Publicidade

Estado de Minas

Artesão reúne talento e técnica para criar presépio

Morador de Santa Luzia recria cenário do nascimento de Jesus, uma atração na cidade


postado em 15/12/2014 06:00 / atualizado em 15/12/2014 07:46

Wellington Corrêia herdou o costume de fazer presépios da avó Maria e já tem duas décadas de ofício(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Wellington Corrêia herdou o costume de fazer presépios da avó Maria e já tem duas décadas de ofício (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Caixotes de verduras se transformam em estrutura das montanhas, vasos da varanda trazem a natureza para dentro de casa e musgos fazem o arremate entre as pedras do rio. Com talento, técnica e paciência, o artesão Wellington Rodrigo Moreira Corrêia, de 26 anos, morador de Santa Luzia, na Grande BH, compõe o cenário do nascimento de Jesus, costume que mantém há duas décadas, depois de aprender com a avó Maria. Nesta temporada natalina, o jovem está mais atarefado do que nunca, pois vai fazer simplesmente 50 presépios diferentes, em residências da cidade natal e na capital. “Em 2013, foram poucos, pois minha avó tinha acabado de morrer. Fiquei triste e desanimei, mas agora estou entusiasmado e pronto para cumprir a missão”, diz Wellington, que nasceu em 4 de outubro, dia de São Francisco de Assis, o pioneiro dos presépios. Em Santa Luzia, há um circuito de presépios e gente de todo canto visita as casas, que abrem as portas num convite à celebração cristã.

Wellington terminou recentemente mais dois presépios e recebeu a aprovação das famílias da Rua Direita, no Centro Histórico de Santa Luzia. “Só encerro o trabalho depois de pôr o Menino Jesus na manjedoura. Se achar que o conjunto não ficou bom, desmancho e recomeço do zero”. Na verdade, a imagem só vai para a gruta de Belém na noite de 24 para 25 de dezembro, ficando guardada em caixas forradas de algodão ou oratórios domésticos.

A arte de fazer presépios é centenária em Minas, e o artesão preza as características mais antigas, como usar as peças – Jesus, Maria e José, anjos, pastores e animais – das próprias famílias, buscar galhos secos no quintal, além de ouvir e contar históricas enquanto monta o cenário. “É sempre um ritual e as pessoas gostam disso. O presépio une todo mundo”, conta Wellington. O serviço vai se intensificar a partir de hoje, já que os luzienses costumam preparar as residências depois da festa da padroeira celebrada anualmente em 13 de dezembro.

Tradição

A casa de Nadeje Lima dos Santos já está enfeitada e o presépio é uma das atrações. “Meu filho Rafael fez o nosso durante sete anos e depois Wellington assumiu o serviço. Lá se vão 17 anos”, conta a moradora da Rua Direita. “Gosto muito de manter a tradição”, disse ela, com alegria.

Na casa das tias Celma e Telma, Wellington encontra inspiração e criatividade para fazer o presépio permeado de boas lembranças: um cavalinho amarelo, da sua infância, um bibelô e as peças da avó Maria, que completam 70 anos. Em silêncio, cumpre mais uma missão. “E quanto você ganha para fazer um presépio?”, pergunta o repórter. “Se for para igrejas, não recebo nada. Nas casas, as pessoas sempre me dão um ‘agrado’. Faço por prazer”, responde o jovem.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade