Publicidade

Estado de Minas

Rostos azuis colorem trajeto zen do Pena de Pavão de Krishna

Bloco desfilou do Bairro Jardim Pirineus, na Região Leste de BH, até Sabará, na Região Metropolitana


postado em 07/02/2016 13:56 / atualizado em 07/02/2016 14:55


Um percurso de quase seis quilômetros em um bairro mais afastado do Centro de Belo Horizonte foi o cenário escolhido pelo bloco Pena de Pavão de Krishna para entoar sua batida zen no carnaval deste ano. O bloco, que encanta pela beleza estampada no corpo com a cor azul, mais uma vez reuniu uma multidão. Ao som de mantras indianos e afoxé, os foliões seguiram debaixo de um sol forte até a cidade vizinha de Sabará, na Região Metropolitana. Cerca de 5 mil pessoas participaram da festa, segundo estimativas da Polícia Militar.

(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)

Os integrantes do bloco e os foliões começaram a se preparar para a maratona logo cedo. Às 7 horas, o azul, cor que homenageia Sri Krishna, a personalidade de Deus, segundo o movimento indiano Hare Krishna, já dominava a Praça Arlinda Bonsucesso, local escolhido para a concentração. Quem não veio de casa pronto para a festa recebeu a pintura ali mesmo, contanto, claro, com a ajuda de outros foliões. A festa começou em seguida, depois do café da manhã e de um mantra.

Logo na saída do desfile, um incidente com um dos integrantes do bloco trouxe preocupação. A roda de um carrinho de suprimentos, que estava acoplado ao trio elétrico, passou sobre o pé de Rafael Gonzo. Solidários, integrantes do bloco carregaram o rapaz até um carro que o levou a um hospital. Antes de sair, Rafael pediu que o público orasse por ele.

Passado o susto, a bateria voltou a tocar e a alegria novamente tomou conta dos foliões. O clima de descontração ganhou reforço com a presença de várias crianças. Ana Mel Oliveira, de 26 anos, artista circense, viveu um momento especial com a filha Olívia, de apenas 11 meses. "A Olívia passou o carnaval do ano passado na minha barriga e agora é o primeiro presencial", diz Ana.

(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)

O local escolhido pelo desfile agradou parte do público. "O mais legal do PPK é essa intenção de levar o carnaval para lugares mais longe do Centro", destacou Ana Mel". Nos anos anteriores, o bloco desfilou no Bairro Floresta, depois no Jardim América e no ano passado na Lagoinha.

O trajeto longo até Sabará, no entato, exigiu disposição. Muitos foliões desistiram no caminho. Pouco policiais militares fizeram a segurança do bloco. Apesar disso, o clima de paz dominou todo o percurso.

Com o corpo todo azul, Bruna Abreu destacou o sentimento presente no desfile: "O bloco tem uma energia diferenciada, a intenç%u0101o é conectar com o divino e trazer paz para o espírito", diz.

Paz que até o cachorro Jack teve o privilégio de sentir. Ele foi levado à festa pelos donos Diego Valadares, 32, estudante, e Maíra dos Santos, 27, gestora pública, que trouxeram o amigo para a folia.

Trajeto longo sob forte sol foi desafio para os integrantes do bloco e os foliões(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Trajeto longo sob forte sol foi desafio para os integrantes do bloco e os foliões (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


Com informações de Guilherme Paranaíba e Valéria Mendes

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade