Publicidade

Estado de Minas

Treinador de escolinha de futebol é condenado por abusar sexualmente de adolescentes

Investigações começaram depois de a mãe de um dos garotos detectar conversas suspeitas entre o filho e o acusado. Treinador, condenado a 20 anos em regime fechado, está preso


postado em 18/07/2017 22:45 / atualizado em 18/07/2017 23:08

Um treinador de escolinha de futebol do Bairro Glória, na Região Noroeste de Belo Horizonte, foi condenado a 20 anos de prisão em regime fechado pelo crime de estupro de vulnerável cometido contra dois adolescentes, na época com menos de 14 anos de idade. A decisão, divulgada nesta terça-feira, foi do juiz Luís Augusto César Pereira Monteiro Barreto Fonseca, titular da 8ª Vara Criminal de Belo Horizonte. O réu está preso e permanecerá detido durante a fase de recurso.

As investigações começaram depois de a mãe de um dos garotos detectar conversas suspeitas entre o filho e o homem e levar o caso à polícia. Após tramitação do processo, em que foram ouvidas 13 testemunhas, foi concluído que técnico de futebol teria praticado atos libidinosos com os dois adolescentes. Inicialmente, foi investigado o abuso de um terceiro aluno da escolinha, mas o Ministério Público requereu a absolvição do acusado em relação a esse terceiro adolescente e foi atendido pelo juiz.

Na sentença, o magistrado destacou que um dos adolescentes contou que "criou relação de confiança e afeição pelo réu e que também ganhou presentes". A mãe da vítima observou uma mudança de comportamento do filho e, ao questioná-lo, confirmou os abusos praticados pelo técnico. A segunda vítima também confirmou que houve um "relacionamento" entre eles e que tinha medo que o técnico o prejudicasse caso não continuassem os encontros. Desconfiada, a mãe do garoto “clonou” o aplicativo de mensagem do filho e descobriu o que estava acontecendo.

A defesa do acusado pediu a absolvição por ausência/insuficiência de provas. Segundo o TJMG, a defesa afirmou a que as práticas teriam sido consensuais ou que as vítimas não eram mais crianças. O acusado negou os crimes, sustentando que a questão se limita à não aceitação por parte dos pais e que “os adolescentes podem ter confundido o seu carinho”.

O juiz Luís Augusto Barreto Fonseca confirmou o crime e condenou o réu a 20 anos de prisão. “Deste modo, em um confronto entre as declarações das vítimas, corroboradas no possível pelas testemunhas, e pelas conversas de WhatsApp de um lado e, de outro, as alegações do réu, mostra-se a versão apresentada pelos adolescentes a mais próxima do que realmente aconteceu”, afirmou o magistrado ao portal do TJMG. Ele destacou ainda o fato de as vítimas terem menos de 14 anos: “Não há que se falar que os atos teriam sido consensuais.”


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade