Publicidade

Estado de Minas Especial Educação

Crianças e adolescentes aprendem a dar novos destinos aos resíduos

Projetos socioecológicos difundidos em colégios de BH unem educação e natureza


27/10/2019 06:00 - atualizado 28/08/2020 18:05

Tainá Moreira de Paula, de 10 anos, com uma balança feita com garrafas PET(foto: Colégio Batista Mineiro/Divulgação)
Tainá Moreira de Paula, de 10 anos, com uma balança feita com garrafas PET (foto: Colégio Batista Mineiro/Divulgação)

 
 
Reduzir, reutilizar e reciclar. Os três Rs da sustentabilidade podem não fazer parte do currículo obrigatório, mas estão presentes em sala de aula quando se fala em uma proposta de educação mais ampla. Formar cidadãos preocupados com o meio ambiente é o objetivo de escolas de Belo Horizonte que estimulam seus alunos a enxergar resíduos com outros olhos. Em consequência, o trabalho reflete no dia a dia das famílias e da comunidade no entorno.
 
Para Christiane Silva, diretora do Colégio Batista Mineiro – Unidade Castelo, é muito importante convocar os estudantes, desde pequenos, a refletir sobre consciência ambiental e sustentabilidade. Por isso, eles sempre participam de projetos voltados para esses temas. “Nos projetos, a metodologia utilizada é a resolução de problemas. Dessa forma, a aprendizagem fica mais significativa e o estudante se vê como protagonista. Cada aluno consegue analisar, avaliar sua postura e modificá-la de acordo com as demandas sociais e as necessidades que ele mesmo identifica”, observa.
 
No último mês, os alunos do 4º ano do ensino fundamental foram desafiados a reaproveitar materiais para construir utilitários. A proposta, segundo Christiane, é refletir sobre a produção de lixo e a preservação os recursos naturais, criando objetos para facilitar algumas situações do dia a dia.
 
Tainá Moreira de Paula, de 10 anos, descobriu na internet que dava para fazer uma balança com garrafas PET. “Achei muito interessante. A minha mãe pode usar quando for fazer o almoço ou alguma coisa na cozinha”, comenta a menina. A balança é precisa mesmo: o tanto que a água sobe corresponde exatamente ao peso do objeto, colocado por cima da garrafa de cabeça para baixo.
 
Professor do Coleguim, Alysson Branco conversa com as alunas Camila França, Alice Nomiya e Anna Matos sobre o agir local pensando no global(foto: Carolina Ferreira/Divulgação)
Professor do Coleguim, Alysson Branco conversa com as alunas Camila França, Alice Nomiya e Anna Matos sobre o agir local pensando no global (foto: Carolina Ferreira/Divulgação)
 
 
Desde pequena, Tainá foi estimulada em casa a fazer brinquedos com materiais recicláveis. A mãe, Ana Carolina Moreira, observa que agora a visão dela sobre reciclagem foi ampliada, diante da descoberta de que dá para fazer objetos do dia a dia. “Hoje é um trabalho mais lúdico, que vira brincadeira, mas no futuro isso vai gerar consciência sobre a utilização dos materiais”, aponta. A família também sente o impacto. Ana Carolina conta que todos pensam melhor antes de jogar uma embalagem fora, pensando em novo usos. Um pote pode virar porta-brinquedo, por exemplo.
 
Outros objetos desenvolvidos pelos alunos do 4º ano foram uma pipoqueira de latas de refrigerante e um porta-ração de garrafa PET e papelão.
 

Descarte de eletrônicos

 
No Colégio Sagrado Coração de Jesus, o projeto de reciclagem se voltou para um tipo de lixo ainda difícil de lidar: os eletrônicos. “A ideia é conscientizar de que o uso da tecnologia é importante, mas os eletrônicos têm que ser descartados com consciência, no lugar certo, porque senão prejudicam o solo, os rios, as lagoas e a saúde das pessoas”, destaca a coordenadora geral Leda Ferreira Laredo.
 
O projeto envolveu turmas do ensino fundamental ao médio. Nas aulas de química, os professores explicam como a situação é alarmante. Relatório da Associação de Empresas da Indústria Móvel e da Universidade das Nações Unidas mostra que cerca de 1,4 milhão de resíduos eletrônicos são jogados fora todos os anos no Brasil e menos de 3% são reaproveitados. Ou seja, a maior parte dos metais pesados que fazem parte desstes materiais vão parar no lixo comum e acabam poluindo o meio ambiente. A escola organizou palestras e os alunos participaram de uma competição de lixo eletrônico promovida por uma empresa do setor. Em quatro meses, foram recolhidos oito mil quilos de equipamentos eletrônicos. 
 
Lixo eletrônico coletado pelo Colégio Sagrado Coração de Jesus(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Lixo eletrônico coletado pelo Colégio Sagrado Coração de Jesus (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
 
 
Há três anos, o Coleguium criou o Projeto Socioambiental para alunos entre 14 e 16 anos. “Percebemos que o jovem se preocupa com a questão ambiental, mas às vezes faltam ferramentas para que enxergue onde pode atuar. Provocamos o aluno a agir local, pensando no global, e esperamos que no futuro ele continue com essas ações como algo cotidiano”, pontua o supervisor das áreas de ciências e biologia, Alysson Branco.
 
O professor dá o exemplo do plástico. O aluno é desafiado a entender que, ao consumir menos embalagens, ele interfere na produção de plástico e, consequentemente, em uma questão mais ampla, que é o aquecimento global. Outra ação é estimular a coleta domiciliar de óleo, que retorna em forma de sabão.
 
Um grupo da unidade Carlos Prates dedicou parte do seu tempo para fazer atividades com idosos do Lar Frei Zacarias. Em um dos encontros, eles montaram uma horta orgânica reutilizando materiais que tinham em casa. “Os idosos passaram a consumir o que plantamos, sem agrotóxicos, e isso ajudou, inclusive, a reduzir a quantidade de embalagens”, aponta Camila França, ao lado de Alice Nomiya, Anna Matos, todas de 17. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade