Publicidade

Estado de Minas

Maníaco do Anchieta e membros da Galoucura enfrentam banco dos réus em janeiro

Pedro Meyer Ferreira Guimarães, 55, tem audiência de instrução e julgamento marcada para dia 22. Oito dias depois há sessão de júri popular para julgar seis integrantes da Galoucura acusados de matar cruzeirense


postado em 08/01/2013 09:10 / atualizado em 08/01/2013 10:55

Maníaco do Anchieta, Pedro Meyer Ferreira Guimarães, vai enfrentar audiência dia 22(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Maníaco do Anchieta, Pedro Meyer Ferreira Guimarães, vai enfrentar audiência dia 22 (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
O mês de janeiro de 2013 será marcado por importante audiências e julgamentos em Minas Gerais. No dia 22, acontece uma sessão de instrução de um dos processos do Maníaco do Anchieta, Pedro Meyer Ferreira Guimarães, 55. Ele responde a acusações de estupros cometidos na década de 1990. Os casos tramitam em segredo de Justiça, que não divulga a qual crime está relacionada a próxima audiência.

A sessão havia sido marcada para dezembro do ano passado, mas foi adiada a pedido do advogado do réu, Lucas Laire Faria Almeida. Segundo o defensor, faltou anexar ao processo a complementação do laudo de incidente de sanidade mental de Pedro Meyer. A juíza Maria Luiza Santana Assunção, da 8ª Vara Criminal, acatou o pedido e reagendou a audiência.

Em 28 de março, ao passar pela Avenida Francisco Deslandes, no Bairro Anchieta, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, uma jovem de 26 anos viu Pedro Meyer e o reconheceu como o homem que a estuprou em 1997. A jovem seguiu Pedro até um prédio residencial no mesmo bairro e avisou seu pai, que chamou a polícia. O ex-bancário foi preso e levado para a Delegacia de Proteção à Mulher.

A notícia da prisão de Pedro Meyer e a divulgação de sua foto incentivaram mulheres a denunciar o ex-bancário como autor de vários crimes sexuais. Pelo menos 10 denúncias já prescreveram e foram arquivadas, todas com parecer favorável do Ministério Público. Atualmente existem seis processos tramitando na Justiça em nome do acusado na Comarca de BH.

Membros da Galoucura na audiência em novembro que foi adiada para janeiro(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press.)
Membros da Galoucura na audiência em novembro que foi adiada para janeiro (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press.)


No dia 30, acontece o júri popular de seis integrantes da Galoucura acusados de matar o cruzeirense Otávio Fernandes, na Avenida Nossa Senhora do Carmo, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. A sessão ocorrerá no 2º Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, na capital, com acusação do promotor Francisco de Assis Santiago.

Vão enfrentar o banco dos réus o diretor da torcida organizada Marcos Vinícius Oliveira de Melo, o Vinicin, Cláudio Henrique Souza Araújo, o Macalé, e João Paulo Celestino Souza. Os três estão presos acusados de homicídio qualificado, tentativa de homicídio e formação de quadrilha. Também serão julgados pelo crime de formação de quadrilha Eduardo Douglas Ribeiro Junior, Josimar Junior de Sousa Barros e Windsor Luciano Duarte Serafim, que respondem em liberdade. Quase 30 testemunhas devem ser ouvidas na sessão.

Em novembro a audiência de julgamento dos seis acusados chegou a ser inciada, mas o advogado de defesa, Dino Miraglia Filho, apresentou vídeos do momento da agressão que não haviam sido exibidos anteriormente em juízo. A promotoria alertou que as imagens não estavam no processo e pediu vistas, solicitação acatada pelo juiz.

O crime ocorreu em 27 de novembro de 2010, depois que um grupo de atleticanos saiu de um ginásio poliesportivo na Avenida Nossa Senhora do Carmo, onde acompanhava um torneio de vale-tudo, e atacou um grupo da torcida rival. As imagens da agressão foram registradas por câmeras de segurança de um shopping, ao lado do complexo. Além de Otávio, três cruzeirenses foram agredidos, mas sobreviveram.

No processo sobre a briga são 12 réus. Além dos seis que serão julgados, também foram denunciados pelo Ministério Público o presidente da torcida organizada, Roberto Augusto Pereira, o Bocão, e o vice-presidente, Willian Tomaz Palumbo, o Ferrugem, Diego Alves Ribeiro, Matheus Felipe Magalhães, Carlos Eduardo Vieira dos Santos, Wellerson Tadeu Gomes.

Março

Está marcada para 4 de março, no Fórum de Contagem, na Grande BH, o julgamento do Caso Bruno. Serão julgados pelo desparecimento e morte de Eliza Samudio o ex-atleta Bruno Fernandes, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, e a ex-mulher do goleiro Dayanne dos Santos, O júri dos três réus foi adiado após manobras da defesa durante as audiências em novembro de 2012. Já foram condenados dois acusados do crime. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e a ex-namorada do goleiro Fernanda Gomes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade