Publicidade

Estado de Minas

Rebelião na Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, termina sem mortes

Detentos fizeram motim contra a nova direção e das mudanças implementadas por ela nos horários de visitas. Segundo OAB, líderes devem ser transferidos


postado em 17/01/2017 08:19 / atualizado em 17/01/2017 09:03

Ver galeria . 4 Fotos É grande a movimentação de grupos especiais da Polícia Militar na porta da Penitenciária Dutra LadeiraMarcos Vieira/EM/D.A Press
É grande a movimentação de grupos especiais da Polícia Militar na porta da Penitenciária Dutra Ladeira (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press )
Terminou, por volta da 1h30 desta terça-feira, o motim dos detentos da Penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a Polícia Militar (PM), não há registro de mortos ou feridos. Viaturas do 40º Batalhão permanecem no entorno do local para reforçar a segurança.

O presidente da Comissão de Assuntos Carcerários da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Minas Gerais (OAB-MG), Fábio Piló, informou ao em.com.br nesta manhã que está tentando falar com a diretoria da unidade e pretende voltar ao local ainda hoje. “Foram retirados todos os pertences do presos, colchões, e eles estão de cueca nas celas para evitar outro motim. Porque  tinham isqueiros, tiraram as roupas para evitar incêndios”. Ainda segundo o advogado, há informações de que os líderes do motim serão transferidos, mas ainda não se sabe os nomes desses detentos.

A reportagem tentou  contato com a  Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), mas até as 8h as ligações não haviam sido atendidas.

Depois de divulgar vídeo na  tarde de segunda-feira nas redes sociais ameaçando “colocar fogo em tudo” e “matar muita gente”, os oresos da Dutra Ladeira se rebelaram à noite contra a nova direção e as mudanças implementadas por ela nos horários de visitas. Eles colocaram fogo em colchões, enquanto familiares se aglutinavam na porta do presídio em busca de informações.  Aos gritos de “presos têm família”, os parentes tentaram fechar a rodovia MG-06, próximo ao km 9, mas foram impedidos pela polícia. Segundo a Polícia Militar, enviada ao local para ajudar a conter a confusão, a rebelião atingiu quatro pavilhões (4,5 e 6).



Durante a rebelião, se via muita fumaça no presídio, de onde partia barulho de tiros de bala de borracha e bombas de efeito moral. Um forte aparato policial foi montado na área externa. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), estavam no local policiais do Grupo de Intervenção Rápida (GIR) e o Comando de Operações Especiais (Cope). Dez viaturas da PM participaram a operação.

Depois de entrar no presídio, Fábio Piló contou que os presos reivindicavam melhores condições para eles e os familiares, além de atendimento médico. Segundo a OAB, integrantes da Comissão de Direitos Humanos já tinham estado no Dutra Ladeira na tarde de ontem, depois de mulheres e mães de presos denunciarem maus-tratos contra os detentos.

Segundo parentes dos presos, o diretor Rodrigo Machado cortou a visita íntima no presídio. As grávidas teriam ainda sido proibidas de fazer visitas nos fins de semana, podendo ir ao Dutra Ladeira apenas quinzenalmente, em dias úteis. Também de acordo com relato de presidiários aos familiares, agentes do GIR  estariam agredindo os presos. Nos últimos dias, teriam soltado cachorros nos internos, que foram colocados nus no pátio. Eles querem a volta do Luiz Fernando, último diretor do presídio, antes de ser substituído pelo atual comando. Segundo familiares, alguns detentos também iniciaram greve de fome mais cedo.

DESORDEM  Em nota divulgada na noite de ontem, a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informou que presos de alguns pavilhões “subverteram a ordem dentro das celas e atearam fogo em pedaços de colchões, lançando-os para os corredores”. Ainda de acordo com a nota, todos os presos permanecem dentro das celas e não houve fuga. A Seap informou também que o GIR e o Cope, ambos da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), estavam no local para conter o protesto, com o apoio da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Repórter da Globo é agredida


A repórter Larissa Carvalho, da TV Globo Minas foi agredida durante a madrugada quando falava ao vivo sobre a cobertura da rebelião no Presídio Antônio Dutra Ladeira. A agressão aconteceu logo depois de a jornalista entrar no jornal da Globo News. Assim que a repórter começou a falar, uma mulher, parente de um detento, a empurrou, e ela caiu. A agressora foi contida por um policial militar e foi detida. A repórter disse quen não se machucou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade