Publicidade

Estado de Minas FOME

Seu animal de estimação sente mais fome no inverno?

Uma dúvida muito frequente entre donos de cães e gatos na época do Inverno é sobre a alimentação. Cuidado! É gula mesmo


postado em 06/06/2017 13:58 / atualizado em 06/06/2017 14:14

(foto: Reprodução de internet)
(foto: Reprodução de internet)
Afinal, eles sentem mais fome no frio? É preciso aumentar a quantidade de alimento? A resposta é: NÃO!
 
Embora algumas pessoas incrementem as refeições dos pets, alegando que eles precisam de mais calorias para manter a temperatura corporal, essa conduta está errada. Sem saber, essas pessoas estão contribuindo para um desequilíbrio alimentar, que pode levar a um quadro de sobrepeso e até mesmo à obesidade de seus animais!
 
Segundo a médica veterinária Keila Regina de Godoy, gerente de capacitação técnico-comercial da PremieR pet, empresa especialista em alimentos de alta qualidade para cães e gatos, o inverno brasileiro pode ser considerado ameno e, via de regra, não implica em uma maior necessidade calórica para os pets.
 
“Principalmente se levarmos em conta que a grande maioria dos cães e gatos que têm dono vive dentro de casa e não fica exposta por longos períodos às baixas temperaturas. Além disso é comum o uso de camas, roupinhas e cobertores para proteger do frio”, explica, Keila.
 
Ela explica que o inverno brasileiro é diferente de países onde o frio é bem mais intenso e, de fato, o organismo do animal tem um gasto energético adicional para manter a temperatura corporal. “Nesses locais de inverno rigoroso, sim, os cães e gatos podem necessitar de um incremento na quantidade de alimentação para compensar as necessidades, principalmente se frequentam áreas externas à residência”, esclarece.
 
Portanto, vale o alerta: em país tropical como o Brasil, o inverno não é desculpa para aumentar a comida do pet! “Exceto se o animal viver ao relento em um local de frio intenso, por exemplo, um cão de pastoreio no Rio Grande do Sul”, exemplifica Keila. Em caso de dúvidas, ela orienta consultar sempre o médico veterinário antes de mudar algo na alimentação do pet.
 
E atenção: nesses meses mais frios é muito importante não descuidar da hidratação do pet, pois ele pode sentir menos sede e ingerir menos água. Vale, então, caprichar na oferta de água sempre limpa e fresca e evitar muita exposição a aquecedores.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade