Publicidade

Estado de Minas

Estudantes se preparam para o Sisu 2017, na semana que vem

Estudantes se preparam para concorrer ao curso dos sonhos em 131 universidades, pelo Sistema de Seleção Unificada, na próxima semana. Serão 238.397 vagas nas instituições


postado em 20/01/2017 06:00 / atualizado em 20/01/2017 08:41

Participantes do Enem chegam à PUC para o teste: vagas no país subiram 4,5% em relação ao total de 2016(foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press - 3/12/16)
Participantes do Enem chegam à PUC para o teste: vagas no país subiram 4,5% em relação ao total de 2016 (foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press - 3/12/16)
Dada a largada para conferir as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é hora de os candidatos a uma vaga na universidade segurarem as rédeas para o começo de uma nova corrida na semana que vem: as inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Entre os estudantes, a expectativa é grande. Afinal, o resultado da maior avaliação do país vale uma cadeira em várias instituições federais de ensino superior do país. A disputa começa na terça-feira e vai até as 23h59 de sexta-feira, conforme publicado ontem em edital no Diário Oficial da União (DOU).


Nesta edição, referente ao primeiro semestre de 2017, serão ofertadas 238.397 vagas em 131 instituições, entre universidades federais, institutos federais de educação, ciência e tecnologia e instituições estaduais. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o número de vagas subiu 4,5% em relação ao primeiro semestre do ano passado, quando a oferta foi de 228.071. Cada candidato pode fazer até duas opções de curso. A inscrição, que deve ser feita na página do Sisu na internet (sisu.mec.gov.br), está restrita aos estudantes que tenham participado do Enem de 2016 e que não tenham tirado zero na redação.

Na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a maior do estado, as vagas para a graduação são ofertadas em seleção única do Sisu. Assim, até mesmo os estudantes que vão ingressar no segundo período letivo deste ano devem se inscrever nesta primeira edição do Sisu.

Considerado um dos piores desempenhos dos alunos na história do Enem pela presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, mais uma vez, o fiel da balança será a redação. É ela, aliás, o primeiro critério de desempate do Sisu, seguida pelas notas nas provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, matemática, ciências da natureza e ciências humanas.

Quem garantiu nota boa está tranquilo. Ex-aluno do Colégio Arnaldo, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, Álvaro Luís não vê a hora de cumprir a última etapa rumo à universidade e fazer logo a inscrição no Sisu. De olho numa vaga em direito na UFMG, acredita ter garantido seu lugar, uma vez que sua nota foi bem superior à de corte no ano passado, de 770.

Passada essa etapa que ele define como “aflitiva”, o estudante quer apenas viajar para a praia com tudo definido e descansar para começar uma nova fase da vida. Morador de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Álvaro estudou os três anos do ensino médio com bolsa. No trajeto de uma hora de ônibus para ir à escola e outra para voltar à casa, aproveitava para estudar. “Não perdia tempo. Precisava manter a bolsa”, conta. “A escolha de uma faculdade é um passo grande, difícil e crucial, mas estou tranquilo e decidido. Pretendo ir até o fim.”

ACESSO LENTO Para estudantes que ainda não conseguiram acessar as notas do Enem a expectativa é ainda maior. Caso de Pedro Cerqueira Moreira, de 18, candidato a medicina. Formado no fim do ano passado num colégio da Região Centro-Sul de BH, até ontem à tarde ele não sabia o resultado. E como não levou o caderno de provas nos dias do exame, terá de aguardar o resultado oficial para conferir seu desempenho. “Quando entro no site, aparece uma mensagem de 2015. Já liguei (para o MEC), mas há várias pessoas na mesma situação, devido ao grande número de acessos”, conta.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame, negou, por meio de nota, que a dificuldade de acesso se deva à manutenção do portal da instituição e afirma que tanto os resultados quanto a consulta pública sobre o Enem estão hospedados em outro endereço eletrônico. Acrescentou que o volume de acessos e problemas técnicos causaram dificuldades para alguns participantes. Mas que essas situações estão sendo solucionadas e até o fim de noite de ontem todos os resultados estariam disponíveis.

Até o fim da tarde de ontem, 4 milhões de participantes haviam consultado as notas (83% dos resultados conferidos), segundo o Inep. Apenas os treineiros ficarão ainda sem saber quanto tiraram na prova. Para os mais de 1,3 milhão de estudantes desse grupo (16% do total de participantes), os resultados só serão liberados em 19 de março.

Consulta pública

O sistema para participar da consulta pública sobre o Enem ficará disponível na internet (www.inep.gov.br) até 10 de fevereiro. Para opinar, é preciso fazer um rápido cadastro. Cada participação será computada apenas uma vez. A consulta tem três perguntas objetivas, que abordam alternativas de mudanças dos dias de aplicação de provas e a possibilidade de aplicação por computador, e ainda uma pergunta discursiva, na qual o cidadão pode dar sugestões para aprimoramento
do exame.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade