Publicidade

Estado de Minas

Rodovias estaduais mineiras terão 393 radares até fim do 1º semestre

Depois de dois anos com equipamentos desligados, diretor do DEER/MG diz que número de equipamentos vai aumentar 40% e expectativa é que estejam aptos a funcionar até junho


postado em 05/05/2017 06:00 / atualizado em 05/05/2017 07:31

Radar na MG-030, em Nova Lima: número de equipamentos nas rodovias estaduais em todo o estado vai chegar a 393(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)
Radar na MG-030, em Nova Lima: número de equipamentos nas rodovias estaduais em todo o estado vai chegar a 393 (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)
Até o fim de junho, o número de radares nas rodovias estaduais em Minas Gerais deve aumentar 40%, passando de 280 para 393 equipamentos. Essa é a expectativa do diretor-geral do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG), Djaniro Silva.

Segundo ele, a parte do DEER, que inclui as estruturas físicas para a colocação dos equipamentos, já está praticamente concluída em todo o estado, restando agora a conclusão dos trabalhos do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que vai aferir os equipamentos, e da Cemig, para levar energia elétrica a todos os pontos com fiscalização eletrônica. “Estou com a esperança de chegar ao meio do ano tudo concluído”, disse.

Durante dois anos, entre 2014 e 2016, os 240 radares espalhados pelas rodovias mineiras sob responsabilidade do estado ficaram desligados, por conta do fim da licitação feita pela gestão anterior e  de questionamentos do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Agora, os 240 antigos foram religados, outros 40 estão funcionando e mais 113 serão ligados até o fim de junho.

“O impacto da colocação de um radar é imediato. Para implantar um equipamento existe um estudo técnico e nossos estudos indicam que não houve praticamente nenhuma morte nos trechos com implantação de radar. Realmente, é um inibidor dos acidentes com óbitos e, por isso, é muito importante”, afirmou Djaniro Silva.

OBRAS Ainda segundo o diretor do DERR/MG, com a junção da gestão das estradas (antigo DER/MG) com a parte de obras do estado (antigo Deop), que já vinha funcionando, mas ocorreu ontem oficialmente em evento da sede do órgão, será possível desburocratizar a administração e facilitar os processos.

Um dos objetivos é a remodelação dos contratos que garantem a manutenção de 40 mil quilômetros de estradas dentro de Minas Gerais. Nesse caso, já está contratado o serviço nas regionais de Formiga (Centro-Oeste) e Ituiutaba (Triângulo Mineiro), totalizando 1,1 mil quilômetros. Outras 26 regionais, somando mais 13 mil quilômetros, estão com as licitações abertas, na fase de análise de documentos. Uma das principais demandas rodoviárias no estado é a manutenção das estradas, pois os buracos e problemas na sinalização interferem na segurança das rodovias.

O departamento já vinha seguindo plano de obras rodoviárias com intervenções concluídas, como a ligação asfáltica entre as cidades de Curvelo e Cordisburgo, na Região Central, inaugurada na semana passada pelo governador Fernando Pimentel. Outras duas iniciativas importantes aguardam novidades. Uma é o início das obras, já contratadas, para pavimentar os 22 quilômetros que ainda permanecem de terra entre Conceição do Mato Dentro e Serro, na Região Central do estado. As intervenções dependem de licenciamento ambiental.

A segunda é a construção de uma ponte com cerca de um quilômetro de extensão sobre o Rio São Francisco ligando as cidades de Pintópolis e São Francisco, no Norte de Minas. No mês que vem o governo deve lançar a licitação da obra. Hoje, a conexão nesse trecho é feita de balsa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade