Publicidade

Estado de Minas

Governo de Minas decreta situação de emergência na Região do Rio Doce

Medida vai acelerar ações dos municípios atingidos pelo rompimento de barragem em Mariana, na Região Central. Moradores vão poder sacar o FGTS


postado em 17/11/2015 15:41 / atualizado em 17/11/2015 16:16

Rio em Governador Valadares está com a cor avermelhada por causa do rejeito(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Rio em Governador Valadares está com a cor avermelhada por causa do rejeito (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)

A lama de rejeitos de mineração que desceu da barragem controlada pela Samarco, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais, segue causando devastação por cidades banhadas pelo Rio Doce. Para tentar amenizar a situação, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), decretou situação de emergência para todos os municípios atingidos diretamente com a tragédia na Região do Rio Doce. Com isso, os municípios podem realizar compras sem licitação e os moradores resgatarem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O decreto é válido por 180 dias.

Com a situação de emergência, as cidades podem acelerar as medidas previstas para tentar amenizar os danos causados pela lama. Agora, a liberação de recursos acontecem mais rápido, assim como as obras. Solicitações de emergência, como de medicamentos e alimentos, também serão acelerados.

Os moradores e os produtores rurais ganham mais vantagens. As famílias poderão sacar o FGTS e os produtores rurais podem entrar em linhas de crédito especiais. O decreto agiliza, ainda, a mobilização de recursos humanos, como o deslocamento de efetivos do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil de Minas Gerais e Polícia Militar.

Com a passagem da lama, municípios banhados pelo Rio Doce vêm sofrendo as consequências. Peixes estão morrendo e o abastecimento comprometido. Em Governador Valadares, a situação é a mais tensa. Por causa do corte no abastecimento, longas filas se formaram na cidade para os moradores receberem doações de água mineral. Confusões são registradas diariamente por causa da situação.

O abastecimento de água voltou no último domingo na parte mais baixa da cidade. Porém, muitos moradores ainda estão receosos em usar o recurso que foi contaminado com alto índice de ferro. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) garante que a água tratada tem total condição de uso, com laudos da Copasa ratificando as condições de potabilidade.

Parecer apresentado pelo Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) estima que a situação no Rio Doce deve continuar por aproximadamente 30 dias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade