Publicidade

Estado de Minas OPORTUNIDADE

Cervejaria anuncia ONGs de Minas selecionadas para mentoria voluntária em gestão

Programa VOA vai capacitar as organizações com técnicas de administração de processos, orçamentos e pessoas. Os voluntários são os próprios funcionários da cervejaria, incluindo a alta liderança


postado em 18/04/2019 13:05 / atualizado em 18/04/2019 16:13

Estudantes do programa Bom Aluno, do Instituto Severino Ballesteros, de Belo Horizonte, que capacita alunos de baixa renda que se destacam pelo desempenho escolar(foto: Arquivo Pessoal)
Estudantes do programa Bom Aluno, do Instituto Severino Ballesteros, de Belo Horizonte, que capacita alunos de baixa renda que se destacam pelo desempenho escolar (foto: Arquivo Pessoal)


A Cervejaria Ambev selecionou 52 ONGs brasileiras, entre mais de 300 inscritas, para participarem do VOA – entre elas estão o Instituto Severino Ballesteros, Embaixadores de Minas, Instituto Gil Nogueira, Associação Jaibense de Apoio ao Menor e CUFA Minas - Central Única das Favelas, que atuam nas áreas da educação, assistência social e geração de emprego no estado de Minas Gerais.

O programa de mentoria em gestão da companhia é voluntário. Seus funcionários contribuem com conhecimentos em diferentes áreas para que as organizações se desenvolvam, ajudando-as a se estruturar melhor e a ampliar seu impacto na sociedade.

Os funcionários voluntários, especialistas em diferentes áreas de atuação, serão responsáveis por oferecer mentoria personalizada para as ONGs, sendo os "padrinhos" de cada uma e acompanhando sua evolução ao longo do programa. Para este ano, mais de 400 funcionários se candidataram.

Uma das ONGs selecionadas é o Instituto Severino Ballesteros, de Belo Horizonte, responsável pelo programa Bom Aluno, que capacita estudantes de baixa renda que se destacaram pelo desempenho escolar, disciplina e bom relacionamento. "Sem suporte, boa parte desses alunos abandonaria os estudos ao concluir o ensino fundamental ou médio, e poucos concluiriam um curso superior, realidade que demonstra um desperdício irreparável de talentos, por não ser dada a eles a chance de furar o bloqueio das dificuldades conjunturais", explica a gestora do programa, Daisy Barros.

O programa conta hoje com 181 alunos da Região Metropolitana de Belo Horizonte, sendo que 72 já concluíram o curso de graduação e muitos já fizeram pós-graduação, mestrado e doutorado. Mais de 30 alunos são universitários e os demais estão cursando os ensinos fundamental e médio.

Segundo Daisy, o principal desafio da ONG hoje é tornar a iniciativa sustentável sob o ponto de vista financeiro e elaborar um planejamento estratégico para mensuração qualitativa e quantitativa do impacto sobre a vida dos jovens assistidos.

VOA

As aulas do VOA, que ocorrerão em encontros presenciais e por meio de módulos on-line, terão início em maio e trarão conteúdos sobre gestão de orçamento, gerenciamento de projetos, elaboração de metas e planos de carreira, entre outros.

VOA está em linha com os objetivos de desenvolvimento sustentável 1, 4, 8 e 17 da ONU, que buscam um mundo mais inclusivo e sustentável. "Sempre tivemos vontade de participar mais ativamente no desenvolvimento das organizações sociais, mas ainda não tínhamos clareza sobre como fazer isso – até que percebemos que poderíamos compartilhar nossos conhecimentos e práticas de gestão. No fim das contas, também aprendemos muito com elas, então foi uma troca rica para ambos os lados", conta Richard Lee, gerente de sustentabilidade da cervejaria, que vai participar como voluntário do programa pela segunda vez.

Para Lee, o VOA é extremamente importante para a cervejaria e está alinhado com seu sonho de unir as pessoas por um mundo melhor. "O programa não só nos aproxima ainda mais do terceiro setor, como também une os próprios funcionários, que escolhem dedicar boa parte de seu tempo às ONGs. O saldo é sempre positivo: saímos mais realizados e felizes com nosso trabalho.”

Na conclusão do programa, as ONGs apresentarão, ao fim de 2019, um projeto prático, realizado com base no que aprenderam ao longo dos meses, sendo que o mais bem avaliado receberá um auxílio financeiro. Em 2018, as organizações participantes puderam impactar cerca de 2 milhões de pessoas após a participação no programa.

Neste ano, as participantes de 2018 também terão a oportunidade de seguir acompanhando as aulas e encontros e poderão, inclusive, trocar experiências com as novas selecionadas, contribuindo ainda mais com seu desenvolvimento.

A escolha das participantes de 2019 envolveu critérios como potencial de impacto social nas novas gerações, visão de futuro e comprometimento.

Abaixo, os nomes, regiões e áreas de atuação das selecionadas.

Artes: Instituto Core de Música (Joinville/SC), Instituto Escola do Teatro Bolshoi no Brasil (Joinville/SC), Em Cena Arte e Cidadania (Recife/PE), IECAP - Instituto de Educação, Esporte, Cultura e Artes Populares (Brasília/DF).

Assistência social: Instituto Severino Ballesteros (Belo Horizonte/MG), Instituto Apontar (Rio de Janeiro/RJ), Associação Obra do Berco (São Paulo/SP), Instituto Semear (São José dos Campos/SP), Um Teto Para o Meu País (São Paulo), Associação Cultural Pisada do Sertão (Poço de José de Moura/PB), Vivenda da Criança (São Paulo/SP).

Educação: Programa Neojiba (Salvador/BA), Projeto Verde Vida (Crato/CE), Embaixadores de Minas (Belo Horizonte/MG), Instituto Gil Nogueira (Belo Horizonte/MG), Serviço de Tecnologia Alternativa (Ibimirim/PE), Semente do Futuro (Rio de Janeiro/RJ), Instituto Omunga (Joinville/SC), Associação Fazendo História (São Paulo/SP), Associação Turma do Jiló (São Paulo/SP), Associação Vaga Lume (São Paulo/SP), Colégio Mão Amiga (Itapecerica da Serra/SP), Fly Associação para a Educação e Cultura (São Paulo/SP), Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial (São Paulo/SP), Instituto Beabá (São Paulo/SP), Instituto Rogerio Steinberg (Rio de Janeiro/RJ).

Esportes: Instituto Cidadania Através do Esporte (São Paulo/SP), Abraço Campeão (Rio de Janeiro/RJ).

Geração de emprego e renda: Cipó – Comunicação Interativa (Salvador/BA), Clara Amizade (Salvador/BA), Obras Sociais Irmã Dulce (Salvador/BA), Edisca (Fortaleza/CE), Iprede (Fortaleza/CE), FAC – Fundação Assis Chateaubriand (Brasília/DF), Instituto Moinho Cultura Sul-Americano (Corumbá/MS), AJAM – Associação Jaibense de Apoio ao Menor (Jaíba/MG), CUFA Minas - Central Única das Favelas de Minas Gerais (Belo Horizonte/MG), CEAPS - Centro de Estudos Avançados Social e Ambiental (Santarém/PA), ABFB – Aliança Bayeux Franco-Brasileira (Bayeux/PB), Elo Apoio Social e Ambiental (Curitiba/PR), Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (Rio de Janeiro/RJ), Ecos do Futuro (Rio de Janeiro/RJ), Gastromotiva (Rio de Janeiro/RJ), Bairro da Juventude dos Padres Rogacionistas (Criciúma/SC), AFESU – Associação Feminina de Estudos Sociais e Universitários (São Paulo/SP), Associação Franciscana de Defesa de Direitos e Formação Popular (São Paulo/SP), CORE – Comunidade Reinventando a Educação (São Paulo/SP), Fundação Observatório do Livro e da Leitura (Ribeirão Preto/SP), Instituto Social Ser Mais (São Paulo/SP), Mater Dei Cam – Criação e Movimento (Atibaia/SP), Oficinas Quero (Santos/SP), ALIAR – Associação Aliança para um Futuro Melhor (Miracema/TO).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade