Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Chão de luz

Grife italiana faz desfile-show para lançar sua coleção masculina e feminina para o outono/inverno 2019/2020


postado em 20/01/2019 05:08

Prada(foto: OMA/AMO)
Prada (foto: OMA/AMO)



Falar que a Prada sempre inova é chover no molhado. Verdade, mas é obrigatório reforçar por que isso se tornou o DNA da marca desde que Miuccia, neta do fundador da grife, assumiu os negócios da família. Talvez os mais jovens não saibam, mas a marca italiana de moda, considerada um símbolo de luxo e status, começou sua história especializada em malas de viagem, bolsas e artigos de couro. Tudo mudou quando a direção de arte passou para as mãos de Miuccia Prada, em 1978.
Desde então, a Prada passou a ser uma lançadora de tendências e produtora de “conceitos”. A estilista trouxe para suas coleções uma mulher inteligente e bem-informada, ousada e inovadora, inspirada na sua participação nos movimentos estudantis. Surgia um estilo completamente diferente do que os italianos estavam acostumados a ver na alta-costura.


O desfile foi um show, em cenário preparado para impactar. Para o desfile da coleção outono-inverno 2019 masculino e feminino, foi criado um campo de luzes teatrais no grande salão do Deposito, local multifuncional que faz parte do complexo da Fondazione Prada, utilizado para apresentações. Os convidados ficaram sentados ao longo de toda a sala, ocupando diversos espaços arquitetônicos – um terraço, palcos recém-construídos e uma varanda – que dão forma ao ambiente do show e cercam o amplo espaço central. Uma plataforma marcada por uma rede de lâmpadas foi instalada no centro, sendo a única iluminação que quebrava a escuridão da sala.


Os modelos desfilaram longe do público através de um terreno artificial feito de vidro pouco iluminado e espuma macia em formato pontiagudo; evocando uma atmosfera misteriosa e excêntrica, como de uma cena de filme de ficção científica. Uma série de holofotes realçaram o espetáculo, adicionando intimidade à performance, o que contrastou com a grandiosidade e o caráter industrial do Deposito.

Coleção Miuccia Prada criou então Inspiration: um piso metálico iluminado com 120 lâmpadas. As coleções masculinas e femininas foram apresentadas por modelos como se fossem heroínas românticas e jovens ambiciosos, porém, o tom do desfile era de filme de terror, com estampas de Frankenstein. Ternos masculinos elegantes, casacos trespassados, e a sugestão é usar diretamente em cima da pele ou enfiado para dentro das calças, remetendo a uma estrela do rock ou um rebelde.


A coleção feminina se apresenta com predominância de vestidos pretos, ajustados ao corpo, com um contorno lindamente desenhado. As cores que surgem para quebrar o preto e o cinza são o vermelho e o azul-claro, tanto no liso quanto em estampas florais, para elas e para eles. O comprimento das saias, retas, é o mídi. Miuccia acrescenta embelezamentos como “pompons” coloridos nos ombros ou nos abafadores sobre os chapéus. Cristais são bordados em vestidos brilhantes e saias ou em uma camisa usada por baixo de um terno de cetim para homens. Acessórios como espartilhos em camisas, elásticos, arreios com bolsos, mochilas amarradas no busto e o zip da Prada na frente das calças surgem em alguns modelos.


Publicidade