Publicidade

Estado de Minas

Carnaval 2016 gera renda de R$ 54,7 mi para BH e visitantes aumentam 124% em relação a 2015

Dados são de pesquisa feita pela Secretaria de Estado de Turismo e Esportes de Minas Gerais e Belotur. Grau de satisfação do folião caiu em relação ao ano passado


postado em 01/03/2016 18:52 / atualizado em 01/03/2016 22:58

Bloco Baianas Ozadas arrastou mais de 40 mil foliões(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press.)
Bloco Baianas Ozadas arrastou mais de 40 mil foliões (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press.)
O carnaval de Belo Horizonte de 2016 gerou uma renda de R$ 54,7 milhões para o município, 233,5% a mais do que a folia de 2015, que gerou R$ 16,4 milhões. O número de visitantes no evento também aumentou 124,1%, de 42.905, em 2015, para 96.144, em 2016. Os dados são de uma pesquisa feita pela Secretaria de Estado de Turismo e Esportes de Minas Gerais em parceria com a Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur), divulgada nesta terça-feira.

O gasto médio diário dos visitantes também aumentou. Passou de R$ 99,42, em 2015, para R$ 157,61, em 2016, ou seja, 58,5% a mais. O fluxo estimado de pessoas, segundo dados da Polícia Militar, passou de 1,458 milhão para 2 milhões.

 

O objetivo da pesquisa foi traçar o perfil dos visitantes e moradores de BH que participaram do evento deste ano, diagnosticando os motivos da escolha da cidade, o nível socioeconômico e expectativas em relação aos produtos e serviços oferecidos durante a festa. Os questionários foram aplicados pessoalmente por pesquisadores contratados pela Secretaria de Estado de Turismo nos blocos de carnaval com maior expectativa de público.

Para a pesquisa, foi considerado morador quem vive em BH e região metropolitana. Quem veio do interior e de outros estados e países foi considerado visitante. Os questionários foram aplicados entre 6 e 9 de fevereiro, nos blocos Alcova Libertina, Baianas Ozadas, Bloco do Calixto, Bloco do Peixoto, Corte Devassa, Então Brilha!, Juventude Bronzeada e Ordináááários. No total, foram 493 entrevistados. A margem de erro é de 4,4%.

Dos entrevistados, 61% tiveram como origem o interior de Minas. Em segundo lugar, do estado de São Paulo (14,6%). Depois, Espírito Santo (6,1%), Rio de Janeiro (4,9%), exterior (3,7%), Bahia (3,7%), Goiás, Mato Grosso, Distrito Federal e Paraíba 1,2% cada.

Sobre a profissão, a maioria é assalariada (35,3% dos moradores e 23,8% dos visitantes). Sobre o estado civil, prevaleceram os solteiros (69,8% dos moradores e 79,3% dos visitantes). A renda também foi questionada. Dos moradores, 23,5% recebem salário entre R$ 1.021 a R$ 2.040. Dos visitantes, 27,8% recebem entre R$ 2.041 a R$ 3.570. A maioria dos foliões, 60%, foi às festas acompanhada de amigos.

Dos visitantes, 73,9% ficaram hospedados em casas de amigos, 15,9% em hotéis ou pousadas, 8,7% alugaram casas ou tinham casa própria, 1,4% ficou em albergues ou hostel. Os visitantes disseram que pretendiam visitar algum atrativo turístico fora da programação de carnaval. Em primeiro lugar, ficou a Lagoa da Pampulha (28,6%), seguida do Mirante da Serra do Curral (10,7%), Mercado Central (10,7%), e Inhotim (10,7%), entre outros locais.

Mas o grau de satisfação do folião caiu em relação ao carnaval de 2015. Para os moradores, caiu de 7%, em 2015, para 6,6%, em 2016. Dos visitantes, passou de 7,2% para 6,7%. Os moradores ficaram insatisfeitos com os blocos de rua, locais, horários, organização, com a sensação de segurança e com banheiros. Somente a limpeza da cidade obteve aumento no grau de satisfação, de 6 para 6,1.

 

Dentre as sugestões para o carnaval 2017, prevaleceram mais banheiros (31%) e mais segurança (15,4%). A média de participação das pessoas foi de três blocos. A maioria disse que participou e que pretende participar do Baianas Ozadas (35,9%), Então Brilha (28,9%), Ordináááários (26%), Chama o Síndico (12,2%) e Alcova Libertina (9,5%).

Para os moradores, a consequência do carnaval para Belo Horizonte é mais divulgação para a cidade (43,9%) e valorização da cultura (41,3%). Para 98,6%, o carnaval tem potencial para se tornar um atrativo turístico. Quase 100% dos entrevistados, moradores e visitantes, disseram que pretendem participar da folia no ano que vem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade