Publicidade

Estado de Minas

Polícia descarta relação com tráfico de pessoas no sumiço de menina no Norte de MG

Delegado responsável pelo inquérito garante que as investigações estão prestes a revelar o mistério no desaparecimento de Emily em Rio Pardo de Minas


postado em 28/05/2013 21:37

O delegado Luiz Cláudio Freitas do Nascimento, responsável pela condução do inquérito sobre o desaparecimento de Emilly Ketlen Ferrari, garante já estar próximo de desvendar o paradeiro da menina. Sem revelar detalhes, para não atrapalhar as investigações, ele descartou que o caso tenha relação com tráfico de pessoas adiantou que falta realizar uma diligência, prevista para a próxima segunda-feira, para concluir os trabalhos. Porém, disse que esclarecimentos podem surgir antes deste prazo. “Vocês vão saber, brevemente, o que realmente aconteceu”, afirmou.

Emily desapareceu na tarde de 4 de maio, quando brincava sozinha na porta de casa na pacata cidade de Rio Pardo de Minas. Nenhuma pessoa testemunhou o momento em que a criança saiu do local. Mais de 20 dias depois de iniciadas as investigações, a polícia descobriu que a rua em que mora a família da menina é monitorada por câmera de vigilância de uma loja de informática. Ao analisar as imagens, os investigadores ficaram frustrados ao perceber que o toldo do estabelecimento impediu a filmagem da região. “Infelizmente, intencionalmente ou não, alguém abaixou o toldo da loja dificultando a captação das imagens. Mas, a gente ouviu o dono do estabelecimento que contribuiu com informações relevantes”, informou o delegado.

Demonstrando otimismo quanto à iminente conclusão do inquérito, o delegado Luiz Cláudio disse que não há dúvidas de que Emily foi vítima de sequestro e cárcere privado. “A gente quer saber se desencadeou algo mais depois do cárcere”, disse sem esclarecer detalhes sobre as suspeitas levantadas. A equipe de policiais chegou a fazer buscas no rio que corta o município e matas próximas, considerando a hipótese da menina ter se perdido sozinha ou, até mesmo, ter sido morta e seu corpo abandonado na região.

Cerca de 50 pessoas já foram ouvidas pela polícia desde o inicio das investigações. O inquérito já conta com aproximadamente 500 páginas. Para garantir sucesso na elucidação do caso, a equipe mantém sigilo sobre os depoimentos e ainda não aponta suspeitos do sequestro. Seis investigadores da Delegacia Especializada em Localização de Pessoas Desaparecidas de Belo Horizonte foram enviados a Rio Pardo de Minas para ajudar nas investigações.

Festa adiada

Emilly completou 8 anos de idade na última sexta-feira. A festa de aniversário, com tema das Princesas da Disney, foi adiada. “Já tinha encomendado o bolo das princesas. Tudo da Emilly é das princesas”, contou emocionada a mãe Tatiany Ferreira Viana, de 29 anos, ressaltando que a filha estava ansiosa pela festinha. Ela ainda guarda os enfeites e surpresas preparadas para a comemoração e diz estar confiante de que terá a filha de volta ao lar em breve.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade