Publicidade

Estado de Minas

Professora diz que tema da redação do Enem surpreendeu alunos

Fernanda Nader, do Chromos Pré-vestibular, diz que formação insuficiente de corpo de professores e falta de domínio da Língua Brasileira de Sinais (Libras) são aspectos importantes que alunos devem destacar no texto


postado em 05/11/2017 14:50 / atualizado em 05/11/2017 15:33

(foto: Diferente de anos anteriores, em 2017 a redação é aplicada no primeiro dia das provas. Na foto, movimentação de candidatos na entrada da PUC Minas)
(foto: Diferente de anos anteriores, em 2017 a redação é aplicada no primeiro dia das provas. Na foto, movimentação de candidatos na entrada da PUC Minas)
O tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”, eleito pelo Ministério da Educação (MEC) para o Enem 2017, foi considerado por especialista em redação como “diferente do esperado”. “A especificidade dos temas já tem sido uma característica das últimas provas, porém o assunto não estava entre os esperados. Esse tema, no entanto, está "totalmente dentro das possibilidades de escrita do aluno, apesar de tão específico”, afirma a professora de redação do Chromos Pré-vestibular, Fernanda Nader.

Segundo Fernanda, ao tratar a formação educacional dos surdos o aluno será levado a estimular o pensamento crítico para pensar possíveis limitações dentro da educação que impedem a inclusão efetiva desse público em todos os setores. Essa especificidade do tema, no entanto, é vista como positiva pela professora levando em consideração o espaço reservado para o texto. “A redação tem 30 linhas e quanto mais o tema for limitado, melhor, porque o aluno consegue desenvolver de forma mais direta”, disse.

Ao escrever, o candidato não pode perder de vista que os aspectos destacados no texto devem atender à proposta do tema, que é a de apontar os desafios para formação dos surdos. “Como exemplos, temos a formação do corpo de professores, que muitas vezes não contempla uma capacitação para atender esse público. Outro problema é a falta de domínio da Língua Brasileira de Sinais (Libras), o que dificulta o aprendizado e convívio social dos surdos com professores, demais colegas e funcionários”, explica Fernanda.

O texto da redação deve ser dissertativo-argumentativo, com até 30 linhas, e ser desenvolvido a partir da situação-problema e de subsídios oferecidos pelos textos motivadores. É a primeira vez que a redação é aplicada no primeiro dia de provas. Neste domingo, 5, os participantes também fazem provas de linguagens, códigos e suas tecnologias; e ciências humanas e suas tecnologias, que somam 90 questões de múltipla escolha.

Neste ano, continuam em vigor os critérios de correção das cinco competências, conforme estabelecido na Cartilha de Participante - Redação no Enem 2017. O respeito aos direitos humanos será considerado na correção como previsto na competência 5: “Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.”

As provas do Enem começaram às 13h30 e os participantes terão 5 horas de 30 minutos para resolvê-las. Aqueles com direito a tempo adicional e que solicitaram o recurso durante a inscrição terão uma hora a mais. Deficientes auditivos e surdos que optaram fazer a Videoprova Traduzida em Libras, novidade desta edição, terão duas horas a mais de prova.

É a primeira vez que o Enem é aplicado em dois domingos consecutivos e que as áreas de conhecimento são divididas dessa forma. Assim, a demanda cognitiva do participante está organizada de maneira mais inteligente e integrada.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade