Publicidade

Estado de Minas

Licenciamento de projetos na Região do Isidoro será acompanhado por comissão especial


postado em 15/03/2011 07:33

A área cortada pelo Ribeirão Isidoro é considerada vulnerável e vai ganhar serviços básicos de proteção(foto: Jackson Romanelli/EM/DA Press)
A área cortada pelo Ribeirão Isidoro é considerada vulnerável e vai ganhar serviços básicos de proteção (foto: Jackson Romanelli/EM/DA Press)


Uma comissão especial vai acompanhar o licenciamento ambiental da Região do Isidoro, última fronteira verde de Belo Horizonte que está perto de se transformar na décima regional da cidade. Uma equipe interdisciplinar, composta por integrantes do município e do estado, tem nas mãos a responsabilidade de analisar as propostas de ocupação da área. A primeira empreitada se refere ao empreendimento na Granja Werneck, com área equivalente a um terço do Região do Isidoro, extensão de 10 quilômetros quadrados cortada pelo Ribeirão Isidoro, afluente do Ribeirão do Onça e integrante da Bacia do Rio das Velhas.

“É uma área muito delicada em todos os sentidos, pois tem condicionantes ambientais fortes, entorno vulnerável do ponto de vista de ocupação”, afirma a secretária adjunta municipal de Planejamento Urbano, Gina Rende. Com a implantação da Cidade Administrativa e da Linha Verde, a Região do Isidoro deixou a situação de área circundada por bairros populares, como Ribeiro de Abreu e Tupi, para zona cobiçada pelo mercado imobiliário. Para ordenar o crescimento local, a prefeitura envolveu o Isidoro com o rótulo de operação urbana consorciada.

Sob os termos de uma lei especial, o poder público mudou os parâmetros de urbanização da área e coordena, com a participação dos empreendedores, medidas para melhorar a infraestrutura, serviços básicos e a proteção ao meio ambiente. Com isso, o Isidoro, que antes era uma região voltada para chácaras, recebeu o aval para abrigar cerca de 70 mil apartamentos, com população estimada de 300 mil habitantes. Em contrapartida, os proprietários se comprometem a dotar a área de infraestrutura e equipamentos públicos, num investimento total de R$ 1,07 bilhão.

Projetos

Há previsão de construção na rgião de 14 centros de saúde, 16 unidades municipais de educação infantil (Umeis), 21 escolas de ensino fundamental e oito do ensino médio, dois centros profissionalizantes, 17 terminais de embarque e desembarque de ônibus, um terminal de integração de transporte, dois auditórios, além da sede de administração regional. Dois parques, um com 500 mil metros quadrados e outro com 2,3 milhões de metros quadrados, estão previstos no projeto do Isidoro.

Já a estrutura viária principal planejada corresponde à Via 540, que liga a Cristiano Machado à MG-020, em direção à Santa Luzia, na Grande BH, e à Norte-Sul, futura ligação entre o Anel Rodoviário e o Bairro Jaqueline, cortando o Isidoro. De responsabilidade da prefeitura e com verba de R$ 8 milhões prevista no orçamento do município para este ano, há possibilidade de que os empreendedores assumam os projetos executivos da via. “Devido ao curto prazo para construirmos e da dificuldade da prefeitura em licitar, temos interesse em contratar todos os projetos das vias que formos executar”, adianta o gerente de negócios da Direcional Engenharia, Renato Michel, uma das empresas que vão investir na área.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade