Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Quatro dicas para aliar alimentação e energia no trabalho

O estilo de alimentação impacta no rendimento do empregado ao longo do dia. Influencia na capacidade de concentração, no humor, no sono e até na criatividade


postado em 21/08/2019 14:30 / atualizado em 21/08/2019 14:30

Comida saudável para dar energia(foto: Andrew Wong/Unsplash)
Comida saudável para dar energia (foto: Andrew Wong/Unsplash)


Os hábitos alimentares têm papel central nas questões de saúde, em particular em relação a riscos a longo prazo de doenças cardiovasculares. No entanto, no curto prazo, o estilo de alimentação também impacta o nível de energia ao longo do dia de trabalho, a capacidade de concentração e a qualidade de vida.

Para garantir o nível de energia necessário no trabalho e nos outros momentos do cotidiano, Armelle Champetier, diretora da Yogist Brasil, startup que desenvolve um método exclusivo de ioga corporativo, traz algumas dicas:

Cuide da digestão

Uma boa digestão é a garantia de uma boa saúde. O que você come influencia no nível de energia, no humor, no sono, nas dores e até na criatividade. Intestinos congestionados e gases podem causar dores nas costas, deixando a pessoa irritada.

Alguns exemplos de boas práticas:
ao acordar, antes de comer qualquer coisa,  ajude o corpo a eliminar as toxinas, tomando um copo de água morna com meio limão espremido; à noite, fuja dos pratos pesados e dos legumes crus. Privilegie os alimentos cozidos e de fácil digestão.


Evite alimentos com glicemia elevada

Armelle Champetier, diretora da Yogist Brasil, diz que ao ingerir alimentos ricos em açúcar o resultado é uma queda na concentração, cansaço, sono e vontade de consumir mais açúcar O resultado é uma queda na concentração, cansaço, sono e vontade de consumir mais açúcar. (foto: Yogist Brasil/Divulgação)
Armelle Champetier, diretora da Yogist Brasil, diz que ao ingerir alimentos ricos em açúcar o resultado é uma queda na concentração, cansaço, sono e vontade de consumir mais açúcar O resultado é uma queda na concentração, cansaço, sono e vontade de consumir mais açúcar. (foto: Yogist Brasil/Divulgação)
Ao ingerir alimentos ricos em açúcar (ou de alto nível de glicemia) o nível de açúcar no sangue sobe de repente. Em resposta, o pâncreas (responsável pelo regulamento do sangue no organismo) libera doses altas de insulina, diminuindo rapidamente o nível de açúcar no sangue, além do nível normal. O resultado é uma queda na concentração, cansaço, sono e vontade de consumir mais açúcar.

Na medida do possível, fique longe das categorias de alimentos como: farinhas e cereais "refinados" (pão branco, arroz e massa não integral), produtos industriais (bolachas, balas, bolos...), refrigerantes, açúcar adicionado (em sucos, café...).

Coma quando realmente precisa


Além de diminuir o consumo de alimentos (bom para o seu bolso, e para o planeta!), deixar de comer em excesso reduz as inflamações, melhora a digestão, diminui as toxinas no corpo e aumenta o nível de energia.

Saber diferenciar a fome e a vontade de comer é crucial. Evite, na medida do possível, comer sob efeito do estresse, ou de fazer da comida a recompensa sistemática do esforço ou uma fonte de reconforto no fim de um longo dia.

Veja algumas situações em que essa dica entra em jogo: perto da hora do almoço, no trabalho: fique atento aos sinais de fome do seu corpo e não coma porque "deu o horário", e também não espere estar esfomeado para almoçar (isso aumenta o risco de você se jogar em qualquer comida que tiver na sua frente).

Se você é daqueles que sente fome ao longo do dia, tenha sempre um lanche saudável (uma banana, uma porção de castanhas) para degustar às 11h ou às 16h.
Não é porque está com "muita fome" que precisa comer "muito".

Posturas que facilitam a digestão


 
As posturas de torsão, onde o eixo do busto fica perpendicular ao eixo inferior do corpo, servem para torcer os músculos da coluna vertebral, mas também para incentivar a digestão: na torsão, a pessoa comprime os órgãos responsáveis pela digestão, como se fosse uma massagem. Dessa forma, o fluxo sanguíneo na direção do fígado está estimulado e a digestão fica mais suave.

Mas, cuidado! Essas posturas se praticam de barriga vazia, ou, pelo menos, duas horas depois da última refeição.







































Publicidade