Publicidade

Estado de Minas UM ANO LONGE DE TUDO

Estudantes que vão encarar o Enem e o vestibular se preparam para abrir mão da diversão

Estudantes vão se dedicar integralmente aos estudos


postado em 06/01/2013 00:12 / atualizado em 06/01/2013 07:57

O saco de pancadas, pendurado no teto do quarto, ainda vai sofrer muito este ano. É nele que o estudante Eduardo Canabrava Diniz, de 16 anos, descarrega as tensões, dando socos fortes com luvas de boxe, quando a barra está mais pesada. Barra, no caso, se traduz por química, física, matemática, biologia e outras tantas matérias que o adolescente terá de estudar em 2013, de maneira redobrada, preparando-se para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e segunda etapa do vestibular. “Agora está mais calmo, mas, quando as aulas começarem em fevereiro, a situação vai mudar. É dedicação exclusiva aos livros”, conta Eduardo, que vai iniciar o terceiro ano do ensino médio e ainda não decidiu sobre o futuro curso superior. “Só sei que será na área de ciências humanas. Mais perto do Enem, vou decidir”, diz bem-humorado, embora certo de toda a responsabilidade que os próximos meses vão trazer à sua vida.


Em Minas, há cerca de 260 mil estudantes, dos quais 31 mil em Belo Horizonte, que chegam ao terceiro ano do ensino médio e têm pela frente um período completamente atípico – os dados foram fornecidos pela Secretaria de Estado da Educação com base no último Educacenso. É bom lembrar que, além da pressão das provas finais e do sufoco do vestibular, vem a formatura. “Trata-se de um período delicado para os jovens, pois têm que tomar decisões importantes e levar em consideração as expectativas familiares. Há sofrimento e angústia, daí a necessidade de refletir muito sobre a escolha profissional e, durante todo o ano, organizar bem o tempo para conciliar estudo, lazer e descanso”, orienta a pedagoga e professora do Departamento de Educação da PUC Minas Solange Bonomo Assumpção (veja as dicas para os alunos).

Residente no Bairro Gutierrez, na Região Oeste da capital, e aluno do Colégio Bernoulli, Eduardo recebe apoio integral da família. “Estamos todos no mesmo barco”, diz a mãe dele, a funcionária pública federal Clarisse Malheiros Canabrava Diniz, lembrando que ela, o marido e as gêmeas Flávia e Raquel, de 12 anos, estão solidários com o primogênito e vão até cancelar qualquer viagem no fim do ano. A família acaba de voltar da Disney, nos Estados Unidos, onde passou o Natal, e segue nos próximos dias para uma semana no litoral fluminense em visita à avó. “Depois disso, não haverá mais passeio. Vou estudar muito”, afirma o adolescente, enquanto brinca, na sala, com a cadelinha Lilica.

“O melhor que podemos dar aos filhos é a educação”, avalia Clarisse, que procura não interferir na escolha profissional de Eduardo. “Estamos unidos e dando todo o suporte. Ele gosta de história, português, inglês… Na verdade, estamos todos de vestibular”. O objetivo é fazer provas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e em outras instituições”, diz a mãe, que também se preocupa com a alimentação e procurou uma nutricionista. “Estou tomando umas vitaminas”, revela o estudante, disposto a socar mais uma vez o saco de areia. “Este aqui vai para a química!”, brinca.

De antemão, Eduardo sabe que alguns prazeres terão que ser cortados ou reduzidos, entre eles as festinhas de fim de semana, o bate-papo nas redes sociais, as idas ao cinema – uma das suas paixões –, a leitura de livros extracurriculares indicados pelo avô (o último foi a trilogia Millenium), o gosto pela música e o curso de inglês. “Ele já fala muito bem a língua, tem facilidade para idiomas, ficou dois meses no Canadá, quando tinha apenas 14 anos”, diz Clarisse. De repente, Eduardo lembra que a ansiedade permeia a vida de quem está no terceiro ano do ensino médio. “São momentos decisivos, temos que abrir mão de muitas atividades e focar no estudo.”

PERNAS PARA O AR

A árvore de Natal ainda está montada e a figura de Papai Noel decora a sala do apartamento no Bairro Santa Tereza, na Região Leste de Belo Horizonte. Deitada no sofá, a estudante Bruna Melany Frishe Siqueira, de 17, lê o terceiro volume da série Fazendo meu filme, de Paulo Pimenta, e só quer descanso. Na semana que vem, viaja com a família para Cabo Frio (RJ) e sabe que, no retorno, o batidão será diferente. Aluna há 10 anos do Colégio Magnum, na Cidade Nova, a jovem decidiu que vai estudar administração na UFMG e pretende passar de primeira. “Estou de férias, mas impossível não ficar ansiosa. Estou doida para passar e ir para a universidade, não quero fazer cursinho de jeito nenhum”, conta Bruna, mesmo reconhecendo que não é lá muito caxias.

Com um sorriso simpático, e sob o olhar carinhoso da mãe, Liliane Melany Frishe Siqueira, Bruna garante que vai  pegar firme nos estudos e se desdobrar, pois também quer ser da comissão de formatura do colégio. Sem namorado e vontade de ter um em 2013, a jovem conta que terá que dispensar o pagode com os amigos nas tardes de sábado, no bairro onde mora, e os shows do sertanejo universitário – “passei o réveillon, no Iate, na Pampulha, vendo o show de Munhoz e Mariano” – computador e dormir tarde. “O ano será diferente, eu sei, mas estou disposta e muito focada nos meus interesses”, resume a jovem.

 Se depender da irmã Flávia, de 14 anos, Bruna vai passar no primeiro vestibular. “Ela é a mais estudiosa da casa e está sempre mandando a irmã pegar os livros”, conta Liliane. Num gesto de brincadeira, Flávia fecha a cara e puxa a orelha de Bruna, confirmando o compromisso de ficar de olho em qualquer vacilo durante todo o ano. “Mas em julho eu vou passar uns dias em Porto Seguro para descansar”, avisa Bruna.

DICAS PARA OS ALUNOS


>> AULAS

Os horários são de suma importância na vida estudantil, principalmente neste ano de vestibular. Portanto, ir à escola todos os dias, sem faltar, é imperativo. As anotações durante as aulas também são fundamentais para sistematizar (compreender e apreender as informações mais relevantes) os conteúdos abordados

>> ORGANIZAÇÃO
Um ponto-chave para estudar é ter organização no dia a dia e saber administrar o tempo. Isso se traduz na divisão dos momentos de estudo em casa, atividades de lazer e intervalos de descanso

>> LEITURA

Antecipar a leitura de um capítulo do material escolar (livro didático ou apostila) que vem à frente ajuda muito. Dessa forma, quando o professor for tratar do assunto, o aluno já terá conhecimento e ficarão mais fáceis a compreensão e as anotações

>> SIMULADOS

A cada três ou quatro meses vale a pena fazer exames simulados para testar os conhecimentos e avaliar pontos que merecem investimentos futuros. Também é bom fazer provas de vestibulares e de Enems anteriores para se familiarizar com a forma como o conteúdo é apresentado e os tipos de perguntas feitas

>> DESCANSO
Quem estuda muito precisa de repouso. Quando chegar da escola, o aluno deve almoçar, dar uma descansadinha e depois retornar aos livros com intensidade

>> FIM DE SEMANA

Todo mundo deve ter um dia livre na semana. Se estudar de segunda-feira a sábado, deixe o domingo para ir ao cinema, jogar bola, namorar, ficar com a família, enfim, fazer o que gosta

FONTE: Solange Bonomo Assumpção, pedagoga e professora do Departamento de Educação da PUC Minas


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade