Publicidade

Estado de Minas

'Não vou desistir e ainda vou me formar', diz atrasada para o Enem

Candidata ao curso de psicologia ficou perdida na UFMG. Outro candidato, que trabalha de madrugada, dormiu tarde e não conseguiu chegar a tempo


postado em 06/11/2017 06:00 / atualizado em 06/11/2017 09:46

A doméstica Rosana Aleixo confundiu prédio na UFMG e perdeu a prova(foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press)
A doméstica Rosana Aleixo confundiu prédio na UFMG e perdeu a prova (foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press)
Quando o portão de entrada da PUC foi aberto, às 11h45, milhares de candidatos já aguardavam o momento de fazer a tão temida prova. E lá se foram mais 15 minutos de espera para a abertura dos dois portões que davam acesso às salas de aulas. Foram os últimos momentos para uma revisão na matéria, dicas de redação ou um bate-papo para tentar descontrair. Às 12h em ponto, começou a peregrinação até o local da prova. Uma hora depois, pontualmente, um cadeado trancou o portão e acabou com o sonho de chegar à universidade daqueles que se atrasaram.

Este ano, parece que os candidatos ficaram mais atentos ao relógio. Até as 13h30, apenas dois estudantes chegaram atrasados. Dez minutos separaram a dona de casa Débora Isaías, de 50 anos, da tentativa de se tornar advogada. Ela contou que estava no Bairro Floresta e o ônibus não parou para embarcar quando ela deu sinal. Agora, é aguardar o ano que vem. Mesma alternativa que restou para Rafael Santana, de 33 anos. “Peguei o ônibus às 12h35 e ele ficou parado na Rua Padre Eustáquio”, lamentou o estudante, que tenta uma vaga em tecnologia da informação. Essa seria a 11ª vez que ele faria o Enem. Rafael contou que trabalha de madrugada e que por ter dormido tarde, acabou perdendo a hora. “Cheguei em casa às 3h30 da manhã”, disse.

A movimentação de estudantes foi bastante tranquila durante toda a manhã na Avenida Antônio Carlos e demais acessos ao câmpus Pampulha da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Por volta do meio dia, quando ainda faltava cerca de uma hora para o fechamento dos portões, o trânsito começou a ficar mais intenso e foi necessário a intervenção de servidores da UFMG para disciplinar a circulação nas vias internas da universidade.

Rafael Santana, que trabalha de madrugada, não chegou a tempo na PUC(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Rafael Santana, que trabalha de madrugada, não chegou a tempo na PUC (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Uma longa fila se formou na porta da Faculdade de Filosofia e Ciência Humanas (Fafich) quando faltavam alguns instantes para a abertura do portão, o que ocorreu pontualmente às 12h. Infelizmente, após o fechamento, que também se deu com pontualidade, às 13h, uma candidata se atrasou e ficou de fora. Ela ficou perdida no câmpus e, em vez de se dirigir ao Instituto de Geociências (IGC), foi para a Fafich. Triste pela confusão, a empregada doméstica Rosana Aleixo, de 25 anos, disse que vai se organizar melhor para o ano que vem, pois ainda pretende fazer faculdade de psicologia. “Não sabia onde era o prédio em que faria a prova e acabei ficando nervosa com a situação. Não conhecia a UFMG antes”, diz ela.

Moradora do Bairro Jardim Felicidade, na Região Norte de BH, ela já saiu atrasada na companhia de uma tia, que também faria a prova e conseguiu entrar a tempo. Mas, na hora de escrever os dados principais do local de exame em um papel, se esqueceu de anotar o nome do prédio, guardando apenas o bloco e o número da sala. Quando abriu a foto do comprovante que tinha no celular, viu que o nome do edifício estava cortado. Foi só quando ela mostrou uma segunda foto à reportagem do EM que descobriu que faria a prova no IGC, mas os portões já estavam fechados havia 10 minutos. “Não vou desistir e ainda vou me formar em psicologia”, afirmou a jovem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade