Publicidade

Estado de Minas

Edifício Niemeyer passa por reformas depois de 20 anos

Um dos ícones do conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade e de Belo Horizonte, edifício das inconfundíveis curvas volta a passar por reforma


postado em 23/04/2017 06:00 / atualizado em 23/04/2017 07:52

Depois de anos esperando por patrocínio, moradores decidiram bancar reforma emergencial, mas não perdem a esperança de encontrar ajuda(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Depois de anos esperando por patrocínio, moradores decidiram bancar reforma emergencial, mas não perdem a esperança de encontrar ajuda (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Um dos principais cartões-postais de Belo Horizonte, desenhado pelo grande artista da arquitetura brasileira Oscar Niemeyer, finalmente começou a ter a fachada restaurada. A obra modernista com marquises em ondas que remetem a montanhas mineiras – um dos ícones do conjunto arquitetônico e paisagístico da Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul da capital mineira –, pedia socorro para corrigir os estragos feitos pelo tempo há pelo menos cinco anos. Após uma longa espera por patrocínio, os moradores se cansaram e decidiram desembolsar a verba do próprio condomínio para começar a limpeza da fachada e voltar a exibi-la como o modelo original.


Tombado como patrimônio histórico nos níveis municipal, estadual e federal, o edifício foi construído no início dos anos 1950, depois da entrega à cidade do complexo da Pampulha, também de autoria de Niemeyer. Formado por 22 apartamentos, o edifício teve os primeiros dos problemas atuais detectados em 2011. Na época, a obra resultou em um orçamento caro, inacessível aos condôminos, em torno de R$ 1 milhão. A maratona teve início depois que um projeto foi elaborado e enviado ao Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de BH, ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) e ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Em 2012, o projeto de restauração das fachadas e áreas comuns do Edifício Niemeyer foi aprovado pelo Iepha e também pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do Município de Belo Horizonte, no qual o instituto tem assento. Após a aprovação, o documento foi encaminhado ao Ministério da Cultura, para que o condomínio pudesse se candidatar a benefício da Lei Rouanet e procurar um patrocinador na iniciativa privada.

Reinaldo da Matta Machado, síndico do edifício, conta que o pedido foi deferido em Brasília, mas não apareceu investidor interessado. Os moradores se cansaram de esperar e decidiram arcar com os custos com o caixa do próprio condomínio, aprovando o orçamento de R$ 450 mil e iniciando a restauração neste mês. “A maior dificuldade foi eu mostrar aos condôminos que o sonho do patrocínio via Lei Rouanet não iria se concretizar, assim consegui convencer  todos que nós mesmos teríamos de resolver o problema da fachada”, afirma. Para o síncido, nenhum interessado apareceu por causa da crise econômica do país. “O projeto inicial incluía uma reforma mais completa, por exemplo, com a troca das janelas. Mas, no orçamento levantado na época seríamos incapazes de arcar sem patrocínio. Quando percebemos que a situação só piorava e nenhuma verba seria incluída, decidimos fazer uma restauração com as questões mais urgentes”, afirmou Reinaldo.

O síndico explica que se trata de uma manutenção geral da fachada, mantendo a originalidade do prédio. “O projeto engloba lavar o prédio, recolocar pastilhas e ladrilhos hidráulicos e acabar com os pedaços de fachada que caem do edifício. Havia o risco, até mesmo, de queda de pequenos fragmentos em cima de um pedestre”, contou o administrador. As obras começaram neste mês e tiveram como ponto de partida a retirada de partes soltas. O síndico contou que última recuperação havia ocorrido pelo menos 20 anos atrás. A obra atual deve levar de 10 a 12 meses para ser finalizada.

O morador Marcos Neves, de 66 anos, que vive no prédio desde a década de 1960, conta que a restauração era um desejo de todos os condôminos e comemorou o início da obra. “Essa reforma é muito importante. Concordo com a condição de manter detalhes originais, pois o prédio é de BH. Vemos o Edifício Niemeyer em cartões-postais, catálogos, cartões de ônibus... Mas não tivemos nenhuma ajuda. É tudo do nosso bolso, e não vai sair barato não”, disse o morador. Com orgulho, o integrante da terceira família a se mudar para o prédio diz: “É uma obra tão bonita, que temos que preservá-la para a cidade”.

(foto: Beto Novaes/EM/DA Press - 24/8/16)
(foto: Beto Novaes/EM/DA Press - 24/8/16)

Um tributo às linhas curvas


Oscar Niemeyer (1907-2012) nasceu no Rio de Janeiro, mas foi em Belo Horizonte, especialmente na Pampulha, que fez seus primeiros projetos de repercussão internacional. Entre 1942 e 1944, o então prefeito Juscelino Kubitschek o convidou para projetar o conjunto da Pampulha. Dez anos depois, o arquiteto projetou o famoso Edifício Niemeyer, localizado na Praça da Liberdade, Região Centro-Sul de BH. As montanhas mineiras foram a inspiração para as curvas do edifício, uma arquitetura considerada avançada para a época. Entrou para a história uma das frases de Niemeyer que resumem os traços de sua obra: “Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein”. O Edifício Niemeyer faz parte do conjunto arquitetônico e paisagístico da Praça da Liberdade, protegido por tombamento pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) desde 1977, e integra o Conjunto da Obra de Oscar Niemeyer, que se encontra com processo aberto para proteção na esfera estadual.

Ver galeria . 6 Fotos 1894 - Ex-sede do poder estadual em Minas, o Palácio da Liberdade, eme estilo eclético com influência neoclássica, sai da prancheta de José de MagalhãesJackson Romanelli/EM/DA Press - 28/5/12
1894 - Ex-sede do poder estadual em Minas, o Palácio da Liberdade, eme estilo eclético com influência neoclássica, sai da prancheta de José de Magalhães (foto: Jackson Romanelli/EM/DA Press - 28/5/12 )

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade