Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Lingerie para ser vista

Coleções com espírito outwear chegam ao mercado para compor looks sedutores e atrevidos


postado em 02/06/2019 04:10

(foto: Josef House)
(foto: Josef House)



A evolução da lingerie está intrinsecamente ligada à história do feminino e pode ser contada por meio da moda. Foram muitas as transformações ao longo do tempo e não só relacionadas aos hábitos e costumes da sociedade, mas também aos avanços tecnológicos. As maiores mudanças podem ser percebidas a partir do século 20, com o advento do náilon nos anos 1940 - que mudou completamente a aparência e funcionalidade das “roupas de baixo”- seguido pelo surgimento da lycra. Esses fatores, lado a lado com a forte erotização do corpo feminino, fizeram com que a indústria da lingerie se remodelasse para acompanhar uma mulher mais livre, com nova identidade sexual/social.


Neste caminho sem volta, a moda se encarregou de ressignificar conceitos: o que era antes de caráter íntimo e reservado se transformou em algo aparente, para ser visto, apreciado, sensualizado. Surgia o underwear, que vem conquistando mais e mais espaço no segmento fashion. “Antes existia a preocupação de esconder aquela alça do sutiã. Isto caiu por terra e as lingeries estão cada vez mais elaboradas, com rendas e detalhes para ficarem à mostra. A tendência do underwear na composição dos looks é muito forte”, ressalta Grazi Coelho, estilista e consultora de moda, que assina o editorial sobre o assunto nesta edição do Caderno Feminino & Masculino, cujas imagens são da Josef Fotos.


Várias marcas estão seguindo essa cartilha, entre elas a mineira Lav, presente há cerca de dois anos no mercado. Na sua estreia, no projeto Ready to Go, no Minas Trend, apresentou uma primeira coleção com rendas francesas e tecidos importados que primava pela delicadeza. Agora, além dos sutiãs, calcinhas, bralettes, bodies, Lavyne Rocha, estilista e proprietária da label, aumentou a linha de ofertas, apresentando também blusas de alcinhas, vestidos, camisolas e novos modelos de bodies. “São peças em tule, tecidos fluidos e rendas, que funcionam como uma extensão da lingerie, a partir daquela vontade  de levar para a rua todas as características de feminilidade, uma sensualidade moderna. Mantém o DNA da marca e permitem novas possibilidades ao vestir”, explica.


Em suas pesquisas, ela detectou que a lingerie sempre esteve presente na vida da mulher, mas não era tão acessível como atualmente. “A Dior, por exemplo, já elaborava coleções para mulheres das altas classes, em 1950. Aqui no Brasil, começamos a olhar mais para ela a partir da década de 1980. O comercial “Meu primeiro sutiã”, da Valisere, foi um marco. Depois, na década de 1990, era a vez do underwear da Calvin Klein, com Kate Moss vestindo a calcinha de elástico estampado com logo da marca”, relembra.


Nessa trajetória, Lavyne recorda que houve ainda o boom do silicone reafirmando a vontade da mulher de mostrar seu corpo e valorizar sua sensualidade como bem quisesse. E os desfiles da Victoria Secrets, transmitidos mundialmente, supervalorizando as peças que as modelos famosas desfilavam. “Eles também contribuíram bastante para que a lingerie fosse conquistando presença como item de moda, cada dia mais”, pontua. Para completar, a estilista cita o mais recente sucesso comercial, o sutiã Strappy, com elásticos/tiras aparentes. Lançado lá fora em 2014, chegou por aqui em 2016. “Em seguida, vieram os bodies e as hot pants, que viraram febre nos looks de réveillon de todo o país. Hoje, definitivamente, a lingerie segue moda como qualquer outro produto. Grandes estilistas e marcas, como YSL e Stela McCartney, sempre a incluem em suas coleções”.


Grazi Coelho também enfatiza a importância dos bodies nas últimas temporadas. “Alguns passam despercebidos na composição dos looks, outros são mais sexies. O certo é que a peça caiu no gosto feminino invadindo o mundo da moda fashion casual junto às modelagens que nasceram do underwear, como top faixa, bojos marcados, cropped camiseta e o vestido camisola no cetim. Já no estilo festa, algumas mulheres optam pela transparência das pernas por meio dos vestidos ou saias elaborados com tecidos transparentes com hot pant por debaixo”, ensina.


Júlia Zingoni é outra expert no assunto. Graduada em design de moda, em 2009, e em design gráfico, em 2017, fez cursos e especializações na Suécia e na Itália. Assumiu a direção de marketing e estilo do Grupo Água Fresca imprimindo, no negócio familiar, um toque jovem e contemporâneo. A empresa tem uma linha exclusiva, a Resort, na qual são pensadas as peças para sair de casa.


Ela conta que a ideia surgiu de forma natural, partiu das próprias clientes que viajavam e mandavam fotos das camisolas da marca pelas ruas do Brasil. Nessa linha não são adotados tecidos com transparência e se traz, para a moda de rua, as características da lingerie, particularmente conforto, feminilidade e muito charme. “A lingerie sempre foi uma das grandes aliadas na construção da autoestima feminina. O uso das peças da Água Fresca como outwear hoje representa, para nós, uma aceitação do corpo e do feminino. Assim como nosso modo de pensar a mulher se transformou, a lingerie também segue esses passos. A mulher de agora se sente livre para arriscar, para se mostrar, e se apropriar da tendência dessa forma é uma prova disto. Se é bonito, por que não?”.

 

 

Dicas

Como adotar sem ficar vulgar? Juliana passa algumas recomendações: “Para as mais ousadas, sutiãs rendados de bojo e bralettes sem bojo podem ser facilmente usados com calças e saias de cintura alta, que cobrem parte da região abdominal. Os bodies valorizam a silhueta e por isso ficam bem por baixo de jaquetas e trench coats trazendo a feminilidade da renda para os looks de couro e pele do inverno”. Quanto às delicadas camisolas de seda com renda, nos comprimentos curto, midi e longo, a estilista aconselha a virem sempre acompanhadas de um tricô ou casaco que cubra a região dos quadris”.

Grazi Coelho também passa algumas dicas. “Opte por peças mais delicadas e com cores neutras que possam fazer uma boa composição com a alfaiataria ou com aquele look para noite. Um truque para não errar e ficar na moda é deixar parte da lingerie aparecendo como as alças ou detalhes de renda, que possam ser vistos junto do decote.  Quem quiser um look mais ousado, pode escolher as transparências dos tules, chifons e rendas. Mas o principal é distinguir o que fica melhor com o biotipo de cada uma”.


Publicidade