Publicidade

Estado de Minas EDUCAÇÃO

Quase 70% dos inscritos faltam no primeiro Enem digital da história

Apesar do índice elevado, presidente do Inep ressaltou ''ganho pedagógico'' e facilidade de logística com prova on-line


31/01/2021 20:58 - atualizado 31/01/2021 21:20

Enem digital foi aplicado no campus da PUC Minas no Bairro Coração Eucarístico, Região Noroeste de Belo Horizonte(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Enem digital foi aplicado no campus da PUC Minas no Bairro Coração Eucarístico, Região Noroeste de Belo Horizonte (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

 

O primeiro Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em versão digital teve índice de falta de 68,1%. Neste domingo (31/1), 58.489 dos 93.079 estudantes inscritos para essa modalidade não compareceram ao local de provas.

 

Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O presidente da autarquia, Alexandre Lopes, concedeu entrevista coletiva à imprensa na noite deste domingo.

 

 

 

Conforme os dados apresentados pelo Inep, apenas 3.338 (33,1%) dos 8.695 inscritos em Minas Gerais fizeram as provas. Portanto, 5.357 (66,9%) faltaram.

 

Ainda assim, o presidente do Inep elogiou os "ganhos pedagógico e de logística" com a prova digital.

 

"A gente vai levar essa experiência para os outros exames que o Inep faz. A maior vantagem é do ponto de vista pedagógico: melhorarmos a forma como avaliamos nossos alunos. Fazemos questões melhores e trazendo toda riqueza do mundo digital", disse.

 

Sobre a logística, Alexandre Lopes afirmou que a ideia do Inep é realizar várias provas do Enem durante o ano para evitar que o exame ocorra em dois fins de semana.

 

"O aluno pode até ter mais oportunidades de fazer o Enem durante o ano. A ideia é que a gente distribua os participantes do Enem. Esse é o futuro", afirmou o presidente do Inep.

 

Sobre o índice de ausentes, ele afirmou que a pandemia da COVID-19 influenciou nos números. "Muitas cidades estão em lockdown", afirmou.

 

O Enem digital ocorreu em 104 cidades brasileiras, a partir de 1.028 locais de prova e 4.053 laboratórios.

 

Problemas

 

Ao menos um problema estrutural e outro tecnológico. O primeiro Enem digital também teve problemas que impediram ou limitaram o desempenho dos estudantes.

 

No Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá (Ifap), em Macapá, as provas não aconteceram porque uma viga do prédio da instituição caiu. A Defesa Civil interditou o local.

 

Dessa maneira, os 111 inscritos para fazer a prova no local a farão nos dias 23 e 24 de fevereiro, quando os estudantes do Amazonas também serão avaliados.

 

Vale lembrar que o Inep adiou as provas no Amazonas pelo colapso da saúde pública do estado, sobretudo na capital Manaus.

 

Outro problema ocorrido no Enem digital foi por causa da falha de um servidor. Alguns estudantes desistiram depois que os técnicos do Inep não conseguiram baixar a avaliação até as 13h30 deste domingo.

 

Esses alunos também terão suas provas remarcadas, segundo o Inep.

 

Em Belo Horizonte, a estudante Adriana Cardoso Rosas reclamou de atraso de quase duas horas na aplicação da prova. 

 

"A prova estava marcada para às 13h, mas só começou por volta das 15h. Entendo que é a primeira aplicação digital, mas o sistema não funcionou e deixou todos muito aflitos", disse ao Estado de Minas.

 

O caso de BH não foi citado pelo Inep na coletiva. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade