Publicidade

Estado de Minas

Saiba em que pé estão os 11 concursos mais esperados do governo federal

Concursos como o da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Advocacia Geral da União (AGU) são alguns dos mais esperados. Outros, como o do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) , Ministério do Trabalho (MTE) e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já solicitaram novas vagas


postado em 24/08/2018 18:23 / atualizado em 24/08/2018 18:35

(foto: Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação )
(foto: Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação )
Grandes órgãos já anunciaram concursos públicos neste ano, aumentando a ansiedade por grandes oportunidades em todo o Brasil. Um deles foi o Ministério Público da União, concurso tão aguardado entre os concurseiros e que lançou edital nesta semana. Outros, não têm previsão ainda, mas as esperanças são reforçadas por pedidos de vagas que ainda seguem sob a análise do Ministério do Planejamento. Além disso, a carência de servidores em instituições importantes, como Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) , Ministério do Trabalho (MTE) e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) faz com que novas seleções sejam cobiçadas.

Para Vandré Amorim, professor de direito administrativo do IMP Concursos, um dos certames mais aguardados, por exemplo, é o do Tribunal de Justiça do Distrito  Federal e Territórios (TJDFT). "Este será muito atraente, pois tem estrutura física, administrativa e remuneratória de excelente qualidade”, pontua. O professor espera que um edital seja publicado no final deste ano ou no início de 2019. "Agora, se o concursando quer um órgão com estrutura remuneratória inigualável, tem tanto o Senado Federal quanto a Câmara dos deputados. Ambos estão previstos para o início do próximo ano, com a nova legislatura". comenta.

Já o professor de legislação Gilcimar Rodrigues, do Gran Cursos Online, afirma que é importante para o concurseiro manter sempre a esperança nas publicações de editais, já que todos os órgãos precisam de renovação de mão de obra, em razão de exonerações ou aposentadorias. "Quando o prazo de validade de um concurso expira, já se iniciam os preparativos para o próximo concurso, que poderá sair a qualquer momento. Por isso a importância de obter uma preparação adequada de estudos”, comenta.

 

O Concursos fez uma lista dos editais mais cobiçados, de acordo com os especialistas da área. Confira, a seguir, a resposta oficial sobre cada um deles:

 

TCDF

O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) já informou que iniciou um estudo para a realização de novo concurso público, para cargos de níveis médio e superior. O certame deve preencher os cargos de procurador do Ministério Público de Contas do DF (MPC), auditor de controle externo, analista de controle externo e técnico de controle externo. As remunerações iniciais variam entre R$ 10.801,13 e R$ 18.036,41, podendo chegar a R$ 17.167,31 e R$ 28.253,67. Entretanto, o Tribunal explica que não houve deliberação definitiva, nem autorização para a realização. Trata-se de um levantamento preliminar de valores e impactos nas despesas de pessoal. 

 

Já foi realizada uma simulação de gastos, que está em fase de elaboração no âmbito da área de gestão de pessoas. Depois disso, haverá uma análise sob o ponto de vista orçamentário e quanto à viabilidade do certame conforme os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Segundo a corte, na sequência, caso haja viabilidade, o assunto será submetido à deliberação da Presidência do Tribunal, podendo ser necessária até mesmo eventual manifestação do Plenário. De acordo com a última atualização do portal do órgão, de abril de 2018, estão vagos 124 cargos divididos entre as carreiras de auditor de controle externo, analista de administração pública, técnico de controle externo e técnico de administração publica. 

 

TJDFT

A expectativa pelo lançamento de um novo edital de concurso público pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) aumentou já que a validade do concurso acabou e o tribunal está com 212 cargos vagos — 106 para analistas e 106 para técnicos. Os salários para os dois cargos, atualmente, são de R$ 11.006 e R$ 6.708, respectivamente. O órgão, no entanto, afirma, por meio de sua assessoria, que não há previsão de concurso devido a questões orçamentárias.

O TJDFT não precisa pedir autorização de órgãos externos para realizar seleção pública, como ocorre com órgãos do Poder Executivo, e isso facilita a abertura de novos certames.

No último concurso, 71.831 candidatos disputaram as 80 vagas abertas. Houve cargos em que a disputa contou com mais de mil participantes por oportunidade. Foi o caso do posto de técnico judiciário de área administrativa, cargo de maior disputa, com 46.692 inscritos para apenas 36 vagas,  1.334 por chance. 

Câmara dos Deputados

Um dos certames mais aguardados é o da Câmara dos Deputados. No último levantamento, a Casa atualizou os números de seu quadro de pessoal e apresentou documento informando que já são 681 cargos vagos.  Entretanto, a assessoria de imprensa informou que ainda não há previsão de lançamento do novo edital.

 

De acordo com as últimas informações do Portal de Transparência do órgão, são 219 cargos vagos em funções de nível superior (analista legislativo), que tem remuneração inicial de R$ 17.684,43 e outros 462 em funções de nível intermediário especializado (técnico legislativo), com vencimentos iniciais de R$ 11.545,65.

 

O quantitativo de desocupados representa mais de 18% do quadro de pessoal da Casa,que é composto de 3640 servidores dessas áreas. O cargo de assistente administrativo é o que mais precisa de funcionários, com 433 postos vazios.

 

A realização do concurso já foi autorizada pela Mesa Diretora, em 2014. Segundo consta no projeto, o novo concurso poderá ter até 143 vagas para provimento dos cargos vagos do órgão.

 

Senado Federal

O último balanço do Senado Federal indica que existem 1271 cargos vagos na Casa. São 709 técnicos legislativos, 4 advogados, 518 de analistas legislativos e 44 consultores legislativos. O quantitativo de desocupados representa mais de 36% do quadro de pessoal da Casa, que é composto por 3473 servidores.

 

Mesmo com o déficit elevado, de acordo com a assessoria da Casa não há previsão para o próximo concurso. O último certame ocorreu em 2011 e ofereceu chances para técnico,consultor e analista. Foram 246 oportunidades de níveis médio e superior. A concorrência geral foi de 642 candidatos por vaga. O posto que registrou o maior número de cadastros foi o de analista legislativo, com mais de 63 mil concorrentes.

 

As remunerações foram R$ 13.833,64 a R$ 23.826,57 e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) foi a empresa responsável pela organização do certame. As chances foram para cargos nas áreas de consultoria e assessoramento legislativo, consultoria e assessoramento em orçamentos; apoio técnico ao processo legislativo; apoio técnico-administrativo; controle interno; saúde e assistência social; instalações, equipamentos, ocupação e ambientação de espaço físico; redação e revisão de texto gráfico; comunicação social; e tecnologia da informação, entre outras.

Apesar da não previsão, Amorim garante que os concursos da Câmara quanto o Senado merecem o foco dos estudantes. “O número de cargos vagos é alto. Se não houver reposição, o trabalho pode ficar inviabilizado”.

 

IBGE

Também é muito aguardado um novo concurso para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o órgão, foram solicitadas 1.800 vagas, sendo 1.200 de nível médio e 600 de nível superior. Entretanto, ainda não há definição de datas para publicação de edital ou provas, pois o IBGE ainda aguarda autorização do Ministério do Planejamento. Os salários são de R$ 3.890,87 para técnicos e R$ 8.213,07 para analistas.

 

O IBGE informou também que somente no primeiro semestre de 2018, foram registradas cerca de 300 aposentadorias. O último concurso para efetivos foi realizado em 2016 e ofereceu 600 vagas, sendo 460 para o cargo de técnico em informações geográficas e estatísticas e 140 para analistas e tecnologistas. Os salários iniciais eram de R$ 3.098,85 a R$ 7.000,49.

 

Ao todo, foram 511.221 mil inscritos, sendo que a grande maioria concorreu aos cargos de técnico - são 460 oportunidades disputadas por 476.437 concurseiros. As vagas eram para formados em qualquer curso ou em análise de sistemas, sistemas da informação, tecnologia da informação, engenharia da computação, ciência da computação, informática, engenharia de sistemas, biologia, entre outras áreas.

 

INSS

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) aguarda a autorização de 13.904 vagas para abertura de um novo concurso público. O pedido foi definido com base em estudos realizados pelo órgão e está em análise junto ao Ministério do Planejamento. Entretanto, a decisão depende de disponibilidade orçamentária.

 

Do total de vagas solicitadas, 10.101 vagas são para o cargo de técnico, 1.657 para o cargo de analista e 2.146 vagas para o cargo de perito médico. Os salários destes cargos são de R$ 5.447,78, R$ 8.357,07 e R$ 13.700,59, respectivamente. Todos os cargos também possuem auxílio alimentação de R$ 458. A necessidade, segundo o INSS, é garantir a lotação ideal de servidores em todas as unidades do país e assim, assegurar o funcionamento e atendimento aos segurados e beneficiários.

 
O INSS possui atualmente 18.063 cargos vagos. O cargo que possui maior defasagem de pessoal é o de técnico do Seguro Social, com 13.843 postos vagos. Além disso, faltam 2.224 analistas do Seguro Social e 1.996 peritos médicos.

 

O Ministério do Planejamento disse, por sua vez, que não antecipa informações a respeito de pedidos de concursos que estejam sob análise. Reforçou também que em 2018, os concursos públicos nos órgãos do Poder Executivo Federal permanecem restritos em decorrência do ajuste fiscal. Dentro deste cenário, o Planejamento poderá conceder novas autorizações, em caráter excepcional, por medida de “absoluta necessidade da administração e desde que asseguradas às condições orçamentárias”. 

 

Correios

Conforme já mencionado pelo site de Concursos, para a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), há necessidade urgente de um novo concurso dos Correios. Para eles, a situação é alarmante e há um deficit de cerca de 40 mil funcionários em todo o país. Além disso, o último concurso para cargos operacionais foi em 2011.

 

Já de acordo com os Correios, não há deficit de efetivo e não há previsão de um novo concurso público. Segundo assessoria, a empresa está adequando a força de trabalho considerando a queda dos serviços de mensagens e o crescimento das encomendas. Ao mesmo tempo, está adequando os processos com a introdução de novas tecnologias e a automação dos fluxos operacionais.

 

AGU

A Advocacia-Geral da União (AGU) está autorizada a abrir um novo concurso com 100 vagas de nível superior para o Plano Geral de Cargos do Poder Executivo, para áreas de apoio às carreiras jurídicas da instituição. Serão abertas 48 vagas para administradores, 32 para contadores, 10 para analista técnico administrativo, cinco para técnico em comunicação social, duas para arquivista, duas para técnico em assuntos educacionais e um para bibliotecário. O edital deve ser publicado até dezembro deste ano.

 

Os cargos de nível superior tem vencimento básico de R$ 2.220,09, acrescido da Gratificação de Desempenho de Atividade de Apoio Técnico-Administrativo na AGU, no valor de R$ 3.128,00, e da Gratificação Específica de Apoio Técnico-Administrativo, no valor fixo de R$ 855,25. São 40 horas semanais de trabalho.

 

PRF

Outro concurso que já recebeu autorização oficial para ser lançado é o da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O Ministério do Planejamento deu seu aval para abertura da seleção em fevereiro deste ano e em julho a autorização foi publicada oficialmente com 500 vagas imediatas para o cargo de policial rodoviário federal. O documento ainda informou que o edital de abertura deverá ser publicado até janeiro de 2019. 


Nos próximos meses será definida a comissão organizadora, a empresa responsável pela elaboração e realização do concurso, para então ser publicado o edital de abertura.


Para concorrer a uma vaga é necessário ter nível superior em qualquer área de atuação. Atualmente, o salário inicial para o cargo é de R$ 9.899,88. De acordo com o último concurso, o policial rodoviário federal deve: realizar atividades de natureza policial envolvendo fiscalização, patrulhamento e policiamento ostensivo, atendimento e socorro às vítimas de acidentes rodoviários.

 

MTE

O Ministério do Trabalho (MTE) informou que foram solicitadas 2.873  vagas ao Planejamento. Porém,  a autorização ainda não foi concedida. No pedido, há vagas para auditor fiscal do trabalho (1.309),  agente administrativo  (1.307), administrador (93), arquivista (32), bibliotecário (2), contador (58), engenheiro (5), estatístico (5), sociólogo (4), psicólogo (26), técnico em assuntos educacionais (10), técnico em comunicação social (10) e economista (12).

 

O último concurso para a carreira administrativa ocorreu em 2014 e ofereceu 450 vagas para níveis médio e superior. O Cebraspe foi o organizador.  Os salários eram variavam entre R$ 2.573,22 e R$ 3.981,41.

 

A seleção registrou um total de 116.482 inscritos, o que gerou concorrência de, aproximadamente, 258 por chance. O cargo que recebeu o maior número de postulantes foi o de agente administrativo na unidade de Brasília, com 16.943 inscritos. No total, a capital federal angariou 20.656 inscrições. Além da capital, os aprovados foram lotados no Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

 

ANTT

A Agência Nacional de Transportes (ANTT) encaminhou ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPA) uma solicitação de autorização de novo concurso para provimento do quadro efetivo. Foram requisitadas 379 vagas. Sendo 60 para o cargo de especialista em regulação de serviços de transporte terrestres, 198 para técnico em regulação de serviços de transportes terrestres, 35 de analista administrativo e 86 para técnico administrativo. No entanto, até o momento não obtiveram posicionamento do Ministério a respeito da autorização.

 

A lei que criou a ANTT, órgão que regulamenta as prestações de serviços de transportes terrestres e atividades referentes à exploração de ferrovias e rodovias federais, estabelece o quantitativo de 1.705 cargos na Agência, sendo 590 para especialista em regulação de serviços, 860 para técnico em regulação de serviços, 105 para analista administrativo e 150 para técnico administrativo.

No momento, segundo a assessoria de comunicação do órgão, são 968 servidores de carreira, o que equivale a 56,7% do total estabelecido na lei de criação. O Ministério do Planejamento informou que não se manifesta a respeito de pedidos que ainda estão em análise.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade