fábula entre rivais

O autor de um dos mais comentados painéis que ganham forma em edifícios no Centro de BH nega que preferência clubística tenha influenciado na obra


postado em 05/08/2017 06:00 / atualizado em 05/08/2017 09:53

O painel com 40 metros fica no Edifício Satélite, na rua da Bahia(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O painel com 40 metros fica no Edifício Satélite, na rua da Bahia (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Dos gramados para o arranha-céu e dele, para a boca do povo: um galo-carijó incansável contra a astúcia de uma raposa. A eterna rivalidade que agora toma forma na lateral do Edifício Satélite, na Rua da Bahia, 478, Centro de Belo Horizonte, grafitada para o Circuito Urbano de Arte (Cura), ganhou vida pela primeira vez na história pelas mãos do professor, jornalista, desenhista e pintor Fernando Pierucetti, o Mangabeira, responsável por criar as mascotes dos principais clubes mineiros em 1945.

Enquanto o representante do Atlético nasceu inspirado nas cores preta e branca em comum e das então famosas rinhas de galo na capital, o Cruzeiro teve como ícone a raposa, em homenagem a um ex-presidente do clube, conhecido pela agilidade na hora de fechar negociações. Completando 72 anos, os bichos agora foram soltos em tamanho gigante pelas mãos de outro artista, para estampar um dos prédios escolhidos para ganhar colorido em suas paredes antes sem brilho.

Mal começaram a ganhar forma em sua eterna batalha, galo e raposa atraíram olhares admirados, curiosos e também controversos. O artista Thiago Mazza, responsável pela obra, se adianta e nega que a preferência clubística tenha interferido na concepção estampada na tela gigante de mais de 400 metros quadrados.

Segundo ele, a disposição do painel reflete antes de tudo equilíbrio. Em posição de ying e yang, positivo e negativo, galo e raposa representam, segundo o muralista, estabilidade. “Por causa da rivalidade natural dos dois, um não vive sem o outro”, afirma o grafiteiro.

Mas o público traça suas próprias interpretações sobre a imensa obra de arte ao ar livre. “Não gostei disso aí não. O galo está por cima, bicando a raposa”, brincou a diarista cruzeirense Rosana Gomes, de 50 anos, que passava pela Rua da Bahia após sair do trabalho. Ela aproveitou a oportunidade para se declarar ao time do coração.

“Aposto que esse artista é atleticano”, riu. Mas, contra as interpretações de torcedores apaixonados, Thiago explica que a posição do galo e da raposa é uma questão de concepção natural e da lógica das espécies. “O galo não poderia estar por baixo, porque ele é uma ave. A raposa é muito ágil na terra. Isso gera o equilíbrio”, disse

A inspiração para o trabalho surgiu quando Thiago voltou de um festival na Rússia, cujo tema eram lendas e mitos. Lá, conheceu contos e fábulas e, entre eles, um que envolvia a raposa e o galo e a eterna rivalidade entre os animais. O muralista conta que na narrativa, o galo cacarejava em cima de uma árvore e a raposa cuidava de bolar uma trama para que ele descesse e fosse o prato principal de seu jantar.

Segundo o conto, a raposa diz ao galo que havia sido assinada uma proclamação de paz entre todos os bichos. Portanto, a ave poderia descer da árvore. Mas o galo, desconfiado, fingiu ver alguém se aproximando. “Quem vem lá? Quem vem lá?”, perguntou a raposa. O galo responde: “Uma matilha de cães de caça”. A raposa responde então que precisava se apressar. “O que é isso, raposa? Você está com medo? Se tal proclamação está mesmo em vigor, os cães não vão atacá-la”, disse o galo. Esperta, a raposa respondeu: “Talvez eles ainda não saibam”.

MORAL DA
HISTÓRIA

Para Thiago, a lição da fábula gira em torno da eterna rivalidade entre os animais: a raposa sempre tentando levar a melhor sobre o galo, que tem suas próprias armas para se defender. “Eu comecei a desenhar os bichos, e só depois de um tempo caiu a ficha e me lembrei de Atlético e Cruzeiro. Guardei o desenho e decidi que o faria como homenagem à minha cidade natal, Belo Horizonte”, contou. Agora, o muralista realiza o sonho de pintar em sua terra a maior tela de sua carreira.

“A maior tela que eu pintei tinha 17 metros, aqui tenho 40 de altura. Fazer esse trabalho na minha cidade é uma grande realização”, afirmou Thiago. O festival termina amanhã e a pintura do artista está quase pronta: só falta finalizar o fundo e acrescentar algumas sombras.

Sobre a repercussão, Thiago diz se divertir ao ouvir os comentários da rua. Mas, há quem o critique e diga que o desenho incentiva a violência. Para esses, o artista tem seu recado: “Ao terminar, quero que a qualidade supere a polêmica. Que seja mais bonito do que a disputa entre os dois clubes”, afirma.

O desejo do muralista se traduz em olhos como os do aposentando Ildeu Mansur, de 80, que passeava pela Rua da Bahia rumo a uma consulta médica. Com bengala e passos curtos, o senhor apreciava as cores da obra. “Essa pintura me lembrou um desenho que tenho na minha chácara, lá no interior. Achei muito bonito.

Um desenho importante para a cidade”, afirmou o aposentado. Indagado sobre a rivalidade entre as macotes dos times de futebol da capital, ele se surpreende: “Olha só, eu nem tinha percebido. Só relacionei porque você me falou”.

O artista

Nascido em Belo Horizonte em setembro de 1984, Thiago Mazza foi criado entre Ouro Branco e o distrito de Santa Rita de Ouro Preto, na Região Central de Minas Gerais. O jovem partiu para a capital mineira para estudar, formou-se em design gráfico na Universidade Estadual de Minas Gerais e trabalhou como ilustrador em agências de publicidade, mas não seguiu carreira na área. Começou a pintar sob a influência de amigos grafiteiros.

Desde que fez o primeiro mural no quarto de casa, em novembro de 2011,  começou a desenvolver estilo próprio, mas nem imaginava pintar um grande prédio no Centro da capital. O trabalho do muralista reflete sua paixão pela natureza e é marcado pelos detalhes. “Isso por causa da minha infância. A gente vivia muito na terra. Eu seguia passarinho de árvore em árvore. Acho legal levar a natureza para o contexto urbano”, afirma.

Da concepção à visita guiada

O mural que reflete o equilíbrio e a eterna rivalidade entre galo e raposa faz parte do Circuito Urbano de Arte (Cura), que consiste em quatro painéis pintados nas empenas, como são conhecidas as faces laterais, de grande prédios no Centro de BH. Os trabalhos começaram no fim do mês passado, com a meta de resgatar a trajetória da arte urbana na cidade, e devem ser concluídos no domingo. A ideia de fazer as pinturas simultâneas surgiu pelo olhar da artista visual Priscila Amoni e das produtoras Juliana Flores e Janaína Macruz.

Ao sonhar que a capital se torne referência internacional no conceito de artes urbanas, o trio concebeu o Cura, que conta ainda com a artista Priscila Amoni; a equipe do Acidum Project, de Fortaleza, formada por Tereza Dequinta e Robézio Marqs; e a artista espanhola Marina Capdevilla. Hoje, o circuito recebe um passeio guiado pela Rua Sapucaí. A experiência propõe uma contemplação do Centro da cidade com outro olhar.

Na ocasião, especialistas convidam os belo-horizontinos a compartilhar histórias sobre o processo de edificação da região central e da arte urbana em BH. Os prédios que receberam cara nova foram mapeados a partir da vista da Rua Sapucaí,  transformando a vista em um mirante de arte.


Serviço
A visita guiada ao painéis começa hoje às 14h e percorrerá a Rua Sapucaí, entre o Viaduto Santa Tereza e o espaço “Mirante Cura”, com uma aula cultural a céu aberto. A programação completa pode ser conferida no Facebook: www.facebook.com/events/488763721470298.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade