Publicidade

Estado de Minas

Juiz muda local de audiência e coloca fim ao entrave de acessibilidade no Fórum Diamantina

Reunião que seria realizada no segundo pavimento foi transferida para andar inferior e advogada de réu, que está em cadeira de rodas, teve como participar da instrução processual


postado em 03/08/2017 19:11 / atualizado em 03/08/2017 22:55

Prédio histórico que abriga fórum não oferece condições de acessibilidade (foto: Divulgação)
Prédio histórico que abriga fórum não oferece condições de acessibilidade (foto: Divulgação)

Uma decisão simples, de transferir uma audiência nesta quinta-feira para o andar térreo do prédio do Fórum de Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, colocou fim a um impasse que ameaçava prejudicar a defesa de um réu, já que sua advogada, que está em uma cadeira de rodas, não tinha como chegar à sala de audiência no segundo andar. Como se trata de um imóvel antigo e tombado pelo patrimônio histórico, não há rampas ou elevadores de acesso ao andar superior.

A defensora, que pediu para não ser identificada, mora em Belo Horizonte. Em 1º de julho, ela sofreu uma queda e fraturou um dos pés em três lugares. Depois de passar por uma cirurgia, teve sua mobilidade reduzida, o que exigiu o uso de uma cadeira de rodas.

No período pós-operatório, ela teve que adotar série de cuidados, como não colocar o pé no chão e mantê-lo mais alto para evitar inchaços. Por isso, a advogada procurou marcar novas datas para audiências de processos de clientes que estão soltos. Mas, segundo ela, no caso de Diamantina o réu está preso desde abril e houve maior preocupação, já que qualquer alteração na data poderia representar prejuízo para ele.

Ainda, de acordo com a defensora, a Justiça da cidade negou dois pedidos para que a reunião ocorresse de forma que lhe permitisse participar. Ela explica que as audiências no Casarão do Fórum, como o imóvel histórico é conhecido, são realizadas no segundo andar, onde também fica a secretaria.

“É um prédio público. Existe a obrigatoriedade há muitos anos da questão de acessibilidade para cadeirantes, pessoas com dificuldade de locomoção”, comentou. “Não posso prejudicar meu cliente. Não posso colocar o pé no chão, mas preciso ter acesso à audiência." Porém, o juiz do caso optou por realizar a audiência de instrução do processo no primeiro pavimento, apesar de não oferecer a estrutura para gravação audiovisual da reunião, como ocorre nas salas próprias no segundo pavimento.

Acesso ao segundo andar é por escadaria(foto: Divulgação)
Acesso ao segundo andar é por escadaria (foto: Divulgação)
Antes da decisão de transferência da audiência para o primeiro piso, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) justificou, por meio de nota, que o prédio do fórum em Diamantina é antigo, e que o Setor de Engenharia do órgão tem um projeto a ser licitado para facilitar o acesso a todas as dependências da unidade judiciária.

O TJMG também confirmou que as audiências são gravadas e que o equipamento é fixo no segundo andar, não permitindo mudanças. Ainda segundo o tribunal, o juiz propunha a redesignação de uma nova data para a audiência, de acordo com as datas em aberto do agendamento. Mas acabou optando pela transferência do local.

O Casarão do Fórum é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). E os representantes do órgão em Minas informaram que, de acordo com a legislação, bens culturais também precisam garantir a acessibilidade aos frequentadores. E, nesse sentido, o projeto de acessibilidade deve ser elaborado e apresentado ao Iphan pelos proprietários, no caso a Câmara Municipal de Diamantina.

 

(RG) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade