Publicidade

Estado de Minas

Problema de orçamento do CNPq está 'sendo resolvido', diz ministro

Marcos Pontes recorreu à Casa Civil para resolver a falta de verba


postado em 15/08/2019 20:52 / atualizado em 15/08/2019 20:58

O CNPq é uma das principais instituições de financiamento da pesquisa no país(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O CNPq é uma das principais instituições de financiamento da pesquisa no país (foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, afirmou que o problema da falta de orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) está “sendo resolvido”. O titular da pasta informou que conversou com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e que ele teria dado resposta positiva.
 
“Temos uma questão de orçamento que está sendo resolvida. O ministro Onyx Lorenzoni já deu a sua palavra de que isso vai ser resolvido em setembro, em valores para completar esse orçamento”, afirmou, em cerimônia hoje (15) na sede do ministério para lançar a Câmara Agro 4.0.
 
O CNPq é uma das principais instituições de financiamento da pesquisa no país, que custeia dezenas de milhares de bolsas para estudantes, pesquisadores e professores. Em entrevistas, o presidente do órgão, João Luiz Filgueira de Azevedo, afirmou que há um déficit de R$ 330 milhões no orçamento da instituição.
 
Segundo Azevedo, o órgão não teria como pagar as bolsas a partir de setembro. O que implicaria no corte dos benefícios para mais de 80 mil pessoas em todo o país, de alunos em programas de iniciação científica a docentes com projetos de pesquisa.
 
Segundo Pontes, o risco da suspensão do pagamento das bolsas ainda existe. Mas o titular do MCTIC afirmou confiar na promessa do ministro da Casa Civil de acréscimo dos recursos. “Tem que ser um crédito novo. O risco existe até termos o número. Mas foi promessa do ministro e eu acredito na palavra dele”, declarou. A Agência Brasil entrou em contato com a assessoria da Casa Civil e aguarda retorno.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade