Publicidade

Estado de Minas

MPT vai investigar relações de trabalho da Uber com motoristas

O anúncio foi feito nesta sexta-feira pela procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho (MPT) em Minas, Adriana Augusta de Moura Souza


postado em 16/12/2016 22:44

Condutor do Uber aguarda passageiro: desde 22 de julho as viagens podem ser pagas em dinheiro (foto: Rodrigo Clemente/EM/DA Press - 19/05/2016)
Condutor do Uber aguarda passageiro: desde 22 de julho as viagens podem ser pagas em dinheiro (foto: Rodrigo Clemente/EM/DA Press - 19/05/2016)

A procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho (MPT) em Minas Gerais, Adriana Augusta de Moura Souza, anunciou nesta sexta-feira a criação de um grupo de trabalho que vai se dedicar a pesquisas sobre aplicativos para transporte de passageiros como o Uber. O grupo, que será constituído por procuradores, segundo ela, vai estudar e investigar as relações de trabalho entre essas empresas e motoristas.

“Como se trata de empresas internacionais, é preciso um estudo mais amplo. Queremos saber se atuam contra nossas normas ou não”, explicou. Segundo a procuradora-chefe, o Ministério Público do Trabalho só pode tomar alguma medida caso sejam comprovadas irregularidades. ”Não podemos deixar que as relações de trabalho sejam precarizadas”, afirmou a procuradora-chefe. A iniciativa foi divulgada em visita da Comissão de Desenvolvimento Econômico da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e de representantes de taxistas à instituição.

A procuradora informou que o grupo, constituído por procuradores, irá estudar e investigar as relações de trabalho entre essas empresas e motoristas. Ela solicitou que associações da categoria presentes no encontro repassem, nos próximos dez dias, informações que já coletaram sobre o assunto para essa equipe regional, que irá subsidiar trabalhos que vêm sendo desenvolvidos por outro grupo que atua em nível nacional.

Para o superintendente regional do Ministério do Trabalho, João Carlos Gontijo de Amorim, há uma nítida precarização das relações de trabalho com a atividade desses aplicativos para transporte de passageiros. Ele criticou também a taxa de 25% do valor das corridas que fica para a empresa, no caso do Uber.

De acordo com o deputado Antonio Carlos Arantes (PSDB), essa taxa faz com que o Uber seja o grande beneficiado com o transporte, e não os motoristas. “Há uma concorrência desleal em relação aos taxistas”, acrescentou o parlamentar, que disse ainda não ser contra o serviço, desde que ele seja regulamentado. A empresa Uber foi procurada pela reportagem e ninguém foi encontrado para falar sobre o assunto.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade