Publicidade

Estado de Minas EXTREMOS GERAIS

Saiba quem é Antônio Montalvão, um desbravador do sertão mineiro

Entre vários feitos, fundador de Montalvânia mandou abrir a golpes de machado estrada até a recém-inaugurada Brasília. Hoje, trecho integra BR, mas progresso ainda não chegou


postado em 14/11/2016 11:00 / atualizado em 17/11/2016 08:04

Estrada rasgando o cerrado rumo a Brasília foi uma das realizações de Antônio Montalvão, que abriu caminho sem apoio oficial e com trabalho braçal(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
Estrada rasgando o cerrado rumo a Brasília foi uma das realizações de Antônio Montalvão, que abriu caminho sem apoio oficial e com trabalho braçal (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)

Percorrer de bicicleta, ou mesmo de carro, ônibus ou caminhão, os caminhos que levam a Montalvânia é dar testemunho do pioneirismo do fundador da cidade, Antônio Montalvão. Não só pelas ruas e avenidas planejadas e batizadas com nomes de grande pensadores da história da humanidade, mas até mesmo pelas estradas, inclusive a que ganhou status de rodovia federal – hoje trecho da BR-030, que em toda a sua extensão liga Brasília a Maraú (BA), cortando pelo caminho Goiás e Minas. Aberta há quase meio século graças à iniciativa do fundador, sem qualquer apoio estatal, a via ligou o nascente município do Norte de Minas à capital federal, na esperança de alavancar o progresso regional através de um acesso direto à nova sede do poder nacional. Décadas depois de cumprida a tarefa mais difícil, com a abertura de uma ligação de quilômetros com trabalho predominantemente braçal, comunidades ainda vivem hoje isoladas, esperando asfalto à beira da rodovia federal.


A emancipação de Montalvânia ocorreu em dezembro de 1962 – após uma epopeia com direito a incríveis manobras políticas e jurídicas –, menos de dois anos após a inauguração de Brasília, erguida por Juscelino Kubitschek a 400 quilômetros, no Planalto Central. Certo da relação predestinada entre as duas cidades, Montalvão inicia, em 1966, com recursos próprios, uma camionete e 20 homens, a abertura da estrada cortada a foice, facão e machado pelo cerrado, rumo à nova capital federal. O traçado foi feito com a ajuda de um amigo americano, dono de um avião. “Foi voando rasante daqui a Brasília, em linha reta, e jogando saquinho de cal no caminho. Depois, ele veio por baixo com os homens”, conta o filho Zelito Montalvão, responsável pelo Memorial Montalvão, que preserva a trajetória do pai em painéis, imagens e objetos.

Pouco mais de um ano depois a estrada chegava ao destino, passando por Arinos, de onde já havia rodovia aberta. “Conhecer a capital federal é uma necessidade do nosso povo”, vaticinava Montalvão, que, entre 1967 e 1968, transportava semanalmente 11 pessoas numa picape adaptada. Ironizando a distância, mandou desenhar um sapo em uma das portas, onde se lia: “Montalvânia-Brasília: um pulo de sapo”.

Não era bem assim. Dono de um bar no distrito de Janaína, Lino Ribeiro dos Santos, de 73, lembra com agonia uma de suas viagens de ônibus até a capital. “Era entrevado, não dava nem pra mexer de tão cheio.” Em condições normais, o percurso levava cerca de 10 horas, chegando a Taguatinga no fim do dia. Porém, “quando chovia acabava a estrada”, continua Lino. “Três dias no caminho, moço. Pedi pra me largarem pra onça comer e me tirar daquele sofrimento”, exagera.

Hoje, ônibus precários saem da rodoviária de Montalvânia e percorrem a estrada aberta por Montalvão há 50 anos, um dos trechos ainda não asfaltados da BR-030. “Nós aqui vive esquecido do mundo, não tem direito de nada: hospital, saneamento, nada”, constata Manuel Corrêa França, enquanto segue para o assentamento Vaca Preta no ônibus escolar carregado de mantimentos, caixa d’água, bicicleta, botijões de gás e sacos de ração pelo corredor. “Carro baixo fica na estrada; é o meio de transporte que nós temos”, explica, ao lado da esposa. “O pessoal da roça não tem valor”, comenta ela. “Já pensou se Montalvão tivesse vivo? Tava um brinco, né?”, diz, pondo fé no poder de administrador dessa espécie de Juscelino Kubitschek que não deu certo.

"Três dias no caminho, moço. Pedi pra me largarem pra onça comer e me tirar daquele sofrimento", diz Luiz Ribeiro dos Santos (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)


Jogada de mestre na Justiça e na política

Visionário e polêmico, Antônio Lopo Montalvão nasceu em 1917, em Nhandutiba, zona rural de Manga. Ainda jovem, se mudou com a família para Goiás, onde, em uma situação de legítima defesa que terminou em morte, se viu caindo no mundo para escapar da perseguição que se seguiu. Percorreu o país até alcançar Porto Alegre. Traçou uma rota para o Oriente, com planos de chegar à Índia via Londres, mas ficou pelo caminho, em Buenos Aires, onde viveu por dois anos. Autodidata, tendo estudado formalmente até a 3ª série, se ocupou da leitura de clássicos, retornando ao Norte de Minas em 1949, decidido a desenvolver a região no que considerava sua missão cósmica na Terra.

Para isso, se estabeleceu na vila de Piracueba, hoje São Sebastião dos Poções, distrito de Montalvânia. Uma das primeiras novidades providenciadas foi a energia elétrica. Com recursos próprios, instalou postes e fiação. “Colocou um motorzinho a óleo, aí mostrou energia pro povo”, afirma o lavrador Francisco Gonçalves da Silva, de 76, ao lado da loja de material de construção que abrigou a primeira casa comercial do fundador. Segundo dizem, não foram poucos os que correram assombrados quando acesas as primeiras lâmpadas, chamadas pelos moradores de “cabacinhas de fogo”. “Não tem outro com uma história dessas, não. Antônio Montalvão foi um pioneiro”, afirma Joaquim Cardoso da Silva, do alto de seus 93 anos. “Dos que desbravou aqui tudo, só existe eu. Sou o último fundador da cidade que existe vivo”, atesta.
No sertão isolado do início dos anos 50, a campanha pelo progresso começava a contrariar o poder local. “O negócio do telefone, nós começamos a linha pra Manga, e fomo muito homem. Chegou um oficial de Justiça com mandado do juiz barrando o serviço, pra nós não cortá nem uma árvore pra frente mais”, conta Joaquim. “Aí foi quando começou a rixa, foi dureza, moço. Teve tiroteio aqui, teve um bocado de coisa”, testemunha o pioneiro.

Tendo censuradas suas iniciativas, Montalvão viu como saída a criação da própria cidade, o que a seu ver traria independência do mando dos coronéis. Usando como pretexto a agricultura, tomou empréstimo no Banco do Brasil e comprou 724 hectares da Fazenda Inhaúmas, na confluência dos rios Cochá e Poções. “Quando barrou lá, ele veio e comprou aqui”, explica Joaquim. Segundo ele, havia uma parte menor de pasto e o restante era mata fechada, cuja primeira tarefa era derrubar. “Baseadamente uns 10 homens que nós viemo. Vinha todo domingo à tarde e voltava todo sábado, tudo a pé.” Aberta a primeira clareira no que hoje é a Praça Cristo Rei, a cidade foi fundada em 22 de abril de 1952, com uma faixa esticada entre duas árvores. Mas ninguém acreditava. “O pessoal chamava ele de louco”, conta Zelito Montalvão.

A cidade mais sábia do mundo



'HOMEM-TOCO’

Montalvão pai não fazia caso. Tanto que espalhou um jornal próprio pelo Nordeste, oferecendo lotes para quem quisesse morar ou trabalhar. “Ele não queria gente que tava junto dos coronéis”, conta Zelito. O povoado crescia e o cerco aumentava. “Era muita tocaia, jagunço esperando em estrada para matar. Como ele continuava vivo, surgiu a lenda de que virava toco para escapar”, explica. Safando-se de emboscadas e calculando os votos de Poções e da nascente Montalvânia, se candidatou à Prefeitura de Manga, a sede do poder político local, sendo eleito na segunda tentativa, em 1958. Com uma oposição inconformada com a derrota e que impossibilitava qualquer ambiente administrativo em Manga, após um atentado promovido por coronéis, em 1960, Montalvão transfere a documentação da prefeitura em sigilo, passando a despachar a partir de “sua” Montalvânia.

Descoberto o movimento, Manga é cercada por homens armados e a disputa política pega fogo, só apagado com “um acordo com os coronéis e as autoridades, para devolver a prefeitura para Manga, em troca da emancipação de Montalvânia”, lembra o herdeiro do fundador. Em uma manobra jurídica, foi emancipado o distrito de São Sebastião dos Poções, alterada a localização da sede do município e simultaneamente mudado o nome para Montalvânia. “Foi exceção: Montalvânia foi direto de povoado à condição de cidade”, conta Zelito.

Notas do pedal

(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)

Só Jesus
Passado meio século da picada aberta pelo pioneiro Antônio Montalvão que virou trecho de estrada federal, o isolamento e o areião em meio à caatinga fechada ainda dificultam o acesso à região. “A BR-030 só piora”, constata o motorista de caminhão Aílton Antunes Cardoso, de 47 anos, 12 deles percorrendo a estrada. Rodando à noite, ele se queixa dos buracos, evitados como pode no caminhão que carrega oito toneladas de feno. “É só eu e ele”, aponta, indicando uma imagem de Jesus Cristo no para-brisa. O trecho de Chapada Gaúcha a Montalvânia, com menos de 200 quilômetros, é percorrido em seis horas. “Nós precisamos de estrada, muita estrada. Se ligasse esse asfalto de Chapada Gaúcha até Carinhanha, ligaria o Brasil todo”, conclui.

(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)


Olho Vivo no Sertão
Com a contribuição direta de moradores e dinheiro arrecadado em eventos, policiais militares de Montalvânia deram início a projeto de videomonitoramento inédito no sertão do Norte mineiro. Guardadas as proporções, uma iniciativa digna do visionário Montalvão. Convocando a população com chamadas em uma rádio local, em julho passado a Polícia Militar local passava a boina pedindo contribuições para a instalação de câmeras em pontos estratégicos. Cotas foram vendidas a R$ 550 cada, com pagamentos ao Conselho Comunitário de Segurança Pública (Consep) e acompanhamento do Ministério Público. Renderam R$ 17 mil. Uma festa, o Forró do Pelotão, arrecadou R$ 6 mil. Outros R$ 11 mil vieram de um leilão de animais doados, incluindo bezerros, bodes e até galinhas. A soma pagou quatro câmeras e a central. Um primeiro flagrante das lentes já ocorreu perto de um banco na área central, com a prisão de um suspeito armado, conta um dos idealizadores do projeto, o sargento Tiago Lima, do 30º Batalhão da PM.

A Bíblia de Pedra
Nos estudos do que chamou de a Bíblia de Pedra, por meio dos quais se debruçou sobre as imagens rupestres gravadas em cavernas de Montalvânia, Antônio Montalvão “descobriu” uma nova Mesopotâmia no sertão mineiro, onde os rios Cochá e Carinhanha seriam os correspondentes ao Tigre e ao Eufrates, que delineavam a antiga civilização do Oriente Médio. Descartando o Equador, ele afirmava que o centro da Terra seria uma linha curva, que passaria pelo Norte de Minas. Eleito o quarto prefeito de Montalvânia em 1972, Montalvão se ocupou de divulgar os achados e convidou arqueólogos para a realização de pesquisas. Ao longo da década de 1970, escreveu e publicou suas teorias, editando dois livros e cinco volumes da Revista do Brasil Remoto. Doze livros contendo interpretações das gravuras rupestres locais permanecem inéditos.

‘Malineza’ com o patriarca
“A intenção foi fantástica, uma cidade bem traçada, os nomes das praças, das ruas, e no que deu?”, questiona o artista de rua Tonicão, que aos sábados se apresenta na Praça Cristo Rei, no Centro de Montalvânia, apontando problemas comuns a todas as cidades, como o desrespeito ao perímetro urbano e o surgimento de favelas. No repertório de composições tocadas na guitarra elétrica, o roqueiro improvisa com os versos finais do hino montalvanense: “Bradar o seu nome seu povo não cansa, Montalvânia de Montalvão, segunda Brasília da nossa esperança”. Ilhada na rotatória em frente, a estátua do fundador segue vandalizada, com um dedo quebrado e nariz arrancado. O zelador Manuel Alves observa o estrago e comenta: “Essas malineza se faz é à noite”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade