Publicidade

Estado de Minas

Vazamento de duto de rejeitos da Vale atinge rios na Região Central de Minas

Pelo menos quatro cursos d'água foram atingidos por restos da mineração. Prefeitura de Itabirito notificou a mineradora. Vale diz que apura as causas da ocorrência


postado em 15/03/2017 10:28 / atualizado em 16/03/2017 09:29

Ver galeria . 3 Fotos Pelo menos quatro cursos d'água foram atingidos por restos da mineração. Sinais apareceram no domingoSecretaria de Meio Ambiente de Itabirito/Divulgação
Pelo menos quatro cursos d'água foram atingidos por restos da mineração. Sinais apareceram no domingo (foto: Secretaria de Meio Ambiente de Itabirito/Divulgação )
O rompimento de um rejeitoduto da Vale contaminou rios e córregos da Região Central de Minas. Cursos d'água  nas áreas de Ouro Preto, Congonhas e Itabirito foram atingidos. As  causas do problema ainda não foram esclarecidas.

Os primeiros sinais do rompimento apareceram no domingo. De acordo com o secretário de Meio Ambiente de Itabirito, Antônio Marcos Generoso, um ribeirinho entrou em contato com ele informando que a turbidez havia mudado e a água estava com uma coloração avermelhada. “Segunda de manhã a gente saiu a campo para localizar. Fomos em 10 pontos e delimitamos uma área. Após o almoço, o pessoal foi para o lado de Ouro Preto, onde tem mineração, fazer o levantamento investigativo, e acharam o local. O pessoal da Vale já estava terminando de arrumar o duto”, disse o secretário.

A Vale informou que o vazamento ocorreu em um trecho do rejeitoduto da mina de Fábrica, em Ouro Preto. No entanto, conforme o secretário, os córregos Prata, das Almas e os rios Mata Porcos e Itabirito já haviam sido atingidos. Segundo ele, a situação poderia ter sido pior já que o Rio Itabirito deságua no Rio das Velhas, que passa pelas captações de Rio Acima e Bela Fama, abastecendo também Belo Horizonte. “Assim que soubemos, comunicamos lá para o comitê de bacias e a Copasa. Deu tempo de se preparar para não comprometer o abastecimento”, detalha Generoso. “Nesta quarta-feira, a turbidez do rio já está menor. “Agora a água está amarelada. Em uns 15 dias deve normalizar”.

A prefeitura de Itabirito notificou a Vale sobre a turbidez e assoreamento dos rios e córregos. A mineradora tem 20 dias para fazer o recurso. Depois disso, segundo Antônio Marcos Generoso, cabe multa e o caso é repassado ao Ministério Público. Ele informou que o Núcleo de Emergência Ambiental (NEA), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad), fiscalizou a área do rompimento nessa terça-feira, juntamente com a Polícia Militar de Meio Ambiente.

O secretário de Meio Ambiente de Itabirito também afirma que a Vale não relatou o vazamento do rejeitoduto à prefeitura. “Comuniquei na segunda à noite o secretário de Ouro Preto. A empresa, quando tem um incidente, é obrigada a informar à Secretaria de Meio Ambiente. Nós só fomos saber do incidente na hora que a gente chegou no local, 24 horas depois de ter mudado a turbidez. Nós tivemos que investigar”, enfatiza Generoso. “Se ela tivesse comunicado, a gente já tinha avisado a população. Graças a Deus não teve mortandade de peixes, mas uma falha dessa a gente não quer que aconteça de novo”, finaliza.

Por meio de nota, a Vale diz que identificou o problema na segunda-feira. “A empresa informa que o vazamento já foi contido, que os esclarecimentos aos órgãos ambientais foram feitos e que está apurando as causas da ocorrência”, diz a nota.

A Copasa informou, nesta quarta-feira, que não houve impacto no processo de tratamento da água no Sistema Bela Fama, em Nova Lima, em função do acidente. O abastecimento da população continua normal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade