Publicidade

Estado de Minas

Lama de rejeitos afetou pelo menos mil hectares de áreas de preservação permanente

De acordo com o Ibama, os funcionários seguem trabalhando no salvamento de peixes, especialmente das espécies nativas da bacia


postado em 20/11/2015 13:40 / atualizado em 20/11/2015 13:52

Técnicos do Ibama que acompanham os efeitos da devastação provocada pelo rompimento da barragem do Fundão, da Samarco (controlada pela Vale e BHP Billinton), no dia 5 de novembro, estimam que a lama de rejeitos minerais afetou  aproximadamente mil hectares de áreas de preservação permanente nas margens dos rios por onde os rejeitos passaram,  principalmente o Rio Doce. De acordo com a coordenadora geral de emergência ambiental do Ibama, Fernanda Pirilo, os funcionários do órgão federal seguem trabalhando no salvamento de peixes, especialmente das espécies nativas da bacia.

O Ibama alerta que é preciso cuidado no resgate de peixes para que o problema não seja aprofundado por ações precipitadas, ainda que bem intencionadas. O instituto listou alguns dos possíveis problemas na transferência indiscriminada de peixes do rio para as lagoa.

- Altíssimos índices de mortalidade dos peixes trazidos do Rio Doce, pelas dificuldades técnicas no transporte ou pela não adaptação aos ambientes das lagoas marginais
- Predação maciça de peixes jovens em desenvolvimento em lagoas que tenham papel de berçário
- Transferência indiscriminada de espécies exóticas invasoras presentes no Rio Doce, como o bagre africano e o tucunaré
- Concorrência intensa com os peixes residentes das lagoas, por comida e refúgios
- Alterações químicas decorrentes de possíveis contaminantes que podem já ter chegado aos pontos mais baixos do Rio Doce
- Mortandade em massa pelo esgotamento de oxigênio na água em razão da superlotação das lagoas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade