Publicidade

Estado de Minas

Justiça nega habeas corpus para goleiro Bruno


postado em 13/04/2011 13:56 / atualizado em 13/04/2011 17:20

O advogado Ércio Quaresma esteve no julgamento desta quarta-feira(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press.)
O advogado Ércio Quaresma esteve no julgamento desta quarta-feira (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press.)
 

Os desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negaram por unanimidade o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do goleiro Bruno Fernandes de Souza. O atleta está preso há nove meses, acusado de comandar o sequestro e assassinato da ex-amante Eliza Samudio, em junho de 2010.

Segundo o relator do recurso, desembargador Doorgal Andrada, a decisão da juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, da Vara do Tribunal do Júri de Contagem, foi devidamente fundamentada. Para o magistrado “há provas de que o delito foi praticado e indícios suficientes de autoria, tornando-se necessária a manutenção da prisão cautelar, como forma de resguardar a ordem pública e a conveniência da instrução criminal”.

Outro fator apontado pelo desembargador é a grande popularidade do goleiro e o apelo popular, inclusive com demonstrações de ódio contra o acusado.

Os defensores do atleta acreditavam na libertação de Bruno pelo fato dele ter se apresentado espontaneamente à Justiça, além de ter endereço fixo, emprego e bons antecedentes. Mesmo que tivesse o pedido de liberdade concedido, Bruno seria transferido para o Rio de Janeiro, onde foi condenado a quatro anos e seis meses de reclusão por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal de Eliza.

Relembre o caso

De acordo com o inquérito, Eliza e o bebê, suposto filho do goleiro, foram sequestrados por Luiz Henrique Romão e Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, no Rio de Janeiro, e trazidos para o sítio do atleta, em Esmeraldas, na Grande BH, em 4 de junho. A vítima teria sido mantida em cárcere privado até o dia 10, quando teria sido morta fora dali. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, é apontado como o executor. A criança foi entregue à ex-mulher, Dayanne de Souza.

Bruno, Macarrão e Sérgio respondem por sequestro e cárcere privado (pena de 1 a 3 anos), homicídio qualificado ( 12 a 30 anos) e ocultação de cadáver (1 a 3 anos). Bola é acusado de homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Em liberdade, Fernanda Gomes de Castro responde por sequestro e cárcere privado de Eliza e do bebê. Dayanne, Wemerson Marques de Souza e o caseiro do sítio, Elenilson Vitor da Silva, são acusados de sequestro e cárcere privado do menor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade