Publicidade

Estado de Minas

Jovem conhecida como "primeira-dama" do tráfico é presa pela Polícia Civil

A jovem de 23 anos é suspeita de envolvimento em dois assassinatos, sendo mandante de um deles. Ela usava um perfil no Orkut para postar fotos com armas e ameaçar rivais.


postado em 15/06/2012 11:57 / atualizado em 15/06/2012 13:34

Lidiane tantou passar um nome falso aos policiais quando foi abordada durante um show na Praça da Estação, Centro de BH.(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Lidiane tantou passar um nome falso aos policiais quando foi abordada durante um show na Praça da Estação, Centro de BH. (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Está presa uma jovem de 23 anos apontada como líder do tráfico de drogas e suspeita de participação em dois homicídios no Bairro Glória em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Lidiane Silva Campos, também conhecida como “primeira-dama”, foi apresentada pela Polícia Civil (PC) nesta sexta-feira.

Segundo o delegado Luciano Guimarães, da Divisão de Homicídios de Contagem, após a morte de um dos irmãos, em 2008, Lidiane assumiu o controle do tráfico de drogas, liderando a “Gangue Terrorista do Glória”. Ela é suspeita de ser mandante da morte de um rival, Iago Francisco Dutra, de 18 anos, morto em maio do ano passado. Os autores do crime seriam Adam Loes Santos e Marcos Felipe dos Santos Moreira, que atualmente estão presos por outros delitos.

Iago era irmão do adolescente que matou quatro pessoas em uma chacina em novembro do ano passado. O crime foi uma represália ao assassinato de dele. Entre as vítimas, estava outro irmão de Lidiane, Leonardo José de Souza. Para vingar a morte dele, Lidiane matou a tiros a namorada dele, uma adolescente de 14 anos, que foi baleada enquanto estava em um telefone público no Bairro Glória e 5 de novembro de 2011. Na época, testemunhas disseram que ela seria autora do crime. Foi quando Lidiane começou a ser investigada.

A polícia descobriu que, após este último assassinato, a jovem passou a mudar de endereço constantemente, para não ser localizada. Ela também costumava trocar o chip do celular de 15 em 15 dias temendo ser rastreada. No entanto, Lidiane mantinha uma página no Orkut onde postava fotos com armas e fazia ameaças aos rivais, entre eles a família de Iago, que teria incendiado a casa dela em outra ocasião.

Nesta semana, a Polícia Civil recebeu a informação de que ela estaria em um show na Praça da Estação. Eles conseguiram identificar a jovem que, ao ser abordada, tentou passar um nome falso. Mas, durante a revista, os policiais reconheceram a tatuagem que ela possui com o nome de Daniel Silva Santos, o irmão assassinado em 2008. A jovem já havia sido indiciada pela polícia em maio deste ano e foi detida.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade