Publicidade

Estado de Minas

Advogados de cunhado de Ana Hickmann mantêm legítima defesa e juíza segue com processo

Gustavo Correa, cunhado da apresentadora Ana Hickmann, responde por homicídio contra Rodrigo Augusto de Pádua, de 30, depois de o rapaz tentar a apresentadora no quarto de um hotel


postado em 17/07/2017 15:03 / atualizado em 17/07/2017 22:06

Caso chegou a ser arquivado pela Polícia Civil que considerou legítima defesa(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Caso chegou a ser arquivado pela Polícia Civil que considerou legítima defesa (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

A Justiça determinou o prosseguimento do processo que investiga o homicídio doloso de Gustavo Henrique Bello Correa, cunhado da apresentadora Ana Hickmann, contra Rodrigo Augusto de Pádua, de 30 anos, depois de o rapaz tentar assassinar a apresentadora no quarto de um hotel na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, em 21 de maio do ano passado. A defesa alega legítima defesa, mas as argumentos não foram acatados pela juíza, que determinou o prosseguimento do caso. As audiências de instrução do processo ainda não foram marcadas.

A decisão foi publicada no Diário do Judiciário de sexta-feira. “Afasto, nesse momento, as alegações da defesa, ratifico o recebimento da denúncia e dou prosseguimento ao feito”, decidiu a juíza.

 

A argumentação da defesa continua sendo de legítima defesa. "Essa é nossa principal tese, acatado pelo delegado responsável pelo inquérito. Não há mudança de estratégia. Quem age em legitima defesa não comete crime. Então, não tem por que ser condenado. E por isso, teria o arquivamento do caso”, explicou. O advogado afirmou que já esperava a decisão. “A Juíza já tinha nos dito que iria fazer”, completou.

O cunhado da apresentadora foi enquadrado no artigo 121 do Código Penal, que prevê reclusão de 12 a 30 anos por homicídio qualificado. A denúncia é exatamente o oposto do que a Polícia Civil apontou em investigação. Em 17 de junho, o delegado responsável pelo caso, Flávio Grossi, pediu o arquivamento do inquérito argumentando o que o cunhado da apresentadora teria agido em legítima defesa. Ele sustentou ainda que o atentado foi planejado em todos os detalhes, dos locais de abordagem até a escolha da arma do crime. Pádua foi morto com três tiros na nuca, depois de luta corporal que teria durado cerca de 8 minutos, de acordo com o promotor.

Na denúncia, o promotor do Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, Francisco de Assis Santiago, aponta que Correa, ao iniciar embate corporal com Pádua, agiu em legítima defesa, mas excedeu essa condição e praticou homicídio doloso. A principal prova disso, para a Promotoria, são os três tiros dados na nuca do suposto fã da apresentadora. O agressor chegou ao local do crime depois de render Correa e o obrigar a levá-lo até o quarto de Ana Hickmann, que estava com uma assistente. Os três foram mantidos sob a mira de um revólver.

De acordo com a assessoria de imprensa do Fórum Lafayette, o processo está com vista para o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade