Publicidade

Estado de Minas

Advogada que espalhou faixas em ruas recebe ligação de homem que conversou na internet

A mulher se decepcionou com mudança de tom e está em dúvida. Porém, não perde a esperança


postado em 20/09/2013 06:00 / atualizado em 20/09/2013 06:41

Após a ligação, a advogada chorou bastante e ficou decepcionada(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A.Press)
Após a ligação, a advogada chorou bastante e ficou decepcionada (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A.Press)

DeleGata está triste. Flávia – que prefere não revelar o sobrenome – chorou muito, até seus olhos verdes ficarem inchados. Entre muitas chamadas, a advogada mineira de 30 anos que pôs faixas em BH em busca do paquera que ela conheceu num bate-papo na internet recebeu uma ligação decisiva. Na noite de quarta-feira, Bonito ligou. Mas não era o cara romântico e educado que ela havia imaginado. Ela conversou com um homem seco e incomodado com tanta exposição. “Por que você fez isso?”, perguntou. DeleGata está muito triste, decepcionada e em dúvida. Ela se recusa a acreditar que esse seja mesmo o seu Bonito e pede que o verdadeiro apareça ainda hoje. “É sexta-feira ou nunca mais!”

Para quem espalhou quatro faixas no Bairro Santo Antônio, Centro-Sul de BH, onde mora o pretendente, ficou famosa com a repercussão nacional, deu entrevistas alimentando a esperança, seria no mínimo estranho a história de amor terminar com esse desfecho. “Fiz tudo isso à toa?”, questiona. “Não estou completamente convencida de que ele apareceu, tenho 20% de dúvida e quero que o Bonito verdadeiro apareça até sexta-feira (hoje). Tenho que retomar minha vida, meus estudos”, diz.

Passava das 17h e DeleGata não havia sequer almoçado. A vida dela virou de cabeça para baixo desde terça-feira, quando pôs as faixas à procura do advogado de 34 anos, solteiro e morador do Santo Antônio, identificado como Bonito. Recebeu centenas de mensagens e ligações, até dos EUA. Anteontem à noite, uma mulher que se identificou como Marisa fez contato, informando que Bonito entraria novamente no chat para eles conversarem. O pretendente estava lá, mas não rendeu assunto.

Logo depois ele ligou para DeleGata e aí veio o susto. “Perguntou para mim o que eu queria com tudo isso. Achei estranho, pois foi ele quem me chamou para sair. Então eu disse para deixar para lá”, conta. Entre todas as ligações, a de Bonito foi a mais seca. “Todos os outros me trataram superbem. Acho que pode ser ele mesmo. Ele disse que conversou no chat comigo do escritório e foi isso mesmo. Só que não se lembrava o local para onde ele queria levá-la”, conta DeleGata, oscilando em dúvidas. Tantas que pediu à repórter para entrar em contato com o Bonito. Segue o diálogo:

“Bonito?
É.
Você é o rapaz que conheceu a Flávia DeleGata no chat?
Acho que não.
Então por que ligou para ela?
Liguei para saber se tínhamos conversado em algum chat.
Você costuma entrar em bate-papo?
Não sou eu não. (desliga o telefone)”

O número do telefone é o mesmo que, ao longo de quarta-feira, havia mandado cinco mensagens para o celular da DeleGata. Numa delas, informava ser de tradicional família mineira e que, se ela quisesse conhecê-lo, teria que ser de forma discreta. O último torpedo, às 22h12 de quarta-feira, foi depois que a advogada e Bonito conversaram, rompendo o relacionamento que nem começaram. “Que bom que seja assim. Melhor deixar para lá. Muito estranha a sua reação. Talvez (o Bonito) não seja realmente eu mesmo”, escreveu.

O celular de Flávia continua a tocar sem parar, chovem pretendentes, mas ela faz um apelo. “Se ele realmente existe, peço que me procure, pois a hora é agora”, diz. O que vai acontecer daqui para a frente ainda é um mistério para Flávia, que largou a Polícia Militar para estudar para concursos. A esperança dela é encontrar Bonito, mas também começa a considerar outras possibilidades. “Se receber propostas profissionais e até de publicidade por que não, né? Ainda mais agora que estou sem emprego. E, se nada acontecer, Flávia não se abala. “Na semana que vem, ninguém se lembrará da DeleGata.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade