Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

BMG lança banco exclusivo para clubes e promete novas ações no futebol


postado em 27/01/2019 05:08

O Banco BMG volta ao mercado do futebol com mais apetite nas camisas de Atlético e Corinthians (foto: Bruno Cantini/Atlético/divulgação)
O Banco BMG volta ao mercado do futebol com mais apetite nas camisas de Atlético e Corinthians (foto: Bruno Cantini/Atlético/divulgação)

 

 

Início de ano é sempre agitado nos bastidores do futebol. Não só pela reformulação dos elencos dos times, mas também pela dança dos patrocínios e as ações de marketing voltadas para os apaixonados torcedores. A "novidade" da temporada foi anunciada pelo BMG, patrocinador máster de Atlético e Corinthians, que passa a ocupar o lugar na camisa que era de outra marca de banco, a Caixa Econômica. O clube paulista saiu na frente e anunciou seu banco digital com a marca "Meu Corinthians BMG". A plataforma financeira, porém, só deve ser lançada nos próximos 40 dias.


O Grupo BMG, comandado pelo ex-presidente do Atlético Ricardo Guimarães, promete o mesmo tratamento aos dois parceiros. O marketing do BMG divulgou que o clube mineiro também terá a plataforma financeira "Meu Galo BMG", ação que ainda será formalizada. A igualdade, no entanto, parece que se restringirá à forma. O clube paulista deve embolsar cerca de R$42 milhões, podendo chegar a R$70 milhões conforme se desenvolver o projeto do banco. De cara, o Timão recebeu R$30 milhões. Adiantados. No Galo, os valores não foram oficialmente revelados. Mas tanto o banco quanto o clube admitem que o investimento será menor. Os novos aportes estarão ligados ao crescimento da plataforma financeira e novas parcerias para contratações de atletas.


Esse modelo de plataforma financeira, porém, não é novidade no mercado brasileiro do futebol. O São Paulo já usa processo parecido com o Banco Inter, coincidentemente de outro grupo mineiro, a MRV. Segundo a diretoria do clube, o São Paulo recebe um percentual sobre todos os serviços contratados por seu torcedor no banco, que originariamente é 100% digital.


O importante é que os clubes brasileiros estão acordando para novas formas de explorar seus torcedores. As possibilidades de ações de marketing são infinitas. Em comparação com os clubes europeus, os valores recebidos pelos brasileiros ainda são tímidos, mas devem crescer rapidamente, de acordo com a resposta de consumo dos torcedores de cada clube.


Publicidade