Publicidade

Estado de Minas

MEC constata queda no número de redações nota mil

Em 2015, foram 104 textos com nota máxima; 250 em 2014 e 481 em 2013. Mesmo com queda na quantidade de notas máximas, o grupo que tirou entre 901 e 999 aumentou em relação ao ano anterior


postado em 22/01/2017 06:00 / atualizado em 22/01/2017 07:31

Bruno Andrade investiu na produção de texto, que era seu ponto fraco, e terminou com nota 960, menor apenas que a obtida em matemática: 974,7(foto: Colegio Fibonacci/Divulgacao)
Bruno Andrade investiu na produção de texto, que era seu ponto fraco, e terminou com nota 960, menor apenas que a obtida em matemática: 974,7 (foto: Colegio Fibonacci/Divulgacao)

A queda no número de redações nota mil vem sendo constatada a cada ano, segundo o Ministério da Educação (MEC). Em 2015, foram 104 textos com nota máxima; 250 em 2014 e 481 em 2013. Mesmo com queda na quantidade de notas máximas, o grupo que tirou entre 901 e 999 aumentou em relação ao ano anterior. Foram 55.869 provas nessa faixa de notas, ante 47.770 em 2015 e 35.719 no Enem de 2014. Ex-aluna do Colégio Arnaldo, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, Isabela Falconiere Goulart, de 18, passou muito perto da nota máxima e também comemora os 980 pontos que tirou na redação.

"O segredo é criar hábito de leitura. Ler ajuda a escrever frases boas, que façam sentido, e a ter vocabulário”, conta a menina, que tem um quarto recheado de livros. Ela afirma que o mais difícil do Enem é controlar o tempo e, assim, conseguir criar um rascunho grande. Para evitar o risco de ser surpreendida pelo correr das horas, ela preferiu ir direto ao assunto: dispensou o lápis e escreveu tudo a caneta mesmo. “Não se pode repetir muita palavra, por isso, é importante um vocabulário amplo. As citações também são muito valorizadas e nem precisa ser de algum filósofo, pode ser da cultura pop, uma série a que se assistiu, quadrinhos. Daí, a importância da leitura, mais uma vez.”

Para ela, a parte mais difícil é a proposta de intervenção. “Escrevo muito e quando chego ao fim não tenho linha suficiente. Eu precisava discorrer mais”, lamenta. Mas nada que apague o brilho de uma vitória: “Quando vi que poucas pessoas tiraram mil, fiquei ainda mais feliz”.

Com expectativa de ser o primeiro lugar geral da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Bruno Lucas Andrade, de 18, focou o ano de 2016 no seu ponto mais fraco: redação. E foi ela a grande surpresa: 960 pontos, atrás apenas de matemática, prova na qual tirou 974,7. A média geral é maior que a nota mais alta da UFMG no Sisu do ano passado, quando um candidato cravou 855,04. Bruno se formou em 2015 no Colégio Fibonacci, em Ipatinga, no Vale do Aço, mas teve o sonho de cursar medicina atropelado justamente pela redação – na época, tirou 680, uma nota considerada ruim para um dos cursos mais disputados do país. “Esse é o resultado não só de um ano de cursinho, mas de uma vida inteira de estudo. Quando comecei o 3º ano, vi que precisava me esforçar mais para alcançar o que queria. Depois, transformei a chateação de não ter conseguido a vaga em motivação para um ano de cursinho”, relata.

Ele conta que achou “o jeito de fazer redação”. “Cada um tem uma maneira de escrever. Descobri a minha. Desenvolvi meu estilo de escrita, de organizar frases. O segredo é treinar até encontrar seu jeito”, afirma. Alguns dos recursos que ele usou foram a interdisciplinaridade nos parágrafos e a padronização da proposta de intervenção. O tema da redação já havia sido trabalhado em sala de aula. Bruno também resolveu ler suas produções de texto às vésperas da prova e, de 90, selecionou as 15 que considerava mais importantes, sendo uma delas a que tratava justamente de intolerância. “É preciso ter persistência, se manter motivado e se esforçar sempre.”

Vagas na UFMG

Está disponível para consulta edital que define as condições para preenchimento das vagas em cursos presenciais de graduação da UFMG, por chamadas, a partir da lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), primeira edição de 2017. O edital estabelece que, após a primeira convocação da Lista de Espera Sisu/UFMG – 1ª Edição de 2017, todos os candidatos relacionados que ainda não tiverem sido convocados para registro acadêmico e matrícula, independentemente de sua classificação, deverão confirmar seu interesse em continuar participando do processo. Tal confirmação deve ser feita de 17 a 21 de fevereiro, exclusivamente pela página do Sisu UFMG. O candidato que não confirmar o interesse no período definido no edital não poderá fazê-lo em outra data, sendo considerado formalmente desistente. Em 2017, a UFMG vai oferecer 6.279 vagas em seus cursos de graduação, em Belo Horizonte e em Montes Claros. Outras informações sobre o processo seletivo estão disponíveis na página do Sisu UFMG, no endereço www.ufmg.br/sisu/.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade